Banner Portal
Machado de Assis
PDF

Palavras-chave

Machado de Assis
Estilo
Autoria
Écfrase
Paródia
Ironia

Como Citar

AZEVEDO, Silvia Maria. Machado de Assis: estilo e autoria. Remate de Males, Campinas, SP, v. 43, n. 1, p. 128–141, 2023. DOI: 10.20396/remate.v43i1.8671929. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8671929. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Noção recorrente na crítica literária brasileira do Oitocentos, o estilo esteve associado à correção gramatical, à figura do autor, à ideia de ornamento, expressão do bem escrever e do bem falar, de forte presença no púlpito e na tribuna. Muito embora reivindicasse sua importância na obra de todo escritor e mesmo na ciência, Machado de Assis vai se opor às concepções de estilo em uso no seu tempo, conforme deixou registrado em “A nova geração”, “O velho Senado” e “Teoria do medalhão”. Tendo em vista o corpus selecionado da obra machadiana, o artigo tem como proposta a seguinte discussão: é na escrita machadiana, em se valendo tanto da retórica, em particular a écfrase, quanto da ironia e da paródia, que Machado de Assis não apenas põe em xeque uma noção tornada clichê, como constrói estilo próprio, sua identidade autoral, distanciada do patronímico.

https://doi.org/10.20396/remate.v43i1.8671929
PDF

Referências

ALMEIDA, Letícia Nataly. Écfrase e presentificação de imagens: o episódio de Aracne nas “Metamorfoses” de Ovídio. Codex, Revista de Estudos Clássicos, v. 8, n. 1, 2020, p. 154-168.

ASSIS, Machado de. Teoria do medalhão. In: Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985, v. 2, pp. 288-295.

ASSIS, Machado de. O velho Senado. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2004.

ASSIS, Machado de. Notas semanais. Org., int. e notas de John Gledson e Lúcia Granja. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

ASSIS, Machado de. Machado de Assis: crítica literária e textos diversos. Org. Sílvia Maria Azevedo et alii. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

BOSI, Alfredo. O teatro político nas crônicas de Machado de Assis. In: Brás Cubas em três versões. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, pp. 53-103.

CALDAS AULETE. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Delta, 1970, v. 3, p. 2.302.

CAMPOS, Haroldo de. Arte pobre, tempo de pobreza, poesia menos. In: Metalinguagem & outras metas. São Paulo: Perspectiva, 1992, pp. 221-230.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. Cleonice Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

COSTA LIMA, Luiz. Da existência precária: o sistema intelectual no Brasil. In: Dispersa demanda: ensaios sobre literatura e teoria. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981, pp. 3-29.

FAGUNDES, Raphael Silva. Um discurso sobre o nada: a depreciação à retórica em O alienista. Cadernos de História, v. 19, n. 31, 30 maio 2019, pp. 79-100. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/16240>. Acesso em: 20 ago. 2021.

FREITAS, Marcus Vinicius. Literatura e estilo em Minha formação, de Joaquim Nabuco. O Eixo e a Roda, v. 19, n. 2, 2010, pp. 57-72. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/3351/3281>. Acesso em: 20 ago. 2021.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia. Ensinamentos das formas de arte do século XX. Trad. Teresa Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 1985.

LOPES, Marcos Aparecido. No purgatório da crítica: Coelho Neto e seu lugar na história da literatura brasileira. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade de Campinas (Unicamp), Campinas, 1997. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/269189>. Acesso em: 20 ago. 2021.

PERES, Ana Maria Clark. Machado de Assis, Dom Casmurro. In: PERES, Ana Maria Clark; PEIXOTO, Sérgio Alves; OLIVEIRA, Silvana Maria Pessôa de (Orgs.). O estilo na contemporaneidade. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2005, pp. 81-96.

RAMOS, Ana Flávia Cernic. As máscaras de Lélio: ficção e realidade nas “Balas de estalo”, de Machado de Assis. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas (Unicamp), Campinas, 2010. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/280054>. Acesso em: 13 ago. 2021.

ROMERO, Sílvio. Machado de Assis: estudo comparativo de literatura comparada. Capinas: Editora Unicamp, 1992.

SILVA, Aguinaldo José da. O aspecto decorativo da intelligentsia brasileira. Sociedade e Cultura, Revista de Ciências Sociais, v. 10, n. 1, jan./jun. 2007, pp. 131-143. Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/703/70310111.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2021.

SOUZA, Roberto Acízelo. O império da eloquência. Rio de Janeiro: Ed. UERJ/Eduff, 1999.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Licença Creative Commons

Downloads

Não há dados estatísticos.