Açúcar, café, escravos e dinheiro a prêmio: Campinas, 1817-1861

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v23i29.8645788

Palavras-chave:

Riqueza. Escravos. Economia Açucareira. Cafeicultura. Dinheiro a prêmio

Resumo

O objetivo deste artigo é examinar a composição da riqueza de um pioneiro na cafeicultura na vila de São Carlos, Campinas, Francisco Egydio de Sousa Aranha (1778/9-1860). Para realizar o estudo, recorro ao inventário post-mortem, que retrata, em um ponto do tempo, a riqueza que Francisco Egydio amealhou ao longo de sua vida. Para recuar no tempo e fazer um acompanhamento mais dinâmico das atividades realizadas por Francisco Egydio, utilizo as listas nominativas ou os maços de população, para o período de 1779 a 1836, e relatos de viajantes. Na análise procuro pôr em evidência três dimensões das atividades empreendidas por Francisco Egydio ao longo de sua vida – grande proprietário de terras com lavouras de cana de açúcar e de café; produtor de açúcar, senhor de engenho e cafeicultor, grande proprietário de escravos; e, finalmente, mas, nada desprezível, grande possuidor de dinheiro a prêmio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Alice Rosa Ribeiro, Centro de Memória - Universidade Estadual de Campinas (CMU/Unicamp).

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1974), mestrado em História pela Universidade Estadual de Campinas (1980) e doutorado em Economia, área de concentração História Econômica, pela Universidade Estadual de Campinas (1991). É professora aposentada do Departamento de Economia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquitia Filho, onde lecionou de 1985 a 2008. Desde 2009, é pesquisadora colaboradora no Centro de Memória - Unicamp (CMU). Dedica-se à pesquisa em História Econômica do Brasil nos temas: história de empresas, dos negócios, das famílias e da riqueza na economia paulista 1800-1930; história do crédito e do financiamento da economia açucareira e cafeeira paulista 1800-1930; história das institutição científicas e tecnológicas, história de empresas farmacêuticas, história econômica e social das ciências e da tecnologia, história da urbanização, da saúde pública, da industrialização e do mercado de trabalho.

Referências

Fontes

BROTERO, Frederico de Barros. A família Jordão. Aditamentos a Silva Leme. São Paulo: Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 1948.

FAMILYSEARCH. Brasil, São Paulo, Registros da Igreja Católica, 1640-2012. Campinas, N. S. Conceição. Matrimônios: 1806-1818. Disponível em: http://www.familysearch.org. Acesso em: 02 mar. 2015.

GAZETA DE CAMPINAS, 31 de outubro de 1872, p. 2-3. Disponível em: http://www.memoria.bn.br. Acesso em: 29 ago. 2013.

BRASIL. Código Comercial do Império. Lei no 556, de 25 de junho de 1850. Publicação Original. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1824-1899/lei-556-25-junho-1850-501245-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 27 mar. 2015.

MAÇOS de População de São Paulo. 1779-1836. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/viver/recenseando.php. Acesso em: mar. 2013.

REGISTRO de Terras, Campinas, nº 114, 1854-1857.

SÃO PAULO (Estado). Assembleia Legislativa. Resolução nº 27, de 30 de março de 1872. Estabelece o modo pelo qual os impostos criados para as obras da Matriz Nova da Freguesia da Conceição, no município de Campinas, serão lançados, arbitrados e arrecadados. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/resolucao/1872/resolucao-27-30.03.1872.html. Acesso em: 27 mar. 2015.

TESTAMENTO E INVENTÁRIO DE ANTONIO MANOEL TEIXEIRA 1º Of., Cx. 162, Proc. no 2899, 1852.

TESTAMENTO E INVENTÁRIO DE FRANCISCSO EGYDIO DE SOUSA ARANHA 1º. Of., Cx. 76, Proc. nº 1859, 1861.

TSCHUDI, J. J. Von. Viagem às Províncias do Rio de Janeiro e S. Paulo. São Paulo: Biblioteca Histórica Paulista [Dir. Afonso de E. Taunay]. Publicações Comemorativas sob o Alto Patrocínio da Comissão do IV Centenário da cidade de São Paulo, 1953.

ZALUAR, Augusto-Emilio. Peregrinação pela Província de S. Paulo (1860-1861). São Paulo: Publicações comemorativas sob o alto patrocínio da Comissão do IV Centenário da cidade de São Paulo, 1953.

Referências

AGUIRRA, João Baptista de Campos. Sesmeiros e posseiros. Revista do Instituto Histórico e Geographico de São Paulo, São Paulo, v. 24, p. 259-339, 1938.

BITTENCOURT, Luiz Cláudio. Riscando a cidade. Cartografia histórica e desenho urbano de Campinas. Campinas: UNICAMP/CMU; Arte Escrita, 2009.

CAMPOS JÚNIOR, Theodoro de Sousa. A cultura do café. In: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Monografia histórica do município de Campinas. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1952. p. 233-241.

EISENBERG, Peter L. Ficando livre: as alforrias em Campinas no século XIX. In: EISENBERG, Peter L. Homens esquecidos. Escravos e trabalhadores livres no Brasil nos séculos XVIII e XIX. Campinas: Unicamp, 1989. p. 255-309.

FALCÃO, Anna Luiza Mello. Minhas memórias, minha história. Campinas, 2009.

HOUSAISS, Antonio: VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

KLEIN, Herbert S.; LUNA, Francisco Vidal. Escravos africanos na economia de São Paulo (1804-1850). In: LUNA, Francisco Vidal; COSTA, Iraci Del Nero; KLEIN, Herbert S. [colaboradores Horacio Gutiérrez et al.] Escravismo em São Paulo e Minas Gerais. São Paulo: EDUSP; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

LAPA, José Roberto do Amaral. A cidade: os cantos e os antros. Campinas: 1850-1900. São Paulo: USP, 1996.

MARCONDES, Renato Leite. O financiamento hipotecário da cafeicultura no Vale do Paraíba Paulista (1865-87). Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 56, n. 1, p. 147-170, jan./mar. 2002.

MOTTA, José Flávio. Escravos daqui, dali e de mais além. O tráfico interno de cativos na expansão cafeeira paulista (Areias, Guaratinguetá, Constituição/Piracicaba e Casa Branca, 1861-1887). São Paulo: Alameda, 2012.

PUPO, Celso Maria de Mello. Campinas, seu berço e juventude. Campinas: Academia Campinense de Letras, 1969. (Publicações da Academia Campinense de Letras, v. 20).

PUPO, Celso Maria de Mello. Campinas, município no Império. Fundação e Constituição; usos familiares. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1983.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. História, Ciência e Tecnologias – 70 anos do Instituto Biológico de São Paulo na defesa da agricultura (1927-1997). São Paulo: Instituto Biológico de São Paulo, 1997.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. O visconde imigrantista e sua escravaria. Campinas, 1887. História e Economia. Revista interdisciplinar, São Paulo, v. 12, n. 1, p.105-125, jan./jul. 2014.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. Riqueza e endividamento na economia de plantation açucareira e cafeeira: a família Teixeira Vilela-Teixeira Nogueira, Campinas, São Paulo, século XIX. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 45, n.3, jul./set. 2015. (No prelo).

SILVA, Antonio de Moraes. Diccionario da Língua Portuguesa. Recopilado dos vocabulários impressos até agora e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado por Antonio de Moraes Silva. Natural do Rio de Janeiro. Offerecido ao muito alto, e muito poderoso Príncipe Regente N. Senhor. Lisboa, Na Typographia Lacerdina, anno de 1813, com licença da meza do Desembarque do Paço.

TEIXEIRA, Paulo Roberto. A formação das famílias livres. Campinas, 1774-1850. São Paulo: Editora UNESP, 2011.

VERSIANI, Flávio Rabelo; VERGOLINO, José Raimundo Oliveira. Posse de escravos e estrutura da riqueza no agreste e serão de Pernambuco. 1777-1887. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 33, n.2, p. 353-393, abr./jun. 2003.

VERSIANI, Flávio Rabelo; VERGOLINO, José Raimundo Oliveira. Preços de escravos em Pernambuco no século XIX. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Economia, out. 2002. (Série Textos para discussão n. 252).

Downloads

Publicado

2015-07-29

Como Citar

RIBEIRO, M. A. R. Açúcar, café, escravos e dinheiro a prêmio: Campinas, 1817-1861. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 15–40, 2015. DOI: 10.20396/resgate.v23i29.8645788. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645788. Acesso em: 18 ago. 2022.