Livro, ficção e ordem provisória

Palavras-chave: Livro, Ficção, Leitura.

Resumo

O artigo trata do percurso crítico de alguns procedimentos de leitura de Maria Gabriela Llansol e Valêncio Xavier, a partir das ideias de ficção improvisada e tempo futuro da leitura para ler no leitor um revés a uma ordem instituída pela autoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Vasconcelos Studart, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Professora de Literatura da Escola de Letras da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO.

Referências

BARRENTO, João; SANTOS, Maria Etelvina. As horas de Llansol. In: LLANSOL, Maria Gabriela. Livro de Horas 1 – uma data em cada mão. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009, pp. 11-16.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Trad. Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte/São Paulo: Editora UFMG/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

LEMINSKI, Paulo. História mal contada. In: Ensaios e anseios crípticos. Campinas: Editora da Unicamp, 2011, pp. 392-332.

LLANSOL, Maria Gabriela. Livro de Horas 1 – uma data em cada mão. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009.

PRÚCOLI, Aline. Pustulâncias – menina bruta. Vitória: Editora Cousa, 2017.

XAVIER, Valêncio. Minha mãe morrendo e o menino mentido. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

XAVIER, Valêncio. Remembranças da menina de rua morta nua e outros livros. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Publicado
2019-07-11
Como Citar
Studart, J. V. (2019). Livro, ficção e ordem provisória. Remate De Males, 39(1), 219-227. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8654044