A prestação de contas com a morte: um olhar sobre os testamentos e inventários post-mortem (nordeste paulista, séculos XVIII e XIX)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v25i2.8649575

Palavras-chave:

História regional. Preço da morte. Inventários. Testamentos.

Resumo

Este artigo é resultado de um estudo sobre os comportamentos e estratégias dos indivíduos frente à morte, relatadas em testamentos e inventários post-mortem, bem como sobre os bens e valores deixados para custear os rituais, funerais e instituições religiosas, com a intenção de preservar a alma. A pesquisa comprova a permanência das atitudes humanas influenciadas pelos ditames religiosos relacionados à morte, e as tentativas de demonstração de piedade para com as pessoas próximas durante a vida, mesmo diante do processo de laicização da sociedade. Para a análise foram selecionados documentos que representam comportamentos semelhantes entre os moradores do Sertão do Rio Pardo, nordeste paulista, entre os anos de 1786 a 1858, período de efetiva ocupação populacional e dinamização das atividades econômicas do território voltadas para o abastecimento interno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lelio Luiz de Oliveira, Universidade de São Paulo

Possui Licenciatura em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1987), mestrado em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995) e doutorado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (2003). Atualmente é docente do Departamento de Economia da FEA-RP - USP-Universidade de São Paulo. Tem experiência em História, com ênfase em História Econômica, atuando principalmente nos seguintes temas: história econômica, história regional do Brasil e economia de abastecimento interno.

Referências

ÂNGELO, Fabrício Vinhas Manini. “Por muito amor que lhe tenho”: a família, as vivências afetivas e as mestiçagens na Comarca do Rio das Velhas (1716-1780). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2013.

ANTÔNIO, E. M. M. Anselmada: a trama de uma sedição, 1838. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual Paulista, Franca, 1999.

ARAÚJO, Maria Lucília Viveiros. Contribuição metodológica para a pesquisa historiográfica com os testamentos. Histórica – Revista do Arquivo Público do Estado de São Paulo, São Paulo, v. 1, n. 6, out. 2015.

ARIÈS, Philippe. O homem diante da morte. Trad. Luiza Ribeiro. São Paulo: Unesp, 2014.

CHIACHIRI FILHO, José. Do sertão do rio Pardo à Vila Franca do Imperador. Ribeirão Preto: Ribeira, 1986.

COSTA, Fernando A. Alves da. E quanto valia afinal? O problema dos preços nos inventários post mortem do século XIX. História - Revista On-Line do Arquivo Histórico do Estado de São Paulo, v. 9, n. 60, dez. 2013.

CUNHA, Maísa Faleiros da. Demografia e família escrava, Franca – século XIX. Tese (Doutorado em Demografia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2009.

CUNHA, Maísa Faleiros da. Estudo das migrações internas no Norte Paulista, século XIX. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 19., 2014. Anais... São Paulo: ABEP, 2014.

CUNHA, Maísa Faleiros da. A dinâmica demográfica em Franca-SP, século XIX. Idéias,Campinas, v. 6, n. 1, p. 115-139, jan./jun. 2015a. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649480/16035. Acesso em: mar. 2017.

CUNHA, Maísa Faleiros da. Um Olhar sobre os Registros de Casamento da Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Franca-SP, Século XIX. Dialogus, Ribeirão Preto, v. 11, n. 1 e 2, p. 37-47, 2015b.

CUNHA, Maísa Faleiros da. Nupcialidade da população livre e escrava em uma área de abastecimento interno. Franca-SP, século XIX. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 20., 2016; CONGRESO DE LA ASOCIACIÓN LATINOAMERICANA DE POBLACIÓN, 7. 2016. Anais... São Paulo: ABEP; ALAP, 2016.

DAVES, Alexandre P. Vaidade das vaidades: os homens, a morte e a religião nos testamentos da Comarca do Rio das Mortes (1716-1755). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 1998.

DURÃES, Margarida. “Porque a morte é certa e a hora incerta...” Alguns aspectos dos preparativos da morte e da salvação eterna entre os camponeses bracarenses (sécs. XVIII-XIX). Cadernos do Noroeste, Braga [Portugal], v. 13, n. 2, p. 295-342, 2000. [Sociedade e Cultura 2, Série Sociologia].

