Chólera Morbus no curato de Nossa Senhora Imaculada Conceição do Porto das Caixas: a epidemia relatada nos periódicos

Palavras-chave: Chólera Morbus. Curato de Nossa Senhora Imaculada Conceição do Porto das Caixas. Periódicos.

Resumo

O presente artigo analisa a epidemia da Chólera Morbus no curato de Nossa Senhora Imaculada Conceição do Porto das Caixas no ano de 1855, e como a doença foi retratada nos periódicos do período. O curato de Nossa Senhora Conceição do Porto das Caixas (RJ) pertencia à então Vila de São João de Itaborahy e, no início do século XIX, quando ainda tinha a nomenclatura de Arraial de Nossa Senhora Imaculada Conceição do Porto das Caixas, já tinha sido atacada por outra mortífera onda de doenças, que ficaram conhecidas pelo nome de “febres do Macacu”. A epidemia da Chólera Morbus, que desembarcou nos portos da província do Rio de Janeiro, chegou na localidade através do transporte de gêneros e passageiros da corte para o interior do recôncavo da Guanabara, vitimando, em sua maioria, a população escrava do curato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirian Cristina Siqueira de Cristo, Universidade Salgado de Oliveira

Formada em História pela Universidade Estácio de Sá (2015), pós-graduada em Gestão Escolar: Orientação e Supervisão pela Faculdade de Educação São Luís (2017) e Mestre em História na Universidade Salgado de Oliveira (Universo, Niterói, RJ). Professora efetiva da rede municipal de Itaboraí.

Referências

BRASIL. Ministério do Império. Relatório acerca da Saúde pública feito pelo Dr. Francisco de Paula Cândido no anno de 1856. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/720968/per720968_1856_00001.pdf. Acesso em: 3 jun. 2016.

RIO DE JANEIRO (Província). Relatório apresentado a Assembleia Legislativa da Província do Rio de Janeiro, na 2ª sessão da 12ª Legislatura pelo vice-presidente João Manoel Pereira da Silva em 1 de agosto de 1857. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/787/000072.html. Acesso em: 26 jun. 2016.

RIO DE JANEIRO (Província). Relatório do vice-presidente da província Visconde de Baependy do período de 19 de setembro a 26 de novembro de 1855. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u832/000020.html. Acesso em: 12 jan. 2017.

CABRAL, Diogo de Carvalho. Homens e árvores no ecúmeno colonial. Uma história ambiental da indústria madeireira na bacia do Macacu, Rio de Janeiro, 1763-1825. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2007.

CALÓGERAS, Pandiá. Transportes arcaicos. [O jornal - Edição comemorativa do bicentenário do cafeeiro no Brasil]. São Paulo: Palácio das Indústrias, 1927. v. 1.

CASAL, Manuel Aires de. Coreografia brasílica ou Relação histórico-geográfica do Reino Brasil (1817). São Paulo: Edusp, 1976.

DIAS, Maria Odília Leite da Silva. A interiorização da Metrópole e outros estudos. São Paulo: Alameda, 2005.

FORTE, José Matoso Maia. Vilas fluminenses desaparecidas. Revista da Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro [Biblioteca Nacional], v. 44, 1937.

GEIGER, Pedro Pinchas; SANTOS, Ruth Lyra. Notas sobre a evolução da ocupação humana na baixada fluminense. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, jul./set.1954. Disponível em: http://www.bvambientebf.uerj.br/banco_de_imagens/artigos_rbg/RBG_1954_evolacao_ocupacao.pdf. Acesso em: mar. 2018.

KODAMA, Kaori. Mortalidade escrava durante a epidemia de cólera no Rio de Janeiro (1855-1856): uma análise preliminar. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 19 [supl.], dez. 2012.

LENHARO, Alcir. As tropas da moderação: o abastecimento da Corte na formação política do Brasil, 1808-1842. São Paulo: Símbolo, 1979.

MACHADO, Lia Osório. Gente do Caceribu, sua geografia, sua história. [Projeto “Gente do Caceribu”]. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998. Disponível em:http://www.retis.igeo.ufrj.br/wp-content/uploads/1998-gente-do-Caceribu-LOM.pdf. Acesso em: 10 fev. 2016.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Mortalidade e morbidade da cidade do Rio de Janeiro Imperial. Revista de História, São Paulo, n. 127-128, p. 53-68, [ago./dez. 1992] jan./jul. 1993. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/viewFile/18689/20752. Acesso em: 9 out. 2016.

MIZUBUTI, Satiê. Sobre a formação da mão-de-obra industrial no Brasil e a imigração estrangeira - 1890-1930. GEOgraphia, Niterói, v. 3, n. 5, p. 47-57, jan./jun. 2001. Disponível em: http://www.geographia.uff.br/index.php/geographia/index. Acesso em: mar. 2018.

