A poesia como subtexto

a inscrição corporal da poética secreta de Hélio Oiticica

Palavras-chave: Hélio Oiticica, Poética secreta, Materialidade.

Resumo

O ensaio aborda o papel da poesia para a obra do artista Hélio Oiticica a partir de meados dos anos 1960. Em 1964, o artista escreveu um breve texto chamado “poética secreta”, acompanhado de uma série de poemas. O ensaio enfoca o impacto que essa escrita teve sobre a obra plástica do artista e o modo como a poesia atua como subtexto das obras criadas na década de 1960, questionando, assim, a virada icônica com seu enfoque que parte da imagem e que desvaloriza a importância da escritura. É realizada, a título de exemplo, análise de algumas da série dos “Bólides”, para mostrar como elas interatuam com a “poética secreta” ou com a poesia integrante nas próprias obras através de uma combinação de análise textual e material.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pauline Medea Bachmann, Universität Zürich

Pesquisadora post-doc de Brasilianística na Universidade de Zurique onde também é estudante de dotourado. 

Referências

AGUILAR Gonzalo. La ley del bandido, la ley del arte. Bólide caixa 18 poema caixa 2, homenagem a Cara de cavalo de Hüelio Oiticica. Revista Iberoamericana, Pittsburg, v. LXXV, n. 227, abr.-jun. 2009, pp. 539-550.

AYRES, Anita. Os labirintos de Hélio Oiticica. Revista Usina, Otubro 15, 2015, revistausina.com. Acesso em: 19 sept. 2016.

BACHMANN, Pauline. Escritura e artes plásticas: a poética secreta de Hélio Oiticica. In: CHIARA, Ana et al. (Org.). Bioescritas, biopoéticas: corpo, memória e arquivos. Porto Alegre: Sulina, 2017, pp. 227-244.

BACHMANN-MEDICK, Doris. Gegen-Worte. Was heißt Iconic/Visual Turn? Gegenworte, n. 20, otonho 2008, pp. 9-15.

BRAGA, Paula. Hélio Oiticica and the Parangolés. Third Text, v. 17, n. 1, 2003, pp. 43-52.

BRAGA, Paula. Hélio Oiticica: singularidade, multiplicidade. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2013.

BRETT, Guy; FIGUEREIDO, Luciano. Oiticica in London. London: Tate Publishing, 2007.

CLARK, Lygia. Sem título [1960]. In: Lygia Clark. Barcelona: Fundación Antoni Tàpies, 1998, pp. 142.

COELHO, Frederico. Hélio Oiticica – um escritor em seu labirinto. Sibila. Revista de Poesia e Crítica Literária [on-line], ano 16, 2009. Disponível em: https://sibila.com.br/.

COELHO, Frederico. Livro ou Livro-me. Os escritos babilônicos de Hélio Oiticica (1971-1978). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

COELHO, Frederico. Hélio Oiticica e o desejo de livro. O percevejo [on-line]. Periódico do Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas PPGAC/ UNIRIO, v. 6, n. 2, jul.-dez. 2014, pp. 113-127.

ELIAS DE SOUZA, Gabriel Girnos. A transgressão do “popular” na década de 60: os Parangolés e a Tropicália de Hélio Oiticica. Risco. Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, v. 2, n. 2, 2006, pp. 86-103.

LANGER, Susanne. Feeling and form: a theory of art developed from “Philosophy in a new Key”. New York: Scribner, 1977.

MARTINS, Sérgio. Constructing an avantgarde: art in Brazil (1949-1979). Cambridge, Mass./London: The MIT Press, 2013.

OITICICA, Hélio. Documento sem nome. Projeto Hélio Oiticica, 190.62, Rio de Janeiro, 4 ago. 1964.

OITICICA, Hélio. B33 Bólide Caixa 18 “Homenagem a Cara de Cavalo”. 1965. 1 Instalação, madeira, fotografia, náilon, acrílico, plástico e pigmentos. Coleção Gilberto Chateaubriand, Museu de Arte Moderna – MAM, Rio de Janeiro.

OICTICICA, Hélio. AD1. Projeto Hélio Oiticica, 190.62, Rio de Janeiro, 22 março1966.

OITICICA, Hélio. A dança na minha experiência. Coleção Projeto Hélio Oiticica, 0192/65, Rio de Janeiro, 1965/1966a.

OITICICA, Hélio. B30 Bólide Caixa 17. 1965/1966b. 1 Instalação, madeira, plástico. Coleção Projeto Hélio Oiticica, Rio de Janeiro.

OITICICA, Hélio. B34 Bólide Bacia 1. 1965/1966c. 1 Instalação, plástico, terra, luvas de plástico. Coleção Projeto Hélio Oiticica, Rio de Janeiro.

OITICICA, Hélio. B47 Bólide Bólide-caixa 22 Caixa-poema 4 “Mergulho do Corpo”. 1966/1967. 1 Instalação, plástico, água, fita adesiva. Coleção Projeto Hélio Oiticica, Rio de Janeiro.

OITICICA, Hélio. Tropicália (PN2 e PN3). 1968. 1 Instalação, plantas, areia, pedras, araras, aparelho de televisão, tecido e madeira. Coleção Projeto Hélio Oiticica, Rio de Janeiro.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986a.

OITICICA, Hélio. 5 de outubro de 1960. In: Aspiro ao Grande Labirinto. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986b, pp. 23.

OITICICA, Hélio. Posição e programa. Julho, 1966. In: Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986c, pp. 77-83.

OITICICA, Hélio. 29 de outubro de 1963. In: ROESLER, Silvia (ed.). Hélio Oiticica: a pintura depois do quadro. Bólides. Rio de Janeiro: Silvia Roesler Edições de Arte, 2008, pp. 148-149.

OITICICA, Hélio. Hélio Oiticica: conglomerado Newyorkaises. Frederico Coelho e César Oiticica Filho (eds.). Rio de Janeiro: Azouge, 2012.

OITICICA, Hélio. 16 Februar 1961. MMK Museum für Moderne Kunst Frankfurt am Main et al. (eds.). Hélio Oiticica. Das große Labyrinth. Frankfurt a. Main: MMK/Hatje Cantz, 2013, pp. 76-79.

OLIVEIRAS, Tatiane de. Die Kunstfilme von Hélio Oiticica. Berlin: Epubli, 2014.

RAMÍREZ, Mari Carmen; FIGUEIREDEO, Luciano. Hélio Oiticica. The body of color. London/Houston: Tate/Museum of Fine Arts, 2007.

RIVERA, Tania. A escrita de Hélio Oiticica. Revista Poiésis, n. 17, jul. 2011, pp. 53-64.

SALGADO, Roberta Camila. Verdes correntes – Tropicália. Rio de Janeiro: Azouge, 2015.

SMALL, Irene. Hélio Oiticica: folding the frame. Chicago: University of Chicago Press, 2016.

VOTTO, Carolina. La formación del artista trágico: Hélio Oiticica y la escritura como “medio del camino de la vida”. Interactive.org. A platform for contemporary art and thought. Febrero 2016. Disponible en: http://interartive.org/2016/02/oiticica-escritura/. Acceso en: 14 sept. 2016.

ZELEVANSKY, Lynn. Hélio Oiticica. To organize delirium. Pittsburgh/Munich/New York: Carnegie Museum of Art/DelMonico Books/Prestel, 2016.

Publicado
2019-07-11
Como Citar
Bachmann, P. M. (2019). A poesia como subtexto. Remate De Males, 39(1), 171-190. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8653999