O fascismo é um meme?

o tosco enquanto performance política na era digital

  • Acauam Silvério de Oliveira Universidade de Pernambuco
Palavras-chave: Bolsonarismo, Redes sociais, Tosco brasileiro

Resumo

O presente artigo busca analisar alguns aspectos do chamado “bolsonarismo”, sobretudo no que diz respeito a certos traços peculiares de sua performance, marcada pelo caráter aparentemente tosco e precário, e, não obstante, profundamente violento. Acreditamos que alguns dos conceitos atualmente mobilizados para a compreensão do fenômeno – tais como “fascismo” – são, ainda que funcionais, insuficientes para dar conta do seu aspecto de novidade, marcado entre outras coisas por uma relação estrutural profunda com a linguagem das redes sociais. Se, em relação às suas práticas autoritárias, de viés militarista, as atitudes do presidente se aproximam de forma inequívoca de modelos autoritários anteriores, é na atualidade de sua performance que podemos compreender o apelo contemporâneo de seus posicionamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Acauam Silvério de Oliveira, Universidade de Pernambuco

Doutorado em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo, Brasil, 2015.
Professor Adjunto da Universidade de Pernambuco , Brasil.

Referências

AB’SABER, Tales. Brasil, a ausência significante política (uma comunicação). In: O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010, p. 187.

ALESSI, Gil. Secretário da Cultura de Bolsonaro imita fala de nazista Goebbels e é demitido. El País, 17 jan. 2020. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2020-01-17/secretario-da-cultura-de-bolsonaro-imita-discurso-de-nazista-goebbels-e-revolta-presidentes-da-camara-e-do-stf.html>. Acesso em: 27/03/20.

ALVES, José Cláudio Souza. Dos barões ao extermínio: uma história da violência na Baixada Fluminense. Duque de Caxias-RJ: CAPPH-CLIO, 2003.

APÓS DECISÃO da Justiça, governo suspende nomeação do presidente da Fundação Palmares. G1, 12 dez. 2019. Disponível em: <https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/12/12/governo-suspende-nomeacoes-dos-presidentes-da-fundacao-palmares-e-iphan.ghtml>. Acesso em: 27/03/20.

ARANTES, Paulo. Abriu-se a porteira da absoluta ingovernabilidade no Brasil. Brasil de Fato, 13 nov. 2018. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2018/11/13/abriu-se-a-porteira-da-absoluta-ingovernabilidade-no-brasil-diz-paulo-arantes>. Acesso em: 27/03/20.

ARANTES, Paulo. O novo tempo do mundo: e outros estudos sobre a era da emergência. São Paulo: Boitempo, 2015.

BERTONI, Estevão. Como o ministério da Educação tenta reciclar o Escola sem Partido. Nexo, 29 set. 2019. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/09/29/Como-o-Minist%C3%A9rio-da-Educa%C3%A7%C3%A3o-tenta-reciclar-o-Escola-sem-Partido>. Acesso em: 27/03/20.

CARVALHO, Bernardo. Em defesa da obra. Piauí [on-line], ed. 62, nov. 2011.

CATALANI, Felipe. A decisão fascista e o mito da regressão. Blog da Boitempo. São Paulo, jul. 2019. Disponível em: <https://blogdaboitempo.com.br/2019/07/23/a-decisao-fascista-e-o-mito-da-regressao-o-brasil-a-luz-do-mundo-e-vice-versa/>. Acesso em: 27/03/20.

CAVAIGNAC, Monica Duarte. Precarização do trabalho e operadores de telemarketing. Perspectivas, São Paulo, v. 39, jan./jun. 2011, pp. 47-74.

CORDEIRO, Felipe. Relembre as polêmicas da ministra Damares Alves. Portal Terra, 26 dez. 2019. Disponível em: <https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades/relembre-as-polemicas-da-ministra-damares-alves,e39919c669f1a41d9bdc48ec93b867c21a7urtnq.html>. Acesso em: 27/03/20.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. São Paulo: Boitempo, 2017.

FRASER, Nancy. Progressive Neoliberalism Versus Reactionary Populism: A Hobson’s Choice. In: The Great Regression. [site]. Cambridge: Polity, 2017. Disponível em: <http://www.thegreatregression.eu/progressive-neoliberalism-versus-reactionary-populism-a-hobsons-choice/>. Acesso em: 27/03/20.

GUILLUY, Christophe. No Society. La fin de la classe moyenne occidentale. Paris: Flammarion, 2018.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2017.

HAN, Byung-Chul. No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes, 2018.

MARQUES, Gilvan. Coletiva de Bolsonaro foi improvisada em cima de prancha de bodyboard. UOL, São Paulo, 1 jan. 2018. Disponível em: <https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/redacao/2018/11/01/coletiva-de-bolsonaro-foi-improvisada-em-cima-de-prancha-de-bodyboard.htm>. Acesso em: 27/03/20.

PINTO NETO, Moysés. Do populismo reacionário ao exterminismo: yuppies, neggers e trolls. Revista Crise e Crítica, v. 2, n. 2, nov. 2018, pp. 80-95.

NOBRE, Marcos. O fim da polarização. Revista Piauí, v. 51, 2010, pp. 133-149.

OLIVEIRA, Acauam. Barrar o caráter predatório automático do capitalismo, eis o desafio. CADERNOS IHU IDEIAS (UNISINOS), v. 16, 2018a, pp. 1-56.

OLIVEIRA, Acauam. O cenário político desolador, a antipolítica das redes e a performance das candidaturas. [Entrevista concedida a] Patrícia Fachin. Instituto Humanitas Unisinos, out. 2018b.

ORTELADO, Pablo. Guerras culturais no Brasil. Le monde diplomatique Brasil, 1 dez. 2014. Disponível em: <https://diplomatique.org.br/guerras-culturais-no-brasil/>. Acesso em: 27/03/20.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento. São Paulo: Editora 34, 1996.

RODRIGUES, André; DEL RIO, Andrés. Estado miliciano: a consolidação da ideologia. Le Monde Diplomatique Brasil, 7 mai. 2019 [on-line]. Disponível em: <https://diplomatique.org.br/estado-miliciano-a-consolidacao-da-ideologia/>. Acesso em: 27/03/20.

SAFATLE, Vladimir. A esquerda que não teme dizer seu nome. São Paulo: Três Estrelas, 2012.

SAFATLE, Vladimir. Só mais um esforço. São Paulo: Três Estrelas, 2017.

VIANA, Silvia. Acabou! Argumentum, v. 11, n. 2, 2019, pp. 17-30.

Publicado
2020-05-29
Como Citar
Oliveira, A. S. de. (2020). O fascismo é um meme?. Remate De Males, 40(1), 14-40. https://doi.org/10.20396/remate.v40i1.8658576