De Vossa Mercê amigo, criado e muito obrigado: comércio, família e redes de clientela na capitania de Minas Gerais (c.1760 – c. 1820)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v25i2.8649176

Palavras-chave:

Comércio. Família. Redes de clientela. Estratégias.

Resumo

Em 1789, na capitania de Minas Gerais, o movimento de membros das elites mineiras, que pretendia a Independência, foi denunciado por partícipes. A investigação sobre o crime iniciou em 1789, sendo abertas duas devassas. O episódio, reflexo das transformações socioeconômicas no Império Ultramarino português, deixou o comerciante português Manoel Pereira Alvim e seu sobrinho, Gervásio Pereira Alvim, numa situação delicada perante a movimentação de seus negócios: a prisão dos envolvidos no movimento implicou na desarticulação de suas redes de negócios. Dessa forma, uma nova realidade foi posta: a ausência de parceiros impôs ao comerciante e seu sobrinho um novo quadro, no qual novos laços de amizades e redes de clientela precisariam ser formados para salvaguardar a sobrevivência enquanto membros das elites e para assegurar a produção da riqueza e do poder. Por meio da microanálise, o objeto desta pesquisa é a formação das redes de clientela e de negócios em Minas Gerais entre os anos de 1760 e 1820, enfatizando as estratégias e adaptações dos sujeitos às novas conjunturas do Império Ultramarino português e do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Chaves Teixeira Pinto, Universidade Federal de São João del Rei

Graduada em História (licenciatura e bacharelado) pela Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ).Doutora e mestre em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente, é professora adjunta (temporária) do Departamento de Ciências Sociais e Jurídicas da Universidade Federal de São João del Rei. Foi professora militar na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (2013-2015). Recentemente, foi contemplada em segundo lugar, com menção honrosa, no prêmio ABPHE Teses e Dissertações (biênio 2014-2016).

Referências

Fontes documentais primárias:

AEMNSP-São José: Arquivo Eclesiástico da Matriz de Nossa Senhora do Pilar, São João del Rei. Banco de São José.

Cas – Casamento. Registro: Livro 24, fl. 51v.

Bat – Batismo. Registros: Livros 6, 9, 10.

AN-Inconfidência Mineira: Arquivo Nacional, Rio de Janeiro. Inconfidência Mineira, 1789.

Inconfidência em Minas Gerais – Levante de Tiradentes: sequestros, cópias de dados relativos aos inconfidentes desterrados para Angola. Microfilme: 021.1-74, volume 6, nº 22.

APM-CC: Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte. Fundo: Casa dos Contos.

Documentos avulsos: Manoel Pereira Alvim. Caixa 160, planilha 10012, Rolo 549, Doc. 1.

IPEA-Fragoso-Guedes, 2000: CD-ROM: IPEA-FRAGOSO-FERREIRA, Códice 411, vol. 2. Despachos de escravos e passaportes da Intendência de Polícia da Corte, 1819 – 1833.

Outros materiais bibliográficos:

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Com quantos escravos se constrói um país? Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v. 4, n. 39, p. 18-20, dez. 2008.

ALMEIDA, Carla Maria Carvalho. Homens ricos, homens bons: produção e hierarquização nas Minas colonial (1750-1822). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2001.

ALMEIDA, Carla Maria Carvalho. Alterações nas unidades produtivas mineira: Mariana (1750-1850). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói. 1994.

ANDRADE, Marcos Ferreira de. Rebeldia e resistência: as revoltas escravas na província de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 1996.

ANDRADE, Marcos Ferreira de. Elites regionais e a formação do Estado Imperial brasileiro: Minas Gerais – Campanha da Princesa (1799-1850). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2008.

ARAÚJO, Luiz Antônio da Silva. Em nome do rei e dos negócios: direitos e tributos régios nas Minas setecentistas (1730-1789). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2008.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII: os jogos das trocas. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BRÜGGER, Silvia Maria Jardim. Minas patriarcal: família e sociedade (São João del Rei – séculos XVIII e XIX). São Paulo: Annablume, 2007.

CARRARA, Ângelo Alves. Minas e currais: produção rural e mercado interno em Minas Gerais (1674-1807). Juiz de Fora: UFJF, 2007.

CARRARA, Ângelo Alves. A administração dos contratos da capitania de Minas: o contratador João Rodrigues de Macedo, 1775-1807. América Latina en la Historia Económica, Cidade do México, n. 35, p. 31-52, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/pdf/alhe/n35/n35a2.pdf. Acesso em: 28 set. 2012.

