Entre escravos e livres: economia e força de trabalho no Vale do Paraíba e no Oeste Paulista no terceiro quartel do século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v25i2.8648792

Palavras-chave:

Força de Trabalho. Escravidão. Trabalho livre. Economia cafeeira.

Resumo

O artigo traz uma análise da estrutura da força de trabalho posicionada no Vale do Paraíba e no Oeste Paulista. A partir dos dados do censo de 1872, buscamos verificar empiricamente a proporção de trabalhadores livres e escravizados na força de trabalho, e sua segmentação entre as atividades econômicas. Constatou-se que a expansão da economia agrícola, puxada pela lavoura cafeeira, foi responsável pela mobilização de uma parcela da força de trabalho livre muito maior do que foi previsto nos estudos clássicos da história econômica.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Freitas Soares de Moraes Cruz, Universidade de São Paulo

Mestre e doutorando em História Econômica, pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP).

Referências

BASSANEZI, Maria Silvia C. Beozzo. São Paulo do Passado: dados demográficos. Campinas: Nepo/Unicamp, 1998.

CAMARGO, José Francisco de. Crescimento da população no estado de São Paulo e seus aspectos econômicos. São Paulo: Instituto de Pesquisas Econômicas, 1981.

COSTA, Iraci del Nero da. Arraia-miúda: um estudo sobre os não proprietários de escravos no Brasil. São Paulo: MGSP, 1992.

DEAN, Warren. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura 1820-1920. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

DELFIM NETTO, Antônio. O problema do café no Brasil. São Paulo: Unesp, 2009.

EISENBERG, Peter Louis. Homens Esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil – séculos XVIII e XIX. Campinas: Unicamp, 1989.

FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1980.

GOLDSMITH, Raymond. Brasil – 1850/1984: desenvolvimento financeiro sob um século de inflação. São Paulo: Harper & How do Brasil; Bamerindus, 1986.

HOLLOWAY, Thomas. Imigrantes para o café: café e sociedade em São Paulo (1886-1934). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

LAMOUNIER, Mária Lúcia. Ferrovias e mercado de trabalho no Brasil do século XIX. São Paulo: Edusp, 2012.

LUNA, Francisco; KLEIN, Herbert S. Escravismo no Brasil. São Paulo: Edusp; Imprensa Oficial, 2010.

LUNÉ, Antônio José Batista de; FONSECA, Paulo Delfino da. Almanak da Província de São Paulo para 1873. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado; Arquivo do Estado, 1985.

MATTOS, Hebe. Ao sul da história: lavradores pobres na crise do trabalho escravo. Rio de Janeiro: FGV, 2015.

MILLIET, Sérgio. Roteiro do café e outros ensaios. São Paulo: Hucitec, 1982.

MOTTA, José Flávio. Escravos daqui, dali e de mais além: o tráfico interno de cativos na expansão cafeeira paulista (Areias, Guaratinguetá, Constituição/Piracicaba e Casa Branca). São Paulo: Alameda, 2012.

MÜLLER, Daniel Pedro. Ensaio d’um quadro estatístico da Província de São Paulo. 3. ed. facsimilada. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, 1978.

PETRONE, Maria Thereza S. A lavoura canavieira em São Paulo: expansão e declínio (1765-1851). São Paulo: Difel, 1968.

PIRES, Júlio M.; COSTA, Iraci del Nero da. O capital escravista mercantil e a escravidão nas Américas. São Paulo: Educ; Fapesp, 2010.

SLENES, Robert W. The Brazilian internal slave trade 1850-1888: regional economies, slave experience, and the politics of a peculiar market. In: JOHNSON, Walter. The Chattel Principle: internal slave trades in Americas. New Haven; London: Yale University Press, 2004.

TESSARI, Cláudia Alessandra. Braços para a colheita: sazonalidade e permanência do trabalho temporário na agricultura paulista (1890-1915). São Paulo: Alameda, 2012.

TOMICH, Dale. Pelo prisma da escravidão. São Paulo: Edusp, 2010.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

CRUZ, M. F. S. de M. Entre escravos e livres: economia e força de trabalho no Vale do Paraíba e no Oeste Paulista no terceiro quartel do século XIX. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 167–190, 2017. DOI: 10.20396/resgate.v25i2.8648792. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8648792. Acesso em: 9 ago. 2022.