Histórias de Campinas no período colonial (1775-1822): historiografia e documentação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v23i29.8645789

Palavras-chave:

Brasil Colônia. Campinas. fontes de pesquisa

Resumo

Este artigo objetiva compreender o nascimento, a estruturação e a consolidação da freguesia de Campinas no período colonial (1774-1822) em um momento crucial da Capitania de São Paulo, em que a principal atividade econômica era o açúcar. O texto apresenta a bibliografia especializada sobre a região, tendo como foco os estudos que discutem as raízes socioeconômicas e culturais da nova vila colonial e a formação das sensibilidades dos seus agentes históricos marginalizados do poder político: os escravos, as mulheres e os homens livres pobres. Em interface com a riqueza documental presente no acervo histórico do Centro de Memória – Unicamp (CMU), referente ao período colonial da região de Campinas, destacamos os fundos e as coleções de natureza impressa e manuscrita que compõem este acervo e o qualificam, ao longo desses 30 anos de existência, como locus de pesquisa de grande relevância para o avanço do conhecimento histórico. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Gesuelli Meirelles, Pontifícia Universidade Católica (PUC/Campinas).

Bacharelado e Licenciatura em História pela Universidade Estadual de Campinas (2001), mestrado (2006) e doutorado (2013) em História pela mesma universidade. Possui bacharelado em Comunicação Social - Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2002). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Brasil Colônia, atuando principalmente nos seguintes temas: gazeta do rio de janeiro, história da leitura / leitores, concepção de imprensa, sociabilidade, cultura e política no período joanino.

Referências

BACELLAR, Carlos de Almeida; SCOTT, Ana Silvia Volpi. Sobreviver na senzala: estudo da composição e continuidade das grandes escravarias paulistas, 1798-1818. In: NADALIN, Sérgio Odilon. et. al. (Coord.). História e população: estudos sobre a América Latina. São Paulo: Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados, 1990.

BAENINGER, Rosana. Espaço e tempo em Campinas: migrantes e a expansão do polo industrial paulista. Campinas: Centro de Memória e Neppo-Unicamp, 1996.

BELLOTTO, Heloísa L. Autoridade e conflito no Brasil colonial: o governo do Morgado de Mateus em São Paulo (1765–1775). São Paulo: Secretaria Estadual da Cultura, Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas, 1979.

BENJAMIN, Walter. A modernidade e os modernos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1973.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas III. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Braziliense, 1989.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Braziliense, 1986.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRITO, Jolumá. História da Cidade de Campinas. Campinas: Saraiva, 1956.

CANO, Jefferson. Escravidão, alforrias e projetos políticos na imprensa de Campinas. 1870-1889. 1994. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993.

COSTA, Dora Isabel Paiva da. Herança e ciclo de vida: um estudo sobre família e população em Campinas. São Paulo: 1765-1850. 1997. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1997.

DAMÁSIO, Adauto. Alforrias e ações de liberdade em Campinas na primeira metade do século XIX. 1995. Dissertação (Mestrado em História Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

DIAS, Maria Odila da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. 2.ed. rev. São Paulo: Brasiliense, 1995.

EISENBERG, Peter L. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres - séculos XVIII e XIX. Campinas: Editora da Unicamp, 1989.

EISENBERG, Peter L. Ficando Livre: As Alforrias em Campinas no Século XIX. Estudos Econômicos. São Paulo, 17(2), maio/ago., 1987.

FERRAZ, Lizandra Meyer. Testamentos, alforrias e liberdade: Campinas, século XIX. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) - Universidade Estadual de Campinas, 2006.

FULLER, Claudia Maria. Pequenos agricultores numa economia açucareira e exportadora (Campinas, 1820-1840). Dissertação (Mestrado em História) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Monografia histórica do município de Campinas. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1952.

LAPA, José Roberto do Amaral. A cidade: os cantos e os antros. Campinas 1850-1900. São Paulo: Edusp, 1995.

LAPA, José Roberto do Amaral, José Roberto do Amaral. In: SIMON, Olga Rodrigues de Moraes von. (Org.). O garimpeiro dos cantos e antros de Campinas. Homenagem a José Roberto do Amaral Lapa. Campinas: CMU/IFCH, 2000. Entrevista.

LAPA, José Roberto do Amaral. O mercado urbano de escravos: Campinas - segunda metade do século XIX. Campinas: UNICAMP/IFCH, 1991.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. 5.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

MARIANO, Julio. Campinas de ontem e de anteontem. Campinas: Maranata, 1970.

MARIANO, Julio. Crônica da Velha Campinas. São Paulo: Typ. do Departamento de Investigações, 1950.

MARTINS, Valter. Nem senhores, nem escravos. Os pequenos agricultores em Campinas (1800-1850). Campinas: Centro de Memória-Unicamp, 1996.

MESGRAVIS, Laima. Os aspectos estamentais da estrutura social do Brasil Colônia. In: Estudos Econômicos, São Paulo, v.13, n.esp., 1983, p.799-811.

NETO, Mario Danieli Neto. A escravidão urbana em Campinas: a dinâmica histórica e econômica do trabalho escravo no município em crescimento (1850-1888). 2001. Dissertação (Mestrado em História Econômica) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

PETRONE, Maria Thereza Schorer. A lavoura canavieira em são Paulo: expansão e declínio (1765-1851). São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1968.

PIROLA, Ricardo. Senzala insurgente: malungos, parentes e rebeldes nas fazendas de Campinas (1832). Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

PUPO, Celso Maria de Mello. Campinas, município no Império: fundação e constituição, usos familiares, engenhos e fazendas. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1983.

PUPO, Celso Maria de Mello. Campinas, seu berço e juventude. Campinas: Academia Campinense de Letras, 1969.

ROCHA, Cristiany Miranda. História de famílias escravas: Campinas, século XIX. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

SAMARA, Eni de Mesquita. As mulheres, o poder e a família: São Paulo, século XIX. São Paulo: Editora Marco Zero; Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 1989.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. et.al. (Org.). História de São Paulo Colonial. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

SLENES, Robert. Na senzala uma flor: esperanças e recordações da família escrava. 2.ed. corrig. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

TEIXEIRA, Paulo Eduardo. Mulheres chefes de domicílio: Campinas, 1765-1850. Anais do XIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais – ABEP, Ouro Preto (MG), 2002. Disponível em: http://historia_demografica.tripod.com/pesquisadores/teixeira/abep-2002-xiii.pdf. Acesso em: 16 jul. 2013.

XAVIER, Regina Célia Lima. A conquista da liberdade: libertos em Campinas na segunda metade do século XIX. Campinas: CMU/UNICAMP, 1996.

ZERO, Arethuza Helena. Escravidão e liberdade: as alforrias em Campinas no século XIX. (1830-1888). 2009. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

Downloads

Publicado

2015-07-29

Como Citar

MEIRELLES, J. G. Histórias de Campinas no período colonial (1775-1822): historiografia e documentação. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 41–48, 2015. DOI: 10.20396/resgate.v23i29.8645789. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645789. Acesso em: 8 dez. 2021.