Memórias e escrituras que fal(h)am em "Exortação aos Crocodilos"

Autores

  • Maicon Araújo dos Santos Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v24i1.8647083

Palavras-chave:

Memória. Linguagem. Narrativa.

Resumo

A narração de experiências traumáticas tensiona os limites entre memória e linguagem. A possibilidade de representar o que aconteceu é dissipada na memória estilhaçada, e malograda na tentativa de representar-se em linguagem. O sujeito que viveu experiências de choque tem sua subjetividade constantemente questionada em suas certezas, quando estas são invadidas pelas lembranças involuntárias que surgem com todo o peso do vivido. Desse modo, essa subjetividade em devir funda-se em uma memória que é feita de puro rastro, reminiscência, que ressurge no presente, este então abalado pela força do passado que se inaugura de novo. A verdade do passado se confunde com a abertura do presente nos dramas pessoais experienciados. É o que se vê na narrativa de Exortação aos crocodilos (1999), romance de António Lobo Antunes, em que os fatos são apresentados nesse momento de limiar do acontecimento, que é todo o acontecer. O sentido que se fala está nesse movimento. Daí o acontecimento, junto à linguagem, permanecer em um processo de constante abertura: a força da experiência presente alterando as lembranças do passado, refazendo estas na linguagem que é fala que falha e está a dizer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maicon Araújo dos Santos, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual do Ceará , especialização em Ensino de Literatura Brasileira pela mesma universidade e mestrado em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Ceará. No momento realiza o Curso de Doutorado em Literatura Comparada na Universidade Federal do Ceará. Atua principalmente nos seguintes temas: literatura, crítica literária, educação, cultura e artes.

Referências

ANTUNES, António Lobo. Exortação aos crocodilos. Lisboa: Dom Quixote, 1999.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. In: BACHELARD, Gaston. Bachelard – textos escolhidos. 3. ed. Tradução de Antônio da Costa Leal e Lídia do Valle Santos Leal. São Paulo: Abril, 1988. (Coleção Os pensadores).

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política. 7. ed. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Coleção Obras Escolhidas, v.1).

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2007.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Editora 34, 1995. v. 2.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: RABINOW, P.; DREYFUS, H. Michel Foucault: uma trajetória filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica). 2. ed. Tradução de Vera Portocarrero e Gilda Gomes Carneiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. p. 269-282.

FREUD, Sigmund. Cinco lições de psicanálise. In: FREUD, Sigmund. Freud – textos escolhidos. Tradução de Durval Marcondes, J. Barbosa e Jayme Salomão. São Paulo: Abril, 1974. (Coleção Os pensadores). Disponível em: http://www.cefetsp.br/edu/eso/filosofia/cincolicoespsicanalise.html. Acesso em: 30 abr. 2016.

LEVINAS, Emmanuel. Humanismo do outro homem. Tradução de Pergentino Pivato. Petrópolis: Vozes, 1993.

MELVILLE, Henry. Bartleby, o escrivão. Tradução de Gil de Carvalho. Lisboa: Assírio & Alvim, 1988.

Downloads

Publicado

2016-10-14

Como Citar

SANTOS, M. A. dos. Memórias e escrituras que fal(h)am em "Exortação aos Crocodilos". Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 99–114, 2016. DOI: 10.20396/resgate.v24i1.8647083. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8647083. Acesso em: 25 jan. 2022.