Entre arquivos e memórias: o acervo do Colégio Municipal Pelotense e a inserção de professoras secundaristas

Autores

  • Bruna de Farias Xavier Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Patrícia Weiduschadt Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v24i2.8647860

Palavras-chave:

História da Educação. Documentos escolares. Colégio Municipal Pelotense. Feminização do magistério.

Resumo

O presente artigo tem o propósito de apresentar os bastidores de uma pesquisa historiográfica que vem sendo desenvolvida no acervo escolar do Colégio Municipal Pelotense, localizado na cidade de Pelotas (RS). Tal pesquisa tem como tema central o processo de inserção da mulher no magistério do ensino secundário do referido colégio, no período compreendido entre as décadas de 1940-1950, a partir da análise de documentos escolares, como fichas funcionais de seis professoras admitidas durante este período. Até o momento, podemos concluir que mesmo com todo o debate da época e o discurso de inserção da mulher no ensino primário, as relações de gênero envolvidas no ensino secundário no período ainda privilegiavam a classe masculina, ao menos nesta instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna de Farias Xavier, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Possui graduação em Matemática (2014) pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), onde atualmente é aluna do mestrado em Educação. É também pesquisadora do Centro de Estudos Investigativos em História da Educação (CEHIE).

Patrícia Weiduschadt, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Possui graduação em Educação Física (2003) e mestrado em Educação (2007), ambos pela UFPel, além de doutorado em Educação (2012) pela Universidade do Vale dos Sinos (Unisinos). Atualmente, é professora efetiva do Departamento de Fundamentos da Educação, Faculdade de Educação, da UFPel.

Referências

AMARAL, G. L. O Gymnasio Pelotense e a Maçonaria: uma face da história da educação em Pelotas, 2.ed. Pelotas: Seiva, 2005.

______. (org.). Museu do Colégio Municipal Pelotense. Pelotas: EDUCAT, 2014.

CERTEAU, M. A escrita da história. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

HISTÓRICO DO COLÉGIO MUNICIPAL PELOTENSE (1902 – 1952). Pelotas: Of. Gráficas da Liv. Do Globo S.A, 1952.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto historiográfico. Tradução: Gizele de Souza. Revista Brasileira de História da Educação, São Paulo, n. 1, 2001, p. 9-44.

LOPES, E. M. T.; GALVÃO, A. M. O. História da educação: o que você precisa saber sobre. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

LOURO, G. L. Prendas e Antiprendas: uma escola de mulheres. Porto Alegre: UFRGS, 1987.

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MATOS, M. I. S. Outras histórias: as mulheres e estudos dos gêneros – percursos e possibilidades. In: SAMARA, E. M. et ali (Orgs.). Gênero em Debate: trajetória e perspectiva da historiografia contemporânea. São Paulo: EDUC, 1997. p. 83-114.

______. História das mulheres e das relações de gênero: campo historiográfico, trajetórias e perspectivas. Mandrágora, São Paulo, v. 19, n. 19, p. 5-15, dez. 2013. Instituto Metodista de Ensino Superior. http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v19n19p5-15

NEVES, H. A.; AMARAL, G. L.; TAMBARA, E. A. C. A oferta do ensino primário e secundário investigada por meio da propaganda impressa (1875-1910). Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 12. n. 36, p. 459-483, maio/ago. 2012. . Disponível em: <http://www2.pucpr.br/reol/index.php/dialogo?dd99=pdf&dd1=6096>. Acesso em: 4 set. 2015.

NUNES, D. Pesquisa historiográfica: desafios e caminhos. Revista de Teoria da História, Local, ano 2, n. 5, p. 15-25, mês 2011.. Disponível online?

PESAVENTO, S. J. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

RAGAZZINI, D. Para quem e o que testemunham as fontes da história da educação? Educar em revista, Local, volume, n. 18, p. 13-27, mês 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/er/n18/n18a03.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2016.

SAMARA, E. M.; TUPY, I. S. S. T. História & Documento e metodologia de pesquisa. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica , 2010.

TAMBARA, E. Positivismo e educação. Pelotas: UFPel, 1995.

VECHIA, A. O ensino secundário no século XIX: instruindo as elites. In: STEPHANOU, M.; BASTOS, M. H. C. História e memória da educação no Brasil. 3. ed.. Petrópolis: Vozes, 2010. v. 2. p. 78-89.

YANNOULAS, S. C. Feminização ou feminilização? Apontamentos em torno de uma categoria. Temporalis, Brasília, ano 1, n. 22, p. 271-292, jul./dez. 2011.

Downloads

Publicado

2016-12-22

Como Citar

XAVIER, B. de F.; WEIDUSCHADT, P. Entre arquivos e memórias: o acervo do Colégio Municipal Pelotense e a inserção de professoras secundaristas. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 24, n. 2, p. 113–128, 2016. DOI: 10.20396/resgate.v24i2.8647860. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8647860. Acesso em: 28 nov. 2021.