“Diadorim sou eu” e o problema biográfico de Guimarães Rosa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v41i2.8663412

Palavras-chave:

Biografia, Guimarães Rosa, Diadorim

Resumo

Este artigo tem como objetivo problematizar a expressão “O Diadorim do Grande sertão sou eu”, dita por João Guimarães Rosa (1908-1967) a Afonso Arinos e registrada por Josué Montello, assim como busca circunscrever o problema biográfico do autor mineiro. O texto fundamenta-se na discussão de “crítica biográfica” (SOUZA, 2020) para fazer a leitura do campo biográfico e da personagem Diadorim. A conclusão aponta para a possibilidade de relacionar fato e ficção à pesquisa e à grande carência de estudos biográficos sobre o autor mineiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Castro e Silva, Universidade de Brasília

Doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de Brasília (UnB).

Florence Dravet, Universidade Católica de Brasília

Doutorado em Didactologia das Línguas e Culturas pela Université Sorbonne Nouvelle. Professora do Mestrado em Comunicação e Economia Criativa e Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Brasília (UCB).

Leandro Bessa, Universidade Católica de Brasília

Doutorando em Comunicação do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de Brasília (UnB). Professor do Mestrado em Comunicação e Economia Criativa da Universidade Católica de Brasília (UCB). 

Referências

ALHEIT, Peter; DAUSIEN, Bettina. En el curso dela vida. Educación, formación, biograficidad y género. Valencia: Denes Editorial, 2007.

ALHEIT, Peter. Biografização como competência-chave na modernidade. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 20, n. 36, jul./dez. 2011, pp. 31-41.

ALHEIT, Peter. Biograficidad. Aspectos de una nueva teoría del aprendizaje social. Xàtiva: Tarepa-PV, 2019.

ALHEIT, Peter. Biograficidade. Natal: EdUFRN, 2020. (prelo)

ALVES, Cristiane. Diadorim – anjo ou demónio? Revista Eletrônica de Crítica e Teoria de Literaturas, Porto Alegre – PPG-LET-UFRGS, v. 4, n. 2, jul./dez., 2008, pp. 1-10.

AMADO, Jorge. Jorge Amado [jan. 1969]. [Entrevista a Günter Lorenz]. In: LORENZ, Günter W. Diálogo com a América Latina: panorama de uma literatura do futuro. São Paulo: E.P.U, 1973, pp. 381-399.

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. Trad. Antônio de Pádua. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARBOSA, Alaor. Sinfonia Minas Gerais: a vida e a literatura de João Guimarães Rosa. Brasília: LGE Editora, 2007.

BIZARRI, Edoardo. João Guimarães Rosa: correspondência com seu tradutor italiano Edoardo Bizarri. São Paulo: Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, 1980.

BODSWORTH, Fred. O último dos maçaricos. Trad. João Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Editora Ypiranga, 1958.

CAMARGO, Frederico Antonio Camillo. Da montanha de minério ao metal raro: os estudos para obra de João Guimarães Rosa. 2013. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2013.

COSTA, Ana Luiza Martins. João Guimarães Rosa, Viator. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Centro de Educação e Humanidade, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), 2002, Rio de Janeiro.

DELORY-MOMBERGER, Christine. A pesquisa biográfica ou a construção compartilhada de um saber do singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, v. 1, n. 1, jan./abr. 2016, pp. 133-147.

DOLBERTH, Willian; EGGENSPERGER, Klaus F. W. Grande sertão: veredas, um inventário da avifauna. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 75, abr. 2020, pp. 53-70. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0020-38742020000100053&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 2 nov. 2020.

FERRAROTTI, Franco. Las historias de vida como método Convergencia. Revista de Ciencias Sociales, v. 14, n. 44, mayo/ago., 2007, pp. 15-40.

FERRAROTTI, Franco. Histoire et histoires de vie. Paris: Téraèdre, 2013.

FLAUBERT, Gustave. Madame Bovary – Moeurs de province. Édition définitive suivie des réquisitoires, plaidoiries et jugement du procès intenté à l’auteur devant le tribunal correctionnel de Paris. Paris: Charpentier Éditeurs, 1879. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k65411020.texteImage. Acesso em: 2 nov. 2020.

FLAUBERT, Gustave. Cartas exemplares. 1ª ed. Trad. Carlos Eduardo Lima Machado. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

HANSEN, João Adolfo. O o: a ficção da literatura em Grande sertão: veredas. São Paulo: Hedra, 2000.

IBAÑEZ, Maria Teresa del Olmo. Teoría de la biografía. Madrid: Dykinson, 2015.

JARDIM, Alex Fabiano Correia. Gilles Deleuze à sombra das veredas: o afeto e o duplo como forma de vida no romance de Guimarães Rosa. In: XI CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABRALIC. Anais... Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2008, pp. 1-08.

LECLERC, Yvan. “Madame Bovary, c’est moi”, formule apocryphe. Centre Flaubert – Cérédl [on-line]. 2014. Disponível em: https://flaubert.univ-rouen.fr/ressources/mb_cestmoi.php. Acesso em: 30 out. 2020.

MELLO, Evaldo Cabral de. [Entrevista a Gustavo Castro]. Rio de Janeiro. Abril de 2019.

MELLO, William Agel de. [Entrevista a Gustavo Castro]. Brasília/Goiânia. Abril de 2020.

MONTELLO, Josué. Diário completo. Vol. II. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.

MORIN, Edgar. O método 3 – o conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina, 2005.

NAVES, Danielle. Enigma [poema]. Marburg, Alemanha: 2020. (Mimeo)

PRÊMIO TODAVIA de Não Ficção [on-line]. Disponível em: https://todavialivros.com.br/visite-nossa-cozinha/vem-ai. Acesso em: 16 dez. 2021.

RBPAD – Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) Biográfica [on-line]. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/about. Acesso em: 16 dez. 2021.

ROSA, João Guimarães. Literatura deve ser vida. [Entrevista a Günter W. Lorenz]. In: LORENZ, Günter W. Diálogo com a América Latina. São Paulo: E.P.U., 1973.

ROSA, João Guimarães. João Guimarães Rosa: correspondência com seu tradutor italiano Edoardo Bizzarri. Belo Horizonte: Ed. UFMG; Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003.

ROSA, João Guimarães. Diário de guerra. Manuscrito organizado por Eneida Maria de Souza, Georg Otte e Reinaldo Marques. Belo Horizonte, 2006. (Mimeo)

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

ROSA, João Guimarães. Fundo JGR-IEB/USP. Biblioteca Brasiliana Guita & José Mindlin. Disponível em: http://www.ieb.usp.br/acervo/.

ROSA, João Guimarães. Banco de Dados Bibliográfico João Guimarães Rosa. Disponível em: http://www.usp.br/bibliografia/obra.php?cod=389&s=grosa. Acesso em: 30 out. 2020.

ROSA, Vilma Guimarães. Relembramentos. João Guimarães Rosa, meu pai. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

ROSENFIELD, Kathrin Holzermayr. Guimarães Rosa no espelho de Machado, Flaubert e cia. Revista do Centro de Estudos Portugueses, UFMG, v. 22, n. 30, 1/2002 a 6/2002, pp. 25-48.

SERRA, Tânia R. C. Riobaldo Rosa: a vereda junguiana do Grande sertão. Brasília: Thesaurus, 1990.

SOUZA, Eneida Maria de. Janela indiscreta – ensaios de crítica biográfica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

SOUZA, Eneida Maria de. Crítica biográfica, ainda. In: V Encontro de Literatura Osmaniana. “O que entendo por crítica biográfica ”. Recife, 2020a, pp. 1-10. (Mimeo)

SOUZA, Eneida Maria de. Notas sobre a crítica biográfica. In: V Encontro de Literatura Osmaniana. “O que entendo por crítica biográfica”. Recife, 2020b, pp. 1-10. (Mimeo)

UTÉZA, Francis. JGR: metafísica do Grande sertão. 2. ed. São Paulo: Editora Universidade de São PauloPULM (Presses Universitaires de la Méditerranée), 2016.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

SILVA, G. C. e; DRAVET, F.; BESSA, L. . “Diadorim sou eu” e o problema biográfico de Guimarães Rosa. Remate de Males, Campinas, SP, v. 41, n. 2, p. 427–448, 2021. DOI: 10.20396/remate.v41i2.8663412. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8663412. Acesso em: 23 maio. 2022.