Memórias sobre os cuidados: a tuberculose e o modelo sanatorial no início do século passado

  • Cristiane Pessôa da Cunha Lacaz Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Lúcia Pedroso da Cruz Universidade Estadual de Campinas
  • Maria Helena Salgado Bagnato Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Fase sanatorial. Tratamento da tuberculose. Cuidados em saúde. História oral.

Resumo

Pesquisa de natureza qualitativa que se propõe a descrever a atuação de personagens que cuidavam dos pacientes reclusos no Sanatório Vicentina Aranha, no início do século passado. O primeiro sanatório de São José dos Campos foi inaugurado em 1924, sob a direção da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e recebeu o nome de Vicentina Aranha. O presente estudo elegeu como método de pesquisa, para coleta e análise dos dados, a história oral. Por meio das entrevistas, conseguimos informações descrevendo tratamentos, cuidados, o medo da doença e os estigmas que tuberculosos e seus familiares sofriam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Pessôa da Cunha Lacaz, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorado em Educação (2010) - área de concentração: Ensino, Avaliação e Formação de Professores - UNICAMP. Professora do Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA, com atuação em disciplinas do Departamento de Humanidades e na chefia da Divisão de Alunos. Experiência na área de administração escolar.

Lúcia Pedroso da Cruz, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação (1978) em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP). Pesquisadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Práticas de Educação e Saúde (PRAESA) da Faculdade de Educação da UNICAMP. Concluiu o Mestrado em Educação em 2008, pela Unicamp. Desde 2009, cursa Doutorado em Educação na mesma instituição. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho docente, políticas públicas, globalização, enfermagem e representações, ensino fundamental, ensino médio e ensino profissionalizante. Tem se dedicado ao estudo da história de instituições escolares voltadas ao Ensino Profissionalizante.
Maria Helena Salgado Bagnato, Universidade Estadual de Campinas
Possui Licenciatura e Bacharelado em Enfermagem pela Universidade Federal de São Carlos (1980), Mestrado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1987), Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1994), Pós-doutorado em Educação na Universidade de Barcelona (2004) e Livre Docência pela Universidade Estadual de Campinas. É professora da Universidade Estadual de Campinas e Coordenadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Práticas de Educação e Saúde (PRAESA). Participou da comissão editorial da revista Pro-Posições (Unicamp) . Também é orientadora de doutorado e de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Educação da UNICAMP. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Currículo e Educação em Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem, educação, currículo, saúde, educação continuada.

Referências

BITTENCOURT, T. M.M. 1998. Arquitetura Sanatorial. São José dos Campos, Unidades Gráficas e Editora Ltda.

BLOCH, M. 2001. Ofício de historiador (ou Apologia da História). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BURKE, P. (organizador). 1992. A escrita da história: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Ed. Unesp.

BURKE, P. 1990. A escola dos Annales (1929- 1989): a revolução francesa da historiografia. Tradução de ODALIA N. , São Paulo: Ed. Unesp.

CESCO, N. de T. 1992. São José dos Campos: uma visão sanatorial. 1 ed. São José dos Campos: Fundação Cultural Cassiano Ricardo.

DEBERT, G. G. 2001. Problemas relativos à utilização da história oral de vida e história oral. In: AMADO, J.; FERREIRA, M.M. Usos & abusos da história oral. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV. 304 p.

FERREIRA, M.M.; FERNANDES, T.M.; A., V. (org.). 2000. História oral: desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: FIOCRUZ. 204 p.

FOUCAULT, M. 1986. Microfísica do poder. Organização, introdução e tradução de MACHADO R. 6ed. Rio de Janeiro: Graal.

GINZBURG, C. 2006. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras.

GRELE, R. J. 2001. Pode-se confiar em alguém com mais de 30 anos? Uma crítica construtiva a história oral. In: AMADO, J. FERREIRA, M. M. In: Usos & abusos da história oral. 4 ed. Rio de Janeiro: FGV. cap. 4 ,

p. 267-277.

JOUTARD, P. 2000. Desafios à história oral do século XXI. In: ALBERTI, V.; FERNANDES, T.M.; FERREIRA, MM. (Orgs.) História oral: desafios para o século XXI [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 204p.

KHOURY, Y. 2004. Muitas memórias, outras histórias: cultura e o sujeito na História. In: FENELON, D.; MACIEL, L.; A., P. e KHOURY, Y. (Orgs.). Muitas Memórias, Outras Histórias. São Paulo: Olho d’Água. p. 116-138.

LE GOFF, J. 2005. História e memória. Campinas, SP: UNICAMP.

MEIHY, J. C. S. B. 2000. Desafios da História Oral Latino-Americana: o caso do Brasil. In: ALBERTI, V.; FERNANDES, T.M.; FERREIRA, MM. (Orgs.) História oral: desafios para o século XXI [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 204p.

MIQUELIN, L.C. 1992. Anatomia dos edifícios hospitalares. São Paulo: Cedas.

NEVES, L. A. 2003. Memória e história: potencialidades da história oral. Uberlândia: ArtCultura, nº 6, 27-38..

PADILHA, M. I. C. de S.; BORENSTEIN, M. S. 2005. O método de pesquisa histórica na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis. 14(4):575-84.

RIBEIRO, M. A. R. 1993. História sem fim... Inventário da Saúde Pública. São Paulo – 1880-1930. São Paulo: Editora da UNESP.

SIMSON, O. R. de M. V. 2000. Memória, cultura e poder na sociedade do esquecimento: O exemplo do centro de memória da UNICAMP. In: Faria Filho, L. M. de (org.). Arquivos, Fontes e Novas Tecnologias: questões

para a história da educação. Campinas, SP: Autores Associados, Bragança Paulista, SP: Universidade São Francisco.

VIANNA, P. V. C.; RIBEIRO, F. A. 2011. Sanatórios, tecnologia médica e cultura urbana: uma visita à cidade sanatorial de São José dos Campos na primeira metade do século XX. In: MOTA, A.; MARINHO, G. S. M. C. Práticas médicas e de saúde nos municípios paulistas: a história e suas interfaces.São Paulo: USP, Faculdade de Medicina: CD.G Casa de Soluções e Editora.

Referências eletrônicas

www.fccr.org.br/comphac/vicentina.htm. Acesso em 12/05/2013.

http://www.fccr.org.br/index.php?option=com_content&view=section&id=21&Itemid=157. Acesso em

/06/2013.

http://cpdoc.fgv.br/acervo/historiaoral. Acesso em 05/06/2013

Publicado
2014-06-16
Como Citar
Lacaz, C. P. da C., Cruz, L. P. da, & Bagnato, M. H. S. (2014). Memórias sobre os cuidados: a tuberculose e o modelo sanatorial no início do século passado. Resgate: Revista Interdisciplinar De Cultura, 21(1), 67-76. https://doi.org/10.20396/resgate.v21i25/26.8645755

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)