Vidas em canções e outras notas sobre cultura autobiográfica

Autores

  • Ricardo Santhiago Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v22i27.8645771

Palavras-chave:

Canção popular. Cultura autobiográfica. Memória.

Resumo

Neste ensaio, trato das imbricações de canções de cunho autobiográfico e da cultura autobiográfica do nosso tempo. Proponho que consideremos aquelas canções que têm como assunto a personalidade ou determinados episódios da vida de seu intérprete como uma declaração sobre si que se soma a muitas outras. Ao longo do artigo, percorro canções que descrevem ritos de passagem geográficos e simbólicos; canções que visam captar a essência de uma personagem; canções que, em conjunto, apontam para a coincidência de percepções acerca de um mesmo indivíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Santhiago, Universidade Federal Fluminense

Ricardo Santhiago é historiador e comunicólogo. É graduado em Jornalismo (PUC-SP, 2004), com especialização em Jornalismo Científico (Unicamp, 2006); mestre e doutor em História Social (USP, 2009/2013); pós-doutor em História (UFF, 2015). É professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, ensinando disciplinas relacionadas a metodologia de pesquisa e história e filosofia da ciência. É pesquisador do Laboratório de História Oral e Imagem (LABHOI-UFF), do GEPHOM - Grupo de Estudo e Pesquisa em História Oral e Memória (EACH-USP) e do MusiMid - Centro de Estudos em Música e Mídia (ECA-USP). É autor e organizador de diversas obras, dentre as quais se destacam os livros "Solistas dissonantes: História (oral) de cantoras negras" (2009), "Depois da utopia: A história oral em seu tempo" (2013), "História oral na sala de aula" (2015) e "História pública no Brasil: Sentidos e itinerários" (2016). Idealizou e organizou os primeiros cursos e simpósios sobre história pública no Brasil, sendo fundador da Rede Brasileira de História Pública e membro de seu comitê gestor (2012-2014; 2014-2016). 

Referências

ALMADA, S. Damas negras: Sucesso, lutas, discriminação. Rio de Janeiro: Mauad, 1995.

AMARAL, B. H. R. Cássia Eller: Canção na voz do fogo. São Paulo: Escrituras, 2002.

ARAÚJO, P. C. “Lei Fio Maravilha”. Folha de S. Paulo, Opinião, 19 de outubro de 2013.

ASSUMPÇÃO, I. Itamar Assumpção: Cadernos Inéditos. São Paulo: Itaú Cultural / Terceiro Nome, 2013.

BOYD, B. On the Origin of Stories: Evolution, Cognition, Fiction. Cambridge: Harvard University Press, 2009.

BRUNER, J. Fabricando histórias: Direito, literatura, vida [2002]. São Paulo: Letra e Voz, 2014.

CARVALHO, W. Álbum de retratos: Zezé Motta. Rio de Janeiro: Memória Visual, 2008.

EAKIN, P. J. Living Autobiographically: How We Create Identity in Narrative. Ithaca: Cornell University Press, 2008.

GENETTE, G. Narrative Discourse Revisited. Ithaca: Cornell University Press, 1990.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico: De Rousseau à Internet. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

MURAT, R. Zezé Motta: Muito prazer. São Paulo: Imprensa Oficial, 2005.

SANTHIAGO, R. “A discreta essencialidade de Tata Fernandes”. In: VV. AA. Narrativas e experiências: Histórias orais de mulheres brasileiras. São Paulo: D’Escrever, 2009. p. 75-105.

SANTHIAGO, R. Alaíde Costa: Faria tudo de novo. São Paulo: Imprensa Oficial, 2013.

SANTHIAGO, R. Solistas dissonantes: História (oral) de cantoras negras. São Paulo: Letra e Voz, 2009.

SEVERIANO, J.; Mello, Z. H. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras – Vol. 2: 1958-1985. 5ª ed. São Paulo: Ed. 34, 1998.

Downloads

Publicado

2014-10-24

Como Citar

SANTHIAGO, R. Vidas em canções e outras notas sobre cultura autobiográfica. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 91–108, 2014. DOI: 10.20396/resgate.v22i27.8645771. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645771. Acesso em: 27 nov. 2021.