Spleen de Paris e nossos contemporâneos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v42i1.8667505

Palavras-chave:

Modernidade, Charles Baudelaire, Contemporaneidade, Adília Lopes

Resumo

Esta pesquisa é dividida em três partes. Na primeira delas, faço uma leitura crítica de artigos sobre o fim do verso em Charles Baudelaire com a publicação de O spleen de Paris. Em todos os poemas, escritos em torno do aniversário de 152 anos do livro e 200 anos da morte do autor, além da questão do abandono do verso e a entrada da prosa, é mostrada a relação mais instigante que Baudelaire estabeleceu com a sua contemporaneidade. Na segunda parte, investigo autores contemporâneos que mostram um redobramento dessa questão do fim do verso, sobretudo na cena francesa. Por fim, investigo a relação da montagem de O spleen de Paris e a noção de corpus de Jean Luc-Nancy para ler o hibridismo em dois livros da poeta portuguesa Adília Lopes. A pesquisa não se apresenta de forma completa e apresento neste artigo alguns apontamentos sobre o tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franklin Alves Dassie, Universidade Federal Fluminense

Doutorado em Letras pela Universidade Federal Fluminense. Professor do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários na Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. A ideia da prosa. In: Ideia da prosa. Lisboa: Edições Cotovia, 1999, pp. 30-33.

BAUDELAIRE, Charles. Poesia e prosa. Ed., org. e trad. por Ivo Barroso. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

BERARDINELLI, Alfonso. As fronteiras da poesia. In: Da poesia à prosa. Trad. Maurício Santana Dias. São Paulo: Cosac Naïfy, 2007, pp. 13-16.

HOUAISS. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. DOI: https://doi.org/10.5628/rpcd.01.03.03

LOPES, Adília. Bandolim. Porto: Assírio & Alvim, 2016.

LOPES, Adília. Estar em casa. Porto: Assírio & Alvim, 2018.

MORAES, Marcelo Jacques. As Flores do mal e o fracasso do poema. In: O fracasso do poema. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016.

MOTTA, Leda Tenório. As flores sobressaltadas. Alea, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, 2007, pp. 75-85. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-106X2007000100006

NANCY, Jean-Luc. 58 indicios sobre el cuerpo. Buenos Aires: La Cebra, 2007, p. 23.

PEDROSA, Celia. Adília e Baudelaire: leituras do fim. Revista Alea, v. 9, n. 1, 2007, pp. 118-130. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-106X2007000100009

SISCAR, Marcos. Figuras da prosa: a ideia da “prosa” como questão de poesia. In: De volta ao fim – O “fim das vanguardas como questão da poesia contemporânea. Rio de Janeiro: 7Letras, 2016, pp. 159-173.

VERAS, Eduardo Horta Nassif. A poesia incógnita: elementos para um estudo da poética do Spleen de Paris. Remate de Males, v. 37, n. 1, 2007, pp. 93-116. DOI: https://doi.org/10.20396/remate.v37i1.8648004

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

DASSIE, F. A. Spleen de Paris e nossos contemporâneos. Remate de Males, Campinas, SP, v. 42, n. 1, p. 132–153, 2022. DOI: 10.20396/remate.v42i1.8667505. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8667505. Acesso em: 1 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)