Um estudo sobre a população da Capitania do Rio Grande com ênfase na escravidão negra e indígena no contexto da Guerra dos Bárbaros (1681-1714)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v25i2.8649611

Palavras-chave:

Capitania do Rio Grande. População escrava. População indígena. Batismos. Guerra dos Bárbaros.

Resumo

O trabalho pretende analisar alguns dados demográficos sobre a capitania do Rio Grande, na região norte do Estado do Brasil, com base em registros de batismos da Freguesia de Nossa Senhora de Apresentação, contemplando os aldeamentos e algumas capelas rurais, entre os anos de 1681 e 1714, período cujo contexto era conturbado em decorrência da chamada Guerra dos Bárbaros. Os dados mostram algumas características interessantes sobre o perfil daquela população à época. A análise, ancorada na totalidade de batizandos, incluindo livres e escravos, procurará privilegiar os escravos, segmento significativo da sociedade colonial da capitania do Rio Grande. Assim, procurou-se analisar, com base nos registros paroquiais de batismos, os seguintes elementos: distribuição geográfica dos locais de batismos (população total, escravizados negros e indígenas); condição jurídica; distribuição por sexo; razão entre sexos; quantidade de batismos por anos de escravos negros e indígenas; locais de procedência dos escravos de origem africana; e por fim, relações familiares dos escravos negros, no que se refere à categoria de idade (dividido entre crianças, adultos e informações ausentes), e no caso das crianças, o estado civil de suas mães.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayane Julia Carvalho Dias, Universidade Estadual de Campinas

Graduada em história (UFRN), mestre em demografia (UFRN) e doutoranda em demografia (Unicamp). Desenvolve estudos na área de demografia histórica.

Carmen Margarida Oliveira Alveal, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora-adjunta do Departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Possui graduação em História pela Universidade Federal Fluminense (1997), mestrado em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002), tem os títulos de Master of Arts in History (2005) e de PhD, Doctor of Philosophy in History, pela Johns Hopkins University (2007).

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

ALVEAL, Carmen Margarida Oliveira. A Anexação da Capitania do Rio Grande em 1701: Estratégia da coroa ou interesse de grupo da Capitania de Pernambuco? In: CAETANO, Antonio Filipe Pereira (Org.). Dinâmicas Sociais, Políticas e Judiciais na América Lusa: Hierarquias, Poderes e Governo (Século XVI-XIX). Recife: UFPE, 2016. p. 135-158.

ALVEAL, Carmen Margarida Oliveira. Os desafios da governança e as relações de poder na Capitania do Rio Grande na segunda metade do século XVII. In: MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de; SANTOS, Rosenilson da Silva (Orgs.). Capitania do Rio Grande: história e colonização na América Portuguesa. João Pessoa: Ideia; Natal: EDUFRN, 2013. p. 27-44.

ALVEAL, Carmen Margarida Oliveira; SILVA, Tyego Franklin da. Nas ribeiras da discórdia: povoamento, políticas de defesa e conflitos na capitania do Rio Grande (1680-1710). In: POSSAMAI, Paulo (Org.). Conquistar e defender: Portugal, Países Baixos e Brasil. Estudos de História Militar na Idade Moderna. São Leopoldo: Oikos, 2012. p. 235-249.

CASCUDO, Luís da Câmara. História do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura [Serv. de Documentação], 1955.

CASCUDO, Luís da Câmara. Nomes da Terra. Natal: Fundação José Augusto, 1968.

CERQUEIRA, César Augusto.; GIVISIEZ, Gustavo Henrique Naves. Conceitos básicos em demografia e dinâmica demográfica brasileira. In: RIOS-NETO, Eduardo Luiz G.; RIANI, Juliana de Lucena (Orgs.). Introdução à demografia da educação. Campinas: Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2004.

CONSTITUIÇÕES DO ARCEBISPADO DA BAHIA. São Paulo: Typografia 2 de Dezembro, 1853 [1707].

COSTA, Renata Assunção da. “Porta do Céu”: o processo de cristianização da Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação (1681-1714). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. 2015.

DIAS, Patrícia de Oliveira. Onde fica o Sertão rompem-se as águas: processo de territorialização da Ribeira do Apodi-Mossoró (1676-1725). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. 2015.

HEMMING, John. Ouro vermelho. A conquista dos índios brasileiros. São Paulo: Edusp, 2007.

LEMOS, Vicente. Capitães-mores e governadores do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: Tipografia do Jornal do Comércio, 1912.

LOPES, Fátima Martins. Índios, colonos e missionários na colonização da Capitania do Rio Grande do Norte. Mossoró: Fundação Vingt-un Rosado; Natal: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, 2003.

LOPES, Gustavo Acioli. A Fênix e a conjuntura atlântica: açúcar e tráfico de escravos em Pernambuco na segunda metade do século XVII. Portuguese Studies Review, Peterborough (Canadá), v. 1, n. 20, p.1-35, 2012.

LYRA, Augusto Tavares de. História do Rio Grande do Norte. Natal: EDUFRN, 2008.

KÜHN, Fábio. Um olhar sobre o tráfico negreiro para a colônia do Sacramento a partir dos registros paroquiais (1732-1777). In: ENCONTRO ESCRAVIDÃO E LIBERDADE NO BRASIL MERIDIONAL, 7., 2015, Curitiba. Anais... Curitiba: UFPR, 2015. Disponível em: http://www.escravidãoeliberdade.com.br/. Acesso em: