Viver e envelhecer: trajetórias de vida numa vila paulista (Campinas, 1774-1842)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v26i1.8649154

Palavras-chave:

Velhice. Sociedade. Gênero. Campinas. Pesquisa.

Resumo

O objetivo desse ensaio é discutir alguns pontos para o avanço das pesquisas que tratam do papel do idoso no passado brasileiro. Para tanto, serão levantadas informações sobre pessoas que nasceram no final dos setecentos, sendo as mesmas acompanhadas por documentos de várias ordens, como inventários, testamentos, listas nominativas e registros paroquiais existentes para a Vila de Campinas, em São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Eduardo Teixeira, Universidade Estadual Paulista

Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp, 1987), mestrado em História Social pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp Franca, 1999) e doutorado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP, 2005). Atualmente é professor assistente doutor junto ao Departamento de Ciências Políticas e Econômicas da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp Marília, bem como é docente credenciado junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, e no Mestrado Profissional de Sociologia em Rede Nacional (ProfSocio). Tem experiência nas áreas de História e Demografia Histórica, com ênfase nos seguintes temas: população, família, gênero, chefia de domicílio, movimentos migratórios, escravidão, economia e sociedade. Desde 2004 vem se dedicando também aos estudos voltados para o uso da imagem no ensino de História e Sociologia.

Antonio Carlos dos Santos, Universidade Estadual Paulista

Doutor pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2012) e professor pesquisador, possui graduação em Educação Musical pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1991) e mestrado em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998). Atualmente é professor titular de Música do- Colégio Santo Américo. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em História da Música, atuando principalmente nos seguintes temas: documentação musical antiga, os músicos negros e escravos, participação feminina na música, pratica de ensino musical através da tecnologia, bailado folclórico, ensino, criação e pesquisa na educação musical. 

Referências

ARIÈS, Philippe. Une histoire de la vieillesse. Communications, Paris, v. 37, n. 1, p. 47-54, 1983.Disponível em: http://www.persee.fr/doc/comm_0588-8018_1983_num_37_1_1551. Acesso em: out. 2017.

BACELLAR, C. de A. P. Os senhores da terra: família e sistema sucessório entre os senhores de engenho do Oeste paulista, 1765-1855. Campinas: CMU/Unicamp, 1997.

BAZO, Maria T. La nueva sociologia de la vejez: de la teoria a los métodos. Reis - Revista Española de Investigaciones Sociológicas, Madrid, n.60, p. 75-90, out./dez. 1992. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/40183681. Acesso em: out. 2017.

BEAUVOIR, Simone de. A velhice. São Paulo: Difel, 1970.

BRITO, Jolumá. História da cidade de Campinas. São Paulo: Saraiva, 1956. v. 1.

CAMARANO, Ana A.; KANSO, Solange; MELLO, Juliana L. Como vive o idoso brasileiro? In: CAMARANO, Ana Amélia. (Org.). Os novos idosos brasileiros: muito além dos 60? Rio de Janeiro: Ipea, 2004.

CAMARANO, Ana A.; PASINATO, Maria T. Introdução. In: CAMARANO, Ana Amélia. (Org.) Os novos idosos brasileiros: muito além dos 60? Rio de Janeiro: Ipea, 2004.

CELTON, Dora Estela. La población de Córdoba a fines del siglo XVIII. Buenos Aires:Academia Nacional de la Historia, 1993.

COSTA, Dora Isabel P. da. Herança e ciclo de vida: um estudo sobre familia e população em Campinas, São Paulo (1765-1850). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói. 1997.

DEBERT, Guita G. A construção e a reconstrução da velhice: família, classe social e etnicidade. In: NERI, Anita L.; DEBERT, Guita G. (Orgs.). Velhice e sociedade. Campinas: Papirus, 1999.

DUBERT, Isidro. Vejez, familia y reproducción social en España, siglos XVIII-XX. Revista de Demografía Histórica, Madrid, v. 26, n. 2, p. 87-122, 2008. Disponível em: http://www.adeh.org/?q=es/system/files/Revista/II-2008/DUBERT.pdf. Acesso em: out. 2017.

EISENBERG, P. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil: séculos XVIII e XIX. Campinas: Unicamp, 1989.

GARCÍA GONZÁLEZ, F. Introducción: Vejez, envejecimiento e historia. La edad como objeto de investigación. In: GARCÍA GONZÁLEZ, F. (Org.). Vejez, envejecimiento y sociedad em España, siglos XVI-XXI. Cuenca: Universidad de Castilla-La Mancha, 2005.

GUSMÃO, Neusa M. M. de. A maturidade e a velhice: um olhar antropológico. In: NERI, Anita L. (Org.). Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. Campinas: Papirus, 2001.

KUBO, E. M. Aspectos demográficos de Curitiba, 1801-1850. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 1974.

LAGE, Lana. A boa esposa e a mulher entendida. In LAGE, Lana (Org.) Mulheres, adúlteros e padres. Rio de Janeiro: Dois Pontos, 1987.

LASLETT, Peter. Necessary knowlwdge: age and aging in the societies of the past. In: KERTZER, David I.; LASLETT, Peter (Orgs.). Aging in the past: Demography, society, and old age. Berkeley: University of California, 1995. p. 3-79.

LOZANO-POVEDA, Diana. Concepción de vejez: entre la biologia y la cultura. Investigación em Enfermería [Imagem y Desarollo], Bogotá, v. 13, n. 2, p. 89-100, jul./dez. 2011. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=145222559006. Acesso em: out. 2017.

MADEIRA, Artur B.; RODRIGUES, José D.; MATOS, Paulo L. População e família de uma vila açoriana: as Velas da Ilha de São Jorge (1766-1799). População e Sociedade, Porto, n. 4, p. 59-93, 1998. Disponível em: http://www.cepesepublicacoes.pt/portal/pt/obras/populacao-e-sociedade/revista-populacao-e-sociedade-no-4/populacao-e-familia-de-uma-vila-acoriana-as-velas-da-ilha-de-s-jorge-1766-1799. Acesso em: out. 2017.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Caiçara: terra e população – estudo de demografia histórica e da história social de Ubatuba. São Paulo: Paulinas; Cedhal, 1986.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Crescimento demográfico e evolução agrária paulista: 1700-1836. São Paulo: Hucitec; Edusp, 2000.

MARTINS, Valter. Nem senhores, nem escravos. Campinas: CMU/Unicamp, 1996.

MESQUITA, Eni. O papel do agregado na região de Itu – 1780 a 1830. São Paulo: Museu Paulista da USP, 1977. (Série de História, v. 6, Parte I). p. 10-121.

MOTTA, José Flávio. Velhos no cativeiro: posse e comercialização de escravos idosos. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 16., 2008, Caxambu. Anais.... Caxambu: Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2008. p. 5. (CD-ROM).

MOTTA, José Flávio. O tráfico de escravos velhos (província de São Paulo, 1861-1887). História: Questões & Debates, Curitiba, v. 27, n. 52, p. 41-73, jan./jun. 2010.

NOZOE, Nelson; COSTA, Iraci del Nero da. Achegas para a qualificação das Listas Nominativas. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 271-284, maio/ago. 1991.

NERI, Anita L. (Org.). Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. Campinas: Papirus, 2001.

REHER, David S. Vejez y envejecimiento em perspectiva histórica: retos de um campo em auge. Política y Sociedad, Madrid, v. 26, p. 63-71, 1997. Disponível em: http://revistas.ucm.es/index.php/POSO/article/view/POSO9797330063A. Acesso em: out. 2017.

OTERO, Hernán. Representaciones estadísticas de la vejez. Argentina, 1869-1947. Revista Latinoamericana de Población, Buenos Aires, v. 7, n. 13, p. 5-28, 2013. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/3238/323830085001.pdf. Acesso em: out. 2017.

PEREGALLI, Enrique. Recrutamento militar no Brasil colonial. Campinas: Unicamp, 1986. (Série Teses).

SAMARA, Eni. A família brasileira. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1993.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. História da Família no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

SIQUEIRA, Maria E. C. de. Teorias sociológicas do envelhecimento. In: NERI, Anita L. (Org.). Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. Campinas: Papirus, 2001.

SLENES, Robert W. A formação da família escrava nas regiões de grande lavoura do Sudeste: Campinas, um caso paradigmático no século XIX. População e Família, São Paulo, v. 1, n. 1, jan./jun. 1998.

TEIXEIRA, Paulo E. O outro lado da família brasileira. Campinas: Unicamp, 2004.

Downloads

Publicado

2018-03-23

Como Citar

TEIXEIRA, P. E.; SANTOS, A. C. dos. Viver e envelhecer: trajetórias de vida numa vila paulista (Campinas, 1774-1842). Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 26, n. 1, p. 7–30, 2018. DOI: 10.20396/resgate.v26i1.8649154. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8649154. Acesso em: 18 ago. 2022.