FREITAS, Nainôra Maria Barbosa de. O rosário de Maria e as suas irmandades. Segunda Metade do século XVIII. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual Paulista, Franca. 1991.

GUEDES, Sandra Paschoal Leite de Camargo. Atitudes perante a morte em São Paulo (séculos XVII a XIX). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 1986.

LOPES, Luciana Suarez. Relato de pesquisa: a utilização dos inventários post-mortem como fonte de dados. Informações Fipe, São Paulo, p. 53-55, jul. 2015. Disponível em: http://www.fipe.org.br/Content/downloads/publicacoes/bif/2015/bif418-53-55-pesq.pdf. Acesso em: mar. 2017.

MAGALHÃES, Beatriz Ricardina; SILVA, Vera Alice Cardoso. Evolução da economia e da riqueza na Comarca do Rio das Velhas – Capitania de Minas Gerais, 1713-1763. In: SEMINÁRIO SOBRE ECONOMIA MINEIRA, 10., 2002. Diamantina: Cedeplar, 2002.

OLIVEIRA, Lélio Luiz de. Economia e história. Franca, século XIX. Franca: Unesp/FHDSS; Amazonas Prod. Calçados S/A, 1997 (História Local, 7).

OLIVEIRA, Marina Costa de. Dinâmica populacional do Sertão do rio Pardo (1801-1829). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual Paulista, Franca. 2013.

REIS, João José. Fontes para a história da morte na Bahia do século XIX. Caderno CRH, Salvador, v. 4, n.15, p.111-122, jul./dez. 1991a. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/crh/article/view/18829. Acesso em: mar. 2017.

REIS, João José. A morte é uma festa. Ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991b.

RODRIGUES, Cláudia; DILLMANN, Mauro. Desejando pôr a minha alma no caminho da salvação: modelos católicos de testamentos no século XVIII. História Unisinos, São Leopoldo, v. 17, n. 1, p.1-11, jan./abr. 2013. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/view/htu.2013.171.01. Acesso em: mar. 2017.

RODRIGUES, Cláudia. Estratégias para eternidade num contexto de mudanças terrenas: os testadores do Rio de Janeiro e os pedidos de sufrágios no século XVIII. Locus - Revista de História, Juiz de Fora, v. 21, n. 2, p. 251-285, jul./dez. 2015a. Disponível em: https://locus.ufjf.emnuvens.com.br/locus/article/view/2883. Acesso em: mar. 2017.

RODRIGUES, Cláudia. O uso de testamentos nas pesquisas sobre atitudes diante da morte em sociedades católicas de Antigo Regime. In: GUEDES, Roberto; RODRIGUES, Cláudia;

WANDERLEY, Marcelo da Rocha (Orgs.). Últimas vontades. Testamento, sociedade e cultura na América Ibérica, séculos XVII e XVIII. Rio de Janeiro: Mauad X, 2015b. p.17-49.

SILVA, F. L. C. P. A anselmada em Franca, século XIX: entre o conciliador e o quixotesco. Franca: Unesp-FHDSS, 1999.

TEIXEIRA, Heloísa Maria. Entre a escravidão e a liberdade: as alforrias em Mariana-MG no século XIX (1840-1888). Afro-Ásia, Salvador , n. 50, p. 45-92, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0002-05912014000200045&lng=en&nrm=iso. Acesso em: mar. 2017.

VALENTIN, Agnaldo; MOTTA, José Flávio; COSTA, Iraci del Nero da. Distribuição e concentração da riqueza com base em inventários post mortem na presença de casos de riqueza líquida negativa. História, Franca , v. 32, n. 2, p. 139-162, dez. 2013 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: mar. 2017.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

OLIVEIRA, L. L. de. A prestação de contas com a morte: um olhar sobre os testamentos e inventários post-mortem (nordeste paulista, séculos XVIII e XIX). Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 105–122, 2017. DOI: 10.20396/resgate.v25i2.8649575. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8649575. Acesso em: 10 ago. 2022.