Literatura

da psicologia à forma, do indivíduo à uma realidade mais complexa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v41i2.8666139

Palavras-chave:

Forma literária, Subjetividade, Mimesis

Resumo

Com este artigo pretendemos, primeiro, demonstrar que todo gesto mimético empreendido pela literatura, toda forma artística, é também a expressão de um modo de subjetividade, assim como revelador de uma visão de mundo. Depois, que seria principalmente através dos aspectos formais, e não necessariamente discursivos, que a literatura apreenderia e representaria mais complexamente a realidade, que por sua vez deve ser entendida num sentido mais subjetivo e menos factual. Por fim, conciliando a reafirmação da expressividade formal da literatura com uma concepção mais subjetiva e complexa da realidade, problematizamos a possibilidade de a literatura produzir em relação ao mundo um tipo de conhecimento menos conclusivo, assertivo e muito mais autoirônico, admitidamente paradoxal, inconcluso e metafórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Melo França, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorado em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BAUDELAIRE, Charles. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2006.

BLOCH, Marc. The Historian’s Craft, with a Foreword by Joseph R. Strayer. Manchester: Manchester University Press, 1984.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 19. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2020.

DIAS, Tânia. Entre o homem e o sujeito. In: Erick Auerbach [Anais...]. 5º Colóquio UERJ. Rio de Janeiro: Imago, 1994, pp. 163-167.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2000.

FREUD, Sigmund (1900). A interpretação dos sonhos. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago, 1987. (Coleção Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 4)

GAY, Peter. Freud para historiadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

GAY, Peter. Represálias selvagens: realidade e ficção na literatura de Charles Dickens, Gustave Flaubert e Thomas Mann. São Paulo: Cia. Das Letras, 2010.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença – o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-Rio, 2010.

COSTA LIMA, Luiz. Mímesis: desafio ao pensamento. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

PAZ, Octavio. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva, 2009.

PIRANDELLO, Luigi. O humorismo. São Paulo: Experimento, 1996.

RANCIÈRE, Jacques. O inconsciente estético. São Paulo: Ed. 34, 2009.

ROCHA, João Cesar Castro. A história literária entre o estético e o estetizante: a escrita e a reflexão de Erich Auerbach. In: Erick Auerbach. 5º Colóquio UERJ. Rio de Janeiro: Imago, 1994, pp. 149-155.

RORTY, Richard. Contingência, ironia e solidariedade. São Paulo: Martins, 2007.

VICO, Giambattista. Ciência nova. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

FRANÇA, E. M. Literatura: da psicologia à forma, do indivíduo à uma realidade mais complexa. Remate de Males, Campinas, SP, v. 41, n. 2, p. 596–618, 2021. DOI: 10.20396/remate.v41i2.8666139. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8666139. Acesso em: 23 maio. 2022.