NOGUEIRA, Viviany Barreto. A peregrinação em Porto das Caixas. O espaço sagrado modelando a dinâmica na paisagem. Dissertação (Mestrado em Urbanismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2009.

OLIVEIRA, Rafael da Silva. Os eixos de transporte e as transformações na organização espacial do Recôncavo da Guanabara entre os séculos XVIII e XIX: os exemplos de Iguaçu e Estrela. Revista do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro, Rio de Janeiro, v. 168, n. 435, p. 91-117, abr./jun. 2007. Disponível em: https://ihgb.org.br/publicacoes/revista-ihgb/item/158-volume-435.html. Acesso em: mar. 2018.

PIMENTA, Tânia Salgado. O Estado da Misericórdia (Rio de Janeiro, século XIX). Conhecimento histórico e diálogo social. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 27., 2013, Natal. Anais... Natal: Anpuh, 2013. Disponível em:http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364476703_ARQUIVO_TaniaPimentaanpuh2013.pdf. Acesso em: 24 jan. 2017.

PINTO, Luiz Maria da Silva. Diccionario da Lingua Brasileira. Ouro Preto: Typographia de Sila, 1832.

REGO, José Pereira. Memória histórica das epidemias de febre amarella e chólera-morbo que têm reinado no Brasil pelo Dr. José Pereira Rego. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1873.

ROCHA, Helenice Aparecida Bastos et al. Caixa da história: Itaboraí. São Gonçalo: UERJ/FFP, 2011.

ROSA JUNIOR, Ailton Fernandes da. Em águas turvas: homens livres pobres no Vale do Macacu oitocentista. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica. 2014.

ROSEDAHL, Zeny. Espaço Sagrado: o exemplo de Porto das Caixas, Baixada Fluminense. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 57, n. 1, p. 53-72, jan./mar. 1995.

SAMPAIO. Antônio Carlos Jucá de. Os homens de negócio cariocas da primeira metade do setecentos: origem, alianças e acumulação na construção do espaço atlântico. Disponível em: http://cvc.instituto-camoes.pt/eaar/coloquio/comunicacoes/antonio_juca_sampaio.pdf. Acesso em: 5 dez. 2016.

SANJAD, Nelson. Cólera e medicina ambiental no manuscrito “Cholera-morbus” (1832), de Antonio Correa de Lacerda (1777-1852). História, Ciências, Saúde - Manguinhos, [online], v. 11, n. 3, p. 587-618, set./dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702004000300004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: mar. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702004000300004.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2006.

SATHLER, Evandro Bastos. Tropeiros e outros viajantes. Niterói: UFF, 2003.

SOUSA, Jorge Prata de. Os registros de óbitos da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, 1835-1849. Usos do Passado. ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA, 12., 2006, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Anpuh, 2006. Disponível em: http://rj.anpuh.org/resources/rj/Anais/2006/conferencias/Jorge%20Prata%20de%20Sousa.pdf. Acesso em: 27 jan. 2017.

SOUZA, Laura de Mello e. O sol e a sombra: política e administração na América Portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Periódicos consultados:

A AURORA FLUMINENSE. Rio de Janeiro, n. 181, 24 abr. 1829.

A CONSTITUIÇÃO. Rio de Janeiro, v. 1, n. 43, 29 set.1855.

Correio da Tarde. Rio de Janeiro, v. 1, n. 113, 26 dez. 1855.

Correio Mercantil, e Instructivo, Político, Universal. Rio de Janeiro, v. 12, n. 275, 5 out. 1855a.

Correio Mercantil, e Instructivo, Político, Universal. Rio de Janeiro, v. 12, n. 263, 23 set. 1855.

Correio Mercantil, e Instructivo, Político, Universal. Rio de Janeiro, v. 12, n. 279, 9 out. 1855b.

Correio Mercantil, e Instructivo, Político, Universal. Rio de Janeiro, v. 12, n. 291, 21 out. 1855c.

Correio Mercantil, e Instructivo, Político, Universal. Rio de Janeiro, v. 12, n. 347, 18 dez. 1855d.

Correio Mercantil, e Instructivo, Político, Universal. Rio de Janeiro, v. 12, n. 13, 14 jan. 1855e.

Correio Mercantil, e Instructivo, Político, Universal. Rio de Janeiro: v. 12, n. 331, 1 dez. 1855f.

Jornal do Commercio. Rio de Janeiro, v. 21, n. 311, 9 nov. 1846.

Publicado
2018-03-23
Como Citar
Cristo, M. C. S. de. (2018). Chólera Morbus no curato de Nossa Senhora Imaculada Conceição do Porto das Caixas: a epidemia relatada nos periódicos. Resgate: Revista Interdisciplinar De Cultura, 26(1), 67-80. https://doi.org/10.20396/resgate.v26i1.8648825