Práticas e representações fúnebres: preparações para a morte na Campinas oitocentista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v23i29.8645791

Palavras-chave:

Campinas (SP). Século XIX. Ritos e cerimônias fúnebres. Irmandades

Resumo

O artigo trata de aspectos do campo fúnebre de Campinas, São Paulo, no século XIX, enfatizando as atividades à margem da liturgia oficial, entre elas procissões, ofícios e rezas, uso de mortalhas e ritos de enterramentos que auxiliavam a população em geral a inculcar os preceitos religiosos acerca os ritos fúnebres, sobretudo com o apoio das irmandades que forneciam aos seus irmãos aportes próprios no pré e pós-morte. Com base em fontes distintas como jornais e testamentos, observou-se que no período as liturgias institucionais da Igreja Católica, dadas por meio de catecismos, manuais e livros sobre a prática do bem viver e morrer, circularam e foram ressignificadas em processos culturais dinâmicos que imprimiram na sociedade campineira características essenciais no modo de se tratar a morte e seus mortos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Berto, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Bacharel e Licenciado em História pelo IFCH/UNICAMP (2010), sendo bolsista de Iniciação Científica do CNPq durante três anos (de 2008 a 2010). Mestre em História Cultural pela mesma instituição (2014), com pesquisa financiada pela FAPESP. É especialista em História e Humanidades pelo PPG-História da UEM. Foi conselheiro do CONDEPHALI (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico e Arquitetônico de Limeira), mandato 2012-2014. Atualmente é doutorando em História da Arte pelo Programa de Pós-Graduação em História do IFCH/UNICAMP, com o projeto "Gestão e Preservação dos Bens Sacros no Brasil: a implantação do Museu de Arte Sacra da Diocese de Limeira-SP", sob orientação do Prof. Dr. Marcos Tognon. É também docente no curso de Arquitetura e Urbanismo das Faculdades Integradas Einstein de Limeira (SP) e Arquivista no Centro de Memória - Unicamp. Trabalha e tem interesse em estudos relativos ao patrimônio cultural religioso, história da arte, arquivos e museus.

Referências

AMARAL, Leopoldo. Campinas: recordações. São Paulo: O Estado, 1927.

ARAÚJO, Ana Cristina. A Morte em Lisboa: atitudes e representações (1700-1830). Lisboa: Notícias editorial, 1997.

BRITO, Jolumá. História da Cidade de Campinas. Campinas, 1956. Vol II.

CAMPOS, Adalgisa Arantes. Notas sobre os rituais de morte na sociedade escravista. Revista do Departamento de História da FAFICH/UFMG. Volume VI, 1988.

CARRATO, J. Ferreira. Igreja, Iluminismo e Escolas Mineiras Coloniais. São Paulo: Companhia Editora Nacional, Editora da Universidade de São Paulo, 1968.

GAETA, Maria Ap. Junqueira Veiga. A Cultura clerical e a folia popular. Revista Brasileira de História, vol. 17, n. 34. São Paulo, 1997.

GONZÁLES, Ramiro. Piedade Popular e Liturgia. São Paulo: Loyola, 2007.

OFFICIO da Semana Santa em latim, e em portuguez, com as rubricas do Missal, e Breviario Romano, e com as Orações para a Confissão, e Comunhão, tiradas da Sagrada Escritura, e no fim com o Catalogo onde se explicão as Ceremonias, e Palavras difficeis na sua intelligencia. Lisboa: na Regia Officina Typografica, 1779.

PAGOTO, Amanda Aparecida. Do Âmbito Sagrado da Igreja ao Cemitério Público: transformações fúnebres em São Paulo (1850-1860). São Paulo: Arquivo do Estado, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.

RODRIGUES, Cláudia. Os africanos e as apropriações das representações católicas sobre a morte no Rio de Janeiro colonial. Disponível em: www.brasa.org/Documents/BRASA_IX/Claudia-Rodrigues.pdf. Acesso em: 28 fev. 2013.

RODRIGUES, João Lourenço. A vida religiosa de Campinas através do histórico da Irmandade do SS. Sacramento da Catedral: 1847-1947. Campinas: Tip. A Tribuna, 1947.

SOUZA, Ana Guiomar Rêgo. Paixões em Cena: a semana santa na cidade de Goiás (século XIX). 2007. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

VIDE, Sebastião Monteiro da, Dom. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia feitas, e ordenadas pelo illustrissimo e reverendíssimo senhor D. Sebastião Monteiro da Vide, 5º Arcebispo do dito Arcebispado, e do Conselho de Sua Magestade. São Paulo: Typographia 2 de Dezembro de Antonio Louzada Antunes, 1853.

XAVIER, Regina Célia Lima. Tito de Camargo Andrade: religião, escravidão e liberdade na sociedade campineira oitocentista. 2002. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

Downloads

Publicado

2015-07-29

Como Citar

BERTO, J. P. Práticas e representações fúnebres: preparações para a morte na Campinas oitocentista. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 61–70, 2015. DOI: 10.20396/resgate.v23i29.8645791. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645791. Acesso em: 8 dez. 2021.