Banner Portal
A estrutura psicológica do fascismo
PDF

Palavras-chave

Fascismo
Psicanálise

Como Citar

BATAILLE, Georges; REISER, Bruno; VARANDAS, Adriana. A estrutura psicológica do fascismo. Remate de Males, Campinas, SP, v. 41, n. 1, p. 238–267, 2021. DOI: 10.20396/remate.v41i1.8664633. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8664633. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

O marxismo, após ter afirmado que em última instância a infraestrutura de uma sociedade determina ou condiciona a superestrutura, não tentou nenhuma elucidação geral das modalidades próprias à formação da sociedade religiosa e política. Ele admitiu igualmente a possibilidade de reações da superestrutura mas, ainda assim, não passou da afirmação para a análise científica. Este artículo apresenta, a propósito do fascismo, uma tentativa de representação rigorosa (senão completa) da superestrutura social e de suas relações com a infraestrutura econômica. Trata-se, contudo, apenas de um fragmento pertinente a um conjunto relativamente importante, o que explica um grande número de lacunas, sobretudo a ausência de qualquer consideração sobre o método*; foi mesmo necessário renunciar aqui a dar uma justificação geral de um ponto de vista novo e limitar-se à exposição dos fatos. Porém, a mera exposição da estrutura do fascismo necessitou, como introdução, de uma descrição de conjunto da estrutura social. Não é preciso dizer que a análise da superestrutura pressupõe o desenvolvimento prévio daquela da infraestrutura, estudada pelo marxismo. Nisso está o principal defeito desta exposição que não deixará de espantar e de chocar pessoas as quais não estejam familiarizadas nem com a sociologia francesa, nem com a filosofia alemã moderna (fenomenologia), nem com a psicanálise. Como indicação, pode-se entretanto insistir no fato de que as descrições seguintes se referem à estados vividos e que o método psicológico adotado exclui qualquer recurso à abstração. 

https://doi.org/10.20396/remate.v41i1.8664633
PDF

Referências

BATAILLE, Georges. La notion de dépense, in Critique sociale, n. 7, janeiro 1933.

DURKHEIM, Émile. Formes élémentaires de la vie religieuse. Paris: PUF, 1912.

FREUD, Sigmund. Essais de psychanalyse. Paris: Payot, 1929.

HUBERT, Henri; MAUSS, Marcel. Esquisse d'une théorie générale de la magie, in Année sociologique, VII, 1902-1903.

MUSSOLINI, Benito. Le Fascisme. Doctrine. Institutions. Paris, 193.3

ROBERTSON SMITH, William. Lectures on the Religion of the Semites, First series. The fundamental Institutions. Edinburgh: 1889.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Georges Bataille, Bruno Reiser, Adriana Varandas

Downloads

Não há dados estatísticos.