Banner Portal
A autoria e o gesto da escrita em alguns momentos da literatura brasileira
PDF

Palavras-chave

Representação da autoria
Romance
Diário

Como Citar

GAMA, Monica. A autoria e o gesto da escrita em alguns momentos da literatura brasileira. Remate de Males, Campinas, SP, v. 43, n. 2, p. 409–433, 2023. DOI: 10.20396/remate.v43i2.8671739. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8671739. Acesso em: 16 jul. 2024.

Resumo

A autoria enquanto fenômeno histórico é construída por estratégias internas e externas ao texto literário. Ao ser tematizada no interior da narrativa enquanto gesto em ação, a autoria ficcional encena as expectativas e modelos em circulação, funcionando como ajuste ou confirmação de ideias acerca da produção literária. Neste artigo, recuperamos alguns momentos da literatura brasileira em que o narrador é o autor suposto e discorre, portanto, sobre o processo de composição do livro que estamos lendo. Do início do século XX, retomamos Recordações do escrivão Isaías Caminha (1909), de Lima Barreto, São Bernardo (1934), de Graciliano Ramos, e O amanuense Belmiro (1937), de Cyro dos Anjos; como marco para a literatura contemporânea, examinamos o romance Em liberdade (1981), de Silviano Santiago; e, por fim, investigamos dois romances de autoria feminina, Azul e dura (2002), de Beatriz Bracher, e Nada a dizer (2010), de Elvira Vigna. Mais que narrativas em primeira pessoa, a maioria dessas obras traz a forma do diário ficcional, encenando, então, o gesto de escrita relacionado a questões como sinceridade, intimidade e espontaneidade.

https://doi.org/10.20396/remate.v43i2.8671739
PDF

Referências

ANJOS, Ciro dos. O amanuense Belmiro. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979[1937].

ARTIÈRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Arquivos Pessoais. Revista Estudos históricos, Rio de Janeiro, 1998. Disponível em: <https://periodicos.fgv.br/reh/article/view/2061>. Acesso em: jan. 2023.

ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. In: Obra completa. Vol. 1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992[1981].

BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. Rio de Janeiro: A. de Azevedo & Costa, 1917[1909].

BRACHER, Beatriz. Azul e dura. São Paulo: Editora 34, 2010[2002].

CARDOSO, Lúcio. Casa da crônica assassinada. São Paulo: Círculo do Livro, 1979[1959].

DIAZ, José-Luis. L’Écrivain imaginaire – Scénographies auctoriales à l’époque romantique. Paris: Honoré Champion, 2007.

HATOUM, Milton. A noite da espera – O lugar mais sombrio 1. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

HATOUM, Milton. Pontos de fuga – O lugar mais sombrio 2. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

HEINICH, N. Être écrivain – creation et identité. Paris: La découverte, 2000.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Trad. Mônica Costa Neto. São Paulo: Editora 34, 2009.

RAMOS, Graciliano. Caetés. Rio de Janeiro: Livraria Martins Editora, 1965[1933].

RAMOS, Graciliano. São Bernardo. Rio de Janeiro: Record, 1995[1934].

SANTIAGO, Silviano. Em liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

VIGNA, Elvira. Nada a dizer. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Licença Creative Commons

Downloads

Não há dados estatísticos.