História Oral e as festas do Rosário: memória, ancestralidade e identidade negra em Minas Gerais

Autores

  • Lívia Nascimento Monteiro Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v22i27.8645765

Palavras-chave:

História oral. Festa do Rosário. Identidade negra.

Resumo

O artigo procura reconstituir aspectos da festa da Congada e Moçambique de Piedade do Rio Grande – Minas Gerais, a partir das entrevistas orais realizadas com membros de diferentes gerações de congadeiros e moçambiqueiros. Reconhecida como festa do povo negro em devoção a Nossa Senhora do Rosário, Nossa Senhora das Mercêse São Benedito, a festa do Rosário de Piedade do Rio Grande rememora a escravidão e a Abolição, em seus cantos, ritmos e rituais, desde a década de 1920 até o tempo presente. A abordagem histórica desse artigo procurará demonstrar os atores políticos coletivos envolvidos na festa, a relação com a ancestralidade negra, a memória de antepassados escravos e a valorização da identidade negra em Minas Gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia Nascimento Monteiro, Universidade Federal Fluminense

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense, Mestre em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e graduada em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Professora do curso de Pedagogia do Centro Universitário Celso Lisboa e tutora na disciplina História do Brasil Colonial, no curso de História da UNIRIO, modalidade semipresencial. Participa do grupo de pesquisa Cultna - Grupo de Estudo e Pesquisa Cultura Negra no Atlântico - coordenado pela profa. dra. Martha Abreu e do GT Emancipações e Pós-Abolição da ANPUH. Principais temas: História do Brasil, História Social da Escravidão, Pós-Abolição e Cultura Negra, Festas e Identidades, Memória e História Oral, Ensino de História com ênfase em História da África e Cultura Afro-Brasileira e Formação de Professores.

Referências

ABREU, M. C. 2007. Cultura imaterial e patrimônio histórico nacional. In: ABREU, M. C. SOIHET, R. (org.), Cultura política e leituras do passado. Historiografia e ensino de História. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Faperj. p. 25-48.

ABREU, M. C. 2011. Remanescentes das comunidades dos Quilombos: memória do cativeiro, patrimônio cultural e direito à reparação. In: Simpósio Nacional de História – ANPUH, XXVI, São Paulo, 2011. Anais do

XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. 1-17.

ALBERTI, V.. 2007. Ouvir Contar. Textos em História Oral. Rio de Janeiro, FGV Editora, 196p.

BÉDARIDA, F. 2008. Tempo presente e presença da história. In: AMADO, J. e FERREIRA, M. M. (org.), Usos e abusos da história oral. 8 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 219-299.

BRASILEIRO, J. 2010. Cultura afro-brasileira na escola: o congado na sala de aula. São Paulo: Ícone, 98p.

COOPER, F. HOLT, T. C., SCOTT, R. 2005. Além da escravidão: investigações sobre raça, trabalho e cidadania em sociedades pós-emancipação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. 346p.

COSTA, P. T. M. 2006. As raízes da Congada: a renovação do presente pelos filhos do rosário. Brasília, DF. Tese de doutorado. Universidade de Brasília. Brasília, 241p.

CUNHA, O. G. GOMES, F. S. (org.). 2007. Quase-cidadãos: histórias e antropologias da pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 452p.

FERREIRA, M. M. e AMADO, J. (org.). 2006. Usos e abusos da história oral. 8 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 304p.

FERREIRA, M. M. História oral: velhas questões, novos desafios. In: CARDOSO, C. F. e VAINFAS, R. (org.). 2011. Novos Domínios da História. Rio de Janeiro: Objetiva, 546p.

GILROY, P. 2001. O Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência. São Paulo, Rio de Janeiro, 34/ Universidade Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 345p.

HALBWACHS, M. 2004. A memória coletiva. São Paulo: Ed. Centauro, 322p.

KIDDY, E. 2005. blacks of the Rosary: memory and history in Minas Gerais, Brazil. PennsylvanisState: University Press, 2005. 456p.

MARTINS, L. M. 1997. Afrografias da Memória: o reinado do Rosário no Jatobá. São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Mazza Edições, 223p.

MATTOS, H. 2013. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista (Brasil, século XIX). 3 ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 381p.

POLLACK, M. 1989. “Memória, esquecimento e silêncio”. Estudos Históricos, vol. 2, n.3, 1989. p. 3-15.

POLLACK, M. 1992. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10.

RIOS, A. L. 2004. O pós-abolição como problema histórico: balanços e perspectivas. Topoi (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. 5, n. 8, p. 170-198.

RIOS, A. L. MATTOS, H. 2005. Memórias do cativeiro: família, trabalho e cidadania no pós-abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 301p.

SLENES, R. W. 2007. “Eu venho de muito longe, eu venho cavando”: jongueiros cumba na senzala centro-africana. In: LARA, S. H. e PACHECO, G. (org.). Memória do Jongo. As gravações históricas de Stanley Stein, Vassouras, 1949. Rio de Janeiro: Folha Seca/Campinas: Cecult.

SIRINELLI. J. 2006. A geração. In: AMADO, J. e FERREIRA, M. M. (org.), Usos e abusos da história oral. 8 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 131-137.

SOUZA, M. M. 2001. Reis negros no Brasil escravista: história da festa de coroação do rei congo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 234p.

Downloads

Publicado

2014-10-27

Como Citar

MONTEIRO, L. N. História Oral e as festas do Rosário: memória, ancestralidade e identidade negra em Minas Gerais. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 31–40, 2014. DOI: 10.20396/resgate.v22i27.8645765. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645765. Acesso em: 27 nov. 2021.