Livro, ficção e ordem provisória

  • Júlia Vasconcelos Studart Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Ficção, Leitura, livro

Resumo

O artigo trata do percurso crítico de alguns procedimentos de leitura de Maria Gabriela Llansol e Valêncio Xavier, a partir das ideias de ficção improvisada e tempo futuro da leitura para ler no leitor um revés a uma ordem instituída pela autoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Vasconcelos Studart, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

É professora de Literatura da Escola de Letras da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO. Publicou, entre outros, O dançarino Subtil (Caminho/Leya, 2016), Logomaquia (7Letras, 2015), Nuno Ramos (EdUERJ, 2014) e Arquivo debilitado (Dobra Editorial, 2012).

Referências

BARRENTO, João; SANTOS, Maria Etelvina. As horas de Llansol. In: LLANSOL, Maria Gabriela. Livro de Horas 1 – uma data em cada mão. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009, pp. 11-16.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Trad. Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte/São Paulo: Editora UFMG/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

LEMINSKI, Paulo. História mal contada. In: Ensaios e anseios crípticos. Campinas: Editora da Unicamp, 2011, pp. 392-332.

LLANSOL, Maria Gabriela. Livro de Horas 1 – uma data em cada mão. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009.

PRÚCOLI, Aline. Pustulâncias – menina bruta. Vitória: Editora Cousa, 2017.

XAVIER, Valêncio. Minha mãe morrendo e o Menino Mentido. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

XAVIER, Valêncio. Rrmembranças da menina de rua morta nua e outros livros. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Publicado
2019-07-11
Como Citar
Studart, J. V. (2019). Livro, ficção e ordem provisória. Remate De Males, 39(1), 219-227. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8654044