Rosa, Goethe e Milton

prolegômenos a diálogos poético-bíblicos

Palavras-chave: Grande sertão: veredas, Fausto, Paradise Lost.

Resumo

A proposta deste artigo é analisar os traços dos textos de João Guimarães Rosa, Johann Wolfgang von Goethe e John Milton, a saber, Grande sertão: veredas, Fausto e Paradise Lost, respectivamente, que compõem diálogos poético-bíblicos, cantos paralelos ou transcriações. Este artigo também investigará o modo como o romance brasileiro dialoga com a peça trágica alemã na elaboração e recriação do mito do Diabo e em seus desdobramentos, elementos esses que também estão presentes no diálogo entre os textos em alemão e em inglês. A noção de diálogo aqui trabalhada é a estudada por Mikhail Bakhtin, o qual sugere a ideia de dialogismo como constitutivo da intertextualidade, com o texto passando a ser visto como uma absorção de e uma resposta a um outro texto. Nesse movimento de absorção de elementos e resposta a outros textos, a lógica do suplemento de Jacques Derrida promove a noção de diálogo com o termo funcionando como a escrita de proliferação de significados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Fernando Ferreira Sá, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorado sanduíche em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais e pela Columbia University. Professor Associado de Literaturas da UFMG.

Miriam Piedade Mansur Andrade, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora Adjunto A, Classe A, Nivel 1 da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

AMARAL, Roberto Antônio Penêdo do. A questão do mal em Grande sertão: veredas – um diálogo entre Tomás de Aquino e o jagunço Riobaldo. Em Tese, Belo Horizonte, v. 22, n. 1, jan.-abr. 2016, pp. 21-30.

BAKHTIN, M. Problems of Dostoevsky’s poetics. Trad. R. W. Rotsel. Ann Arbor: Ardis, 1973.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2002.

BAUDELAIRE, C. L’art romantique. Paris: Garnier-Flammarion, 1968.

Bíblia DE JERUSALÉM. São Paulo: Edições Paulinas, 1973.

BONOMO, D. A biblioteca alemã de João Guimarães Rosa. In: Pandaemonium Germanicum [on-line], São Paulo, n. 16, 2010, [s.p.].

BUENO, R. I. Urutu-branco e o leproso: corpo e culpa em uma vereda do Grande sertão. Revista Letras, Curitiba, n. 49, 1998, pp. 35-51.

CANDIDO, Antonio. [Entrevista em que fala sobre Guimarães Rosa e Grande sertão: veredas. 2014. YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=nn9YMb6S7VQ&t=86s. Acesso em: 10 jan. 2018.

CALLOWAY, K. Beyond parody: satan as aeneas in paradise lost. Milton Quarterly, v. 39, n. 2, 2005, pp. 82-92.

COSTA, D. P. Duas epopeias das Américas: Moby Dick e Grande sertão: veredas, ou, O problema do mal. Porto: Lello & Irmão, 1974.

COUSTÉ, A. Biografia do diabo: o diabo como a sombra de Deus na história. Trad. Luca Albuquerque. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1996.

DAVID-DE PALACIO, M. F. Errer et devenir: le parcours Faustien de Job, de Goethe à Giran. Revue de Littérature Comparée, n. 350, v. 2, 2014/2, pp. 155-170.

DERRIDA, J. Gramatologia. Trad. Miriam Schnaiderman e Renato Janine. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

DERRIDA, J. Papel máquina. Trad. Evando Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

FORSYTH, N. The old enemy: satan & the combat myth. Princeton: Princeton University Press, 1991.

GOETHE, J. W. Fausto. Trad. António Feliciano de Castilho. Londres: W. M. Jackson Inc. Editores, 1956.

GOETHE, J. W. Fausto. Tragédia. Trad. Agostinho d’Ornellas. Lisboa: Typogr. Franco- -portuguesa, 1867.

MILTON, John. John Milton – a critical edition of the major works. Editors S. Orgel; J. Goldberg. Oxford: Oxford University Press, 1991. (Col. The Oxford Authors)

KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. Trad. Lúcia H. F. Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 1974.

MAGALHÃES, A. C. M.; BRANDÃO, E. O diabo na arte e no imaginário ocidental. In: MAGALHÃES, ACM. et al. (Org.). O demoníaco na literatura [on-line]. Campina Grande: Eduepb, 2012, pp. 277-290.

MASSON. D. The three devils: Luther’s, Milton’s and Goethe’s, with other essays. Londres: Macmillan, 1874.

MAZZARI, M. V. Figurações do “mal” e do “maligno” no Grande sertão: veredas. Estud. Av. [on-line]. v. 22, n. 64, 2008, pp. 273-290.

METZGER, L. The eternal process: some parallels between Goethe’s Faust and Tennyson’s “In memoriam”. Victorian Poetry, v. 1, n. 3, jan. 1, 1963, pp. 189- 196.

OLIVEIRA, E. D. Deus e o diabo no Grande sertão: veredas: uma leitura antimaniqueísta. Millenium, 46-A. Número Especial temático sobre Literatura, nov. de 2014, pp. 138--152.

PARKER, F. Between satan and Mephistopheles: Byron and the Devil. The Cambridge Quarterly, v. 35, n. 1, 2006, pp. 1-29.

PARKER, F. The devil as muse. Blake, Byron, and the adversary. Waco, Texas: Baylor University Press, 2011.

PESSOA, F. A hora do diabo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

REBELLO, I. F. Guimarães Rosa, colecionador de palavras – uma leitura da poética das listas, em Grande sertão: veredas. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 42, n. 74, maio-ago. 2017, pp. 69-75.

RODRIGUES, H. E. Poesia bíblica e utopia em Haroldo de Campos. O Eixo e a Roda, Belo Horizonte, v. 24, n. 1, 2015, pp. 169-185.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 20. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

ROSA, João Guimarães. [Entrevista a W. Höllerer]. 1962. YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ndsNFE6SP68. Acesso em: 10 jan. 2018.

RUSSELL, J. B. The devil: perceptions of evil from antiquity to primitive christianity. Ithaca, N. Y.: Cornell University Press, 1977.

RUSSELL, J. B. Satan: the early christian tradition. Ithaca/Londres: Cornell University Press, 1981.

RUSSELL, J. B. Lucifer: the devil in the Middle Ages. Ithaca/Londres: Cornell University Press, 1984.

RUSSELL, J. B. Mephistopheles: the devil in the modern world. Ithaca, N.Y./Londres: Cornell University Press, 1986.

SÁ, L. F. F. Intertextualidade e influência em “destinerrance”. In: PEREIRA, Maria Antonieta Pereira; SÁ, Luiz Fernando Ferreira (Org.). Jacques Derrida: atos de leitura, literatura e democracia. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, Linha Ed. Tela e o Texto, 2009, pp. 119-125.

SPERBER, S. F. Rogando coisas de salvação urgente: em busca de Terra sem Mal. In: FANTINI, M. (Org.). A poética migrante de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008, pp. 190-212.

VEJMELKA, M. A travessia perigosa: Grande sertão: veredas e Doutor Fausto em leitura dialógica. Estud. Av. [on-line], v. 23, n. 65, 2009, pp. 299-315.

Publicado
2019-06-13
Como Citar
Sá, L. F. F., & Andrade, M. P. M. (2019). Rosa, Goethe e Milton. Remate De Males, 39(1), 440-464. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8654052