A recepção de Baudelaire no Brasil

obra e fortuna crítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v42i1.8667552

Palavras-chave:

Baudelaire, Recepção, Periódicos

Resumo

O presente trabalho revisita a questão da recepção de Charles Baudelaire no Brasil. Não perdendo de vista a centralidade da tradução na recepção da poesia do autor, a partir da década de 70 do século XIX, conforme apontam Amaral, Meirelles  ou ainda Candido, procuro indicar uma recepção anterior, com leitura direta em francês. Ao pesquisar os jornais impressos (em francês e português) no Brasil e as revistas francesas vendidas no país, a exemplo da Revue des Deux Mondes, nota-se a presença do poeta bem antes da década de 1870. Portanto, o acontecimento da recepção de Baudelaire não se limita às primeiras traduções, mas deita certamente suas raízes já em 1855, ano crucial para sua recepção, segundo André Guyaux. No contexto específico brasileiro, a circulação transnacional de bens culturais  e a influência da cultura francesa têm papel fundamental na presença do nome de Baudelaire, cujos vestígios aparecem não somente em referências a suas obras, como também a sua fortuna crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilles Jean Abes, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor no Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras e no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução (PGET)

Referências

AMARAL, Glória Carneiro do. Aclimatando Baudelaire. São Paulo: Annablume, 1996.

ASSIS, Machado de. A nova geração. [1879]. Machadiana Eletrônica, Vitória, v. 2, n. 4, jul.-dez., 2019, pp. 39-81.

BAUDELAIRE, Charles. Correspondance. Texte établi, présenté et annoté par Claude Pichois avec la collaboration de Jean Ziegler. Paris: Gallimard, 1973, 2v. (Coll. Bibliothèque de la Pléiade)

BAUDELAIRE, Charles. Correspondance. Choix et présentation de Claude Pichois et Jérôme Thélot. Paris: Gallimard, 2003.

BOTTMANN, Denise. Baudelaire no Brasil. Revista XIX, v. 2, n. 5, 2017, pp. 159-190.

CAMARGO, Katia Aily Franco de. Indícios de leitura e leitores da Revue e do Annuaire des Deux Mondes no Brasil na segunda metade do século XIX. Revista Graphos, v. 17, n. 1, 2015, pp. 31-48.

CANDIDO, Antonio. Os primeiros baudelairianos. In: A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2017[1973], pp. 27-46.

CAPARELLI, André. “On nous écrit de Rio…”: les frontières transnationales du système médiatique de la presse au XIXe siècle. Presses Universitaires de France, “Relations internationales”, v. 1, n. 153, 2013, pp. 11-22.

DOSSE, François. Renascimento do acontecimento: um desafio para o historiador: entre Esfinge e Fênix. Trad. de Constancia Morel. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

GUIMARÃES, Valéria dos Santos. Imprensa franco-brasileira e mediação: Rio de Janeiro e São Paulo, séculos XIX e XX. In: LUCA, Tânia Regina de; GUIMARÃES, Valéria Guimarães (Orgs.). Imprensa em língua estrangeira publicada no Brasil: primeiras incursões. São Paulo: Rafael Copetti Editor, 2017, pp. 87-144.

GUIMARÃES, Valéria dos Santos. A imprensa francófona no Brasil: circulação transnacional e cultura midiática nos séculos XIX e XX. In: GUIMARÃES, Valéria; PINSON, Guilherme; COOPER-RICHET, Diana (Orgs.). Dossiê “A imprensa francófona nas Américas nos séculos XIX e XX”, História, São Paulo, v. 38, 2019, pp. 1-23.

GUYAUX, André. Baudelaire: un demi-siècle de lectures des Fleurs du mal (1855-1905). Paris: PUPS, 2007.

MEIRELLES, Ricardo. Les Fleurs du mal antes de As flores do mal: os primeiríssimos baudelairianos. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 38, n. esp. [“Baudelaire 150 anos”], ago.-dez., 2018, pp. 113-134.

Sites consultados:

https://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/

https://www.revuedesdeuxmondes.fr/

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

ABES, G. J. A recepção de Baudelaire no Brasil: obra e fortuna crítica. Remate de Males, Campinas, SP, v. 42, n. 1, 2022. DOI: 10.20396/remate.v42i1.8667552. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8667552. Acesso em: 18 ago. 2022.