CARRARA, Ângelo Alves. (Org.). À vista ou a prazo: comércio e crédito nas Minas setecentistas. Juiz de Fora: UFJF, 2010.

CHAVES, Cláudia M. G. Melhoramentos no Brazil: integração e mercado na América Portuguesa (1780-1822). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2001.

FARIA, Sheila de Castro. A colônia em movimento: fortuna e família no cotidiano colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

FERREIRA, Roquinaldo. Terra de oportunidades. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v. 4, n. 39, p. 21-23, dez. 2008.

FRAGOSO, João. O Império escravista e a república dos plantadores: economia brasileira no século XIX – mais que uma plantation escravista-exportadora. In: LINHARES, Maria Yedda L. (Org.). História geral do Brasil. 9. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

FURTADO, João Pinto. O manto da Penélope: história, mito e memória da Inconfidência Mineira, 1788-9. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.

FURTADO, Júnia Ferreira. Homens de negócio: a interiorização da metrópole e do comércio nas Minas setecentistas. São Paulo: Hucitec, 1999.

GRAÇA FILHO, Afonso de Alencastro. A Princesa do Oeste e o mito da decadência de Minas Gerais: São João del Reo (1831-1888). São Paulo: Annablume, 2002.

LENHARO, Alcir. As tropas da moderação: o abastecimento da Corte na formação política do Brasil (1808-1842). Rio de Janeiro: Biblioteca Carioca, 1993.

MARTINS, Maria do Carmo Salazar. Revisitando a província: comarcas, termos, distritos e população de Minas Gerais em 1833-1835. In: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 5, 1990, Diamantina. Anais... Diamantina: Cedeplar/Face/UFMG, 1990.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Lisboa: Edições 70, 1988.

MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira – Brasil e Portugal (1750-1808). 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

OLIVEIRA, Felipe Rodrigues de. Por homens e caminhos: o contrato de entradas e o comércio nas Minas – 1762-1789. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora. 2009.

PÉREZ, Mariana Alicia. En busca de mejor fortuna: los inmigrantes españoles en Buenos Aires desde el Virreinato a la Revolución de Mayo. Buenos Aires: Prometeo, 2010.

PINTO, Paula Chaves Teixeira. De Minas para a Corte. Da corte para Minas: movimentações familiares e trocas mercantis (c. 1790 – c. 1880). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2014.

RODRIGUES, André Figueiredo. Estudo econômico da Conjuração Mineira: análise dos sequestros de bens dos inconfidentes da comarca do Rio das Mortes. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2008.

RODRIGUES, André Figueiredo. Os ‘extravios que tão continuados tem sido...’: contrabando e práticas comerciais ilícitas nas atividades do contratador João Rodrigues de Macedo. Locus - Revista de História, Juiz de Fora, v. 2, n. 1/2, jan./dez. 2005. Disponível em: http://www.histoecultura.com.br/artigos/01/AFR%20-%20artigo%20Locus.pdf. Acesso em: 28 set. 2012.

SANTOS, Raphael Freitas. Considerações sobre as atividades creditícias na sociedade mineira setecentistas. In: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 12., 2008, Diamantina. Anais... Diamantina: Cedeplar/Face/UFMG, 2008.

Disponível em: http://www.cedeplar.ufmg.br/seminarios/seminario_diamantina/2006/D06A037.pdf. Acesso em: 2 out. 2017.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Ser nobre na colônia. São Paulo: Unesp, 2005.

SOUZA, Laura de Mello. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

TEIXEIRA, Maria Lúcia Resende Chaves. Família escrava e riqueza na comarca do Rio das Mortes. São Paulo: Annalume, 2006.

TEIXEIRA, Paula Chaves. Negócios entre mineiros e cariocas: família, estratégias e redes mercantis no caso Gervásio Pereira Alvim (1850-1880). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2009.

XAVIER, Ângela Barreto; HESPANHA, António Manoel. As redes clientelares. In: MATTOSO, José (Org.). História de Portugal: o Antigo Regime. Lisboa: Estampa, 1998.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

PINTO, P. C. T. De Vossa Mercê amigo, criado e muito obrigado: comércio, família e redes de clientela na capitania de Minas Gerais (c.1760 – c. 1820). Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 81–104, 2017. DOI: 10.20396/resgate.v25i2.8649176. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8649176. Acesso em: 10 ago. 2022.