A poesia como subtexto: A inscrição corporal da poética secreta de Hélio Oiticica

Palavras-chave: Hélio Oiticica, poética secreta, materialidade

Resumo

O ensaio aborda o papel da poesia para a obra do artista Hélio Oiticica a partir de meados dos anos 1960. Em 1964, o artista escreveu um breve texto chamado “poética secreta”, acompanhado de uma série de poemas. O ensaio enfoca o impacto que essa escrita teve sobre a obra plástica do artista e o modo como a poesia atua como subtexto das obras criadas na década de 1960, questionando, assim, a virada icônica com seu enfoque que parte da imagem e que desvaloriza a importância da escritura. É realizada, a título de exemplo, análise de algumas da série dos “Bólides”, para mostrar como elas interatuam com a “poética secreta” ou com a poesia integrante nas próprias obras através de uma combinação de análise textual e material.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pauline Medea Bachmann, Universität Zürich

Atualmente, Pauline Bachmann faz parte do grupo de pesquisa „Contested Amnesia and Dissonant Narratives in the Global South: Post-conflict in Literature, Art, and Emergent Archives” e é pesquisadora post-doc de Brasilianística na Universidade de Zurique onde também é estudante de dotourado. De 2011 a 2017 ela trabalhava no grupo de pesquisa „Transcultural Negotiations in the Ambits of Art” na Universidade Livre de Berlim. Sua trajetória sempre foi interdisciplinar, explorando as márgens e interseções de arte, literatura e cultura visual. Em 2010 terminou o seu mestrado em Estudos Latinoamericanos e História de Arte na Universidade Livre de Berlim.

Referências

AGUILAR Gonzalo. La ley del bandido, la ley del arte. Bólide caixa 18 poema caixa 2, homenagem a Cara de cavalo de Hüelio Oiticica. Revista Iberoamericana, Pittsburg, v. LXXV, n. 227, abr.-jun. 2009, pp. 539-550.

AYRES, Anita. Os labirintos de Hélio Oiticica. Revista Usina, Otubro 15, 2015, revistausina.com. Acesso em: 19 sept. 2016.

BACHMANN, Pauline. Escritura e artes plásticas: a poética secreta de Hélio Oiticica. In: CHIARA, Ana et al. (orgs.). Bioescritas, biopoéticas: corpo, memória e arquivos. Porto Alegre: Sulina, 2017, pp. 227-244.

BACHMANN-MEDICK, Doris. Gegen-Worte. Was heißt Iconic/Visual Turn? Gegenworte, n. 20, otonho 2008, pp. 9-15.

BRAGA, Paula. Hélio Oiticica and the Parangolés. Third Text, v. 17, n. 1, 2003, pp. 43-52.

BRAGA, Paula. Hélio Oiticica: singularidade, multiplicidade. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2013.

BRETT, Guy; FIGUEREIDO, Luciano. Oiticica in London. London: Tate Publishing, 2007.

CLARK, Lygia. Sem título [1960]. In: Lygia Clark. Barcelona: Fundación Antoni Tàpies, 1998, pp. 142.

COELHO, Frederico. Hélio Oiticica – um escritor em seu labirinto. Sibila. Revista de Poesia e Crítica Literária [on-line], ano 16, 2009. Disponível em: <https://sibila.com.br/>.

COELHO, Frederico. Livro ou Livro-me. Os escritos babilônicos de Hélio Oiticica (1971-1978). Rio de Janeineiro: EdUERJ, 2010.

COELHO, Frederico. Hélio Oiticica e o desejo de livro. O percevejo [on-line]. Periódico do Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas PPGAC/ UNIRIO, v. 6, n. 2, jul.-dez. 2014, pp. 113-127.

ELIAS DE SOUZA, Gabriel Girnos. A transgressão do “popular” na década de 60: os Parangolés e a Tropicália de Hélio Oiticica. Risco. Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, v. 2, n. 2, 2006, pp. 86-103.

LANGER, Susanne. Feeling and Form: A Theory of Art Developed from “Philosophy in a new Key”. New York: Scribner, 1977.

MARTINS, Sérgio. Constructing an Avantgarde: Art in Brazil (1949-1979). Cambridge, Mass./London: The MIT Press, 2013.

OITICICA, Hélio. Documento sem nome. Projeto Hélio Oiticica, 190.62, Rio de Janeiro, 4 ago. 1964.

OITICICA, Hélio. B33 Bólide Caixa 18 “Homenagem a Cara de Cavalo”. 1965. 1 Instalação, madeira, fotografia, náilon, acrílico, plástico e pigmentos. Coleção Gilberto Chateaubriand, Museu de Arte Moderna – MAM, Rio de Janeiro.

OICTICICA, Hélio. AD1. Projeto Hélio Oiticica, 190.62, Rio de Janeiro, 22 março1966.

OITICICA, Hélio. A dança na minha experiência. Coleção Projeto Hélio Oiticica, 0192/65, Rio de Janeiro, 1965/1966a.

OITICICA, Hélio. B30 Bólide Caixa 17. 1965/1966b. 1 Instalação, madeira, plástico. Coleção Projeto Hélio Oiticica, Rio de Janeiro.

OITICICA, Hélio. B34 Bólide Bacia 1. 1965/1966c. 1 Instalação, plástico, terra, luvas de plástico. Coleção Projeto Hélio Oiticica, Rio de Janeiro.

OITICICA, Hélio. B47 Bólide Bólide-caixa 22 Caixa-poema 4 “Mergulho do Corpo”. 1966/1967. 1 Instalação, plástico, água, fita adesiva. Coleção Projeto Hélio Oiticica, Rio de Janeiro.

OITICICA, Hélio. Tropicália (PN2 e PN3). 1968. 1 Instalação, plantas, areia, pedras, araras, aparelho de televisão, tecido e madeira. Coleção Projeto Hélio Oiticica, Rio de Janeiro.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao Grande Labirinto. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986a.

OITICICA, Hélio. 5 de outubro de 1960. In: Aspiro ao Grande Labirinto. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986b, pp. 23.

OITICICA, Hélio. Posição e Programa. Julho, 1966. In: Aspiro ao Grande Labirinto. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986c, pp. 77-83.

OITICICA, Hélio. 29 de outubro de 1963. In: ROESLER, Silvia (ed.). Hélio Oiticica: a pintura depois do quadro. Bólides. Rio de Janeiro: Silvia Roesler Edições de Arte, 2008, pp. 148-149.

OITICICA, Hélio. Hélio Oiticica: conglomerado Newyorkaises. Frederico Coelho e César Oiticica Filho (eds.). Rio de Janeiro: Azouge, 2012.

OITICICA, Hélio. 16 Februar 1961. MMK Museum für Moderne Kunst Frankfurt am Main et al. (eds.). Hélio Oiticica. Das große Labyrinth. Frankfurt a. Main: MMK/Hatje Cantz, 2013, pp. 76-79.

OLIVEIRAS, Tatiane de. Die Kunstfilme von Hélio Oiticica. Berlin: Epubli, 2014.

RAMÍREZ, Mari Carmen; FIGUEIREDEO, Luciano. Hélio Oiticica. The Body of Color. London/Houston: Tate/Museum of Fine Arts, 2007.

RIVERA, Tania. A escrita de Hélio Oiticica. Revista Poiésis, n. 17, jul. 2011, pp. 53-64.

SALGADO, Roberta Camila. Verdes correntes – Tropicália. Rio de Janeiro: Azouge, 2015.

SMALL, Irene. Hélio Oiticica: Folding the Frame. Chicago: University of Chicago Press, 2016.

VOTTO, Carolina. La formación del artista trágico: Hélio Oiticica y la escritura como “medio del camino de la vida”. Interactive.org. A platform for contemporary art and thought. Febrero 2016. Disponible en: <http://interartive.org/2016/02/oiticica-escritura/>. Acceso en 14 sept. 2016.

ZELEVANSKY, Lynn. Hélio Oiticica. To Organize Delirium. Pittsburgh/Munich/New York: Carnegie Museum of Art/DelMonico Books/Prestel, 2016.

Publicado
2019-07-11
Como Citar
Bachmann, P. M. (2019). A poesia como subtexto: A inscrição corporal da poética secreta de Hélio Oiticica. Remate De Males, 39(1), 171-190. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8653999