Cidade, memórias e sensibilidades

Autores

  • Maria Silvia Duarte Hadler

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v23i29.8645793

Palavras-chave:

Cidade. Sensibilidades. Modernidade

Resumo

Na abordagem das complexas relações entre cidade, modernidade, memória e sensibilidades, este artigo procura compreender articulações entre traços culturais da  contemporaneidade e as singularidades da dinâmica sociocultural de uma determinada localidade, no caso a cidade de Campinas (SP). Pretende, portanto, trazer momentos significativos para a constituição de processos socioculturais favorecedores do fortalecimento de formas de sociabilidade calcadas no individualismo urbano, propiciadoras da fragilização de vínculos com os diferentes lugares da cidade. Assim, os anos finais de 1950 e os de 1960 são o momento e o cenário de constituição de formas de educação urbana das sensibilidades  que apontariam para aqueles processos socioculturais – período em que a paisagem urbana sofre sucessivas modificações e  passa a ser mais intensamente marcada pelos ritmos mais acelerados dos automóveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Silvia Duarte Hadler

Bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Unicamp, mestre em Ciência Política e doutora em Educação na área de Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte pela mesma universidade. Atualmente, é pesquisadora (nivel-C) do Centro de Memória-Unicamp, onde desenvolve o projeto de pesquisa "Cidade, memória e sensibilidades". Desde o doutorado, desenvolve pesquisas ligadas às questões das relações entre modernidade, cultura urbana, memória e educação das sensibilidades, como também tem trabalhado com questões relativas ao ensino de história. Desenvolveu projeto de pós-doutorado no Centro de Memória-Unicamp, ligado à temática das relações entre cidade, memórias e sensibilidades, sob a supervisão da profa. dra. Maria Carolina Bovério Galzerani. No campo da educação, em especial, na área do ensino de História, trabalhou com a formação de professores e coordenou atividades e projetos de ensino. Coordenou, de 1988 a 2015, na Escola Comunitária de Campinas, a área de História do Ensino Fundamental I ao Ensino Médio, como também Filosofia e Sociologia no Ensino Médio. É vice-lider do grupo de pesquisa "Kairós: Educação das Sensibilidades, História e Memória, sediado no Centro de Memória e credenciado pelo CNPq, além de integrante do grupo de pesquisa "Rastros: História, Memória e Educação", sediado no Centro de Documentação e Apoio à Pesquisa em História da Educação (CDAPH) da Universidade São Francisco (USF).

Referências

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas I. Magia e técnica. Arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas II. Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas III. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Editora da UFGM; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

BRESCIANI, Maria Stella Martins. Cidade, cidadania e imaginário. In: SOUZA, C.F.; PESAVENTO, S.J. (Orgs). Imagens Urbanas. Os diversos olhares na formação do imaginário urbano. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1997.

CARPINTERO, A.C. Momento de ruptura. As transformações no centro de Campinas na década dos cinquenta. Campinas: UNICAMP/CMU, 1996.

CAUQUELIN, Anne. Essai de philosophie urbaine. Paris: PUF, 1982.

CORREIO POPULAR. Suplemento Comemorativo. Campinas, 27 jan.1963.

DIÁRIO DO POVO. Microfone Campineiro. Campinas, 14 nov.1960.

GALZERANI, Maria Carolina Bovério. O almanaque, a locomotiva da cidade moderna. Campinas, décadas de 1870 e 1880. Tese (Doutorado em História), IFCH, UNICAMP, 1998.

GALZERANI, Maria Carolina Bovério. A cidade como espaço de aprendizagem da História: em foco um projeto de educação patrimonial. In: SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão et al.(Orgs.). Convergências e tensões no campo da formação do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

GAY, Peter. A experiência burguesa da Rainha Vitória a Freud: a educação dos sentidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. RJ: Zahar, 2002.

HADLER, Maria Sílvia Duarte. Trilhos de Modernidade: memórias e educação urbana dos sentidos. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2007.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11.ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006.

JORNAL HOJE, Auditório, fãs e roupas rasgadas, Campinas, 18/11/1979.

MONGIN, Olivier. A condição urbana: a cidade na era da globalização. SP: Estação Liberdade, 2009.

GRÊMIO ESTUDANTIL CARLOS GOMES. Colégio Estadual Vítor Meireles de Campinas. O Coruja. Campinas, ano VI, n.1, nov. 1969.

FOCA. Campinas, ano IV, n.86, 30 abr.1974.

SEIXAS, Jacy Alves. A imaginação do outro e as subjetividades narcísicas – um olhar sobre a in-visibilidade contemporânea [o mal-estar de Flaubert no Orkut]. In: NAXARA, Márcia R.C.; MARSON, Izabel A.; MAGALHÃES, Marion B. (Orgs.). Figurações do outro na história. Uberlândia: EDUFU, 2009, p.63-88.

SENNET, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. 5ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SENNET, Richard. Carne e pedra. Rio de Janeiro: Record, 1997.

SIMMEL, Georg. Metrópole e Vida Mental. In: VELHO, O.G. (Org.). O Fenômeno Urbano. RJ: Zahar Editores, 1976.

Downloads

Publicado

2015-07-29

Como Citar

HADLER, M. S. D. Cidade, memórias e sensibilidades. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 81–94, 2015. DOI: 10.20396/resgate.v23i29.8645793. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645793. Acesso em: 18 ago. 2022.