Algumas perspectivas sobre a interpretação na História

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v25i1.8647927

Palavras-chave:

Interpretação. Historiografia. História dos conceitos.

Resumo

Abordo nesse texto como alguns autores trabalham ou analisam o paradigma hermenêutico. Esta perspectiva é relevante para pesquisadores que se utilizam, principalmente, da análise de textos e discursos para o seu fazer histórico. O estudo aprofundado do paradigma interpretativo e suas variantes apresenta-se como uma boa alternativa quando nos deparamos com análise da linguagem para a escrita da história. Nesse sentido, destacaremos autores como Hayden White, François Dosse, Hans-Georg Gadamer e, principalmente, Reinhart Koselleck.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jônatas Roque Mendes Gomes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduado em História e Mestre em História Social pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FFP-UERJ).

Referências

A AURORA FLUMINENSE. Jornal Politico e Litterario. Rio de Janeiro, 1827-1839. Hemeroteca Digital Brasileira. Biblioteca Nacional Digital Brasil. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=706795&pasta=ano%20182&pesq=. Acesso em: 8 dez. 2016.

BARROS, José D’Assunção. Rupturas entre presente e o passado: leituras sobre as concepções de tempo de Koselleck e Hannah Arendt. Revista Páginas de Filosofia, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 65-88, 2010.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense, 1982.

CONCILIADOR DO MARANHÃO. Maranhão, 1821-1823. Hemeroteca Digital Brasileira. Biblioteca Nacional Digital Brasil. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=749524&pasta=ano%20182&pesq=. Acesso em: 8 dez. 2016.

DOSSE, François. História a prova do tempo. São Paulo: Edusp, 2001.

FERES JÚNIOR, João; JASMIN, Marcel Gantus (Orgs.). História dos conceitos: debates e perspectivas. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2006.

GADAMER, Hans-Georg; KOSELLECK, Reinhart. Historia y hermenéutica. Barcelona: Paidós, 1997.

HABERMAS, Jürgen. Consciência Moral e Agir Comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

KOSELLECK, Reinhart. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 134-146, 1992.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2006a.

KOSELLECK, Reinhart. Uma resposta aos comentários sobre o Geschichtliche Grundbegriffe. In: JASMIN, Marcel Gantus; FERES JÚNIOR, João (Orgs.). História dos conceitos: debates e perspectivas. Rio de Janeiro: PUC Rio, 2006b.

KOSELLECK, Reinhart. Historias de conceptos: estudios sobre semántica y pragmática del lenguaje político y social. Madrid: Trotta, 2012.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do Tempo: estudos sobre a história. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC-Rio, 2014.

LATOUR, Bruno. Les microbes. Paris: Métailié, 1984.

MOTZKIN, Gabriel. A intuição de Koselleck acerca do tempo na história. In: FERES JÚNIOR, João; JASMIN, Marcel Gantus (Orgs.). História dos conceitos: debates e perspectivas. Rio de Janeiro: PUC Rio, 2006.

PASSERON, Jean-Claude. O raciocínio sociológico. Petrópolis: Vozes, 1995.

PEREIRA, Luísa Rauter. A História e “o Diálogo que Somos”: a historiografia de Reinhart Koselleck e a hermenêutica de Hans-Georg Gadamer. 2004. 93 fls. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro. 2004.

RIBEIRO, Gladys Sabina. A Liberdade em Construção. Rio de Janeiro: Relume Dumará; FAPERJ, 2002.

RICOEUR, Paul. Interpretação e ideologias. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso. São Paulo: Edusp, 2001.

ZAGNI, Rodrigo Medina. Hermenêutica e História: A crítica de Gadamer e de Ricoeur à constituição da realidade histórica na hermenêutica de Dilthey. Revista Jus Humanum, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 8-37, 2012.

Downloads

Publicado

2017-09-14

Como Citar

GOMES, J. R. M. Algumas perspectivas sobre a interpretação na História. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 315–332, 2017. DOI: 10.20396/resgate.v25i1.8647927. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8647927. Acesso em: 1 dez. 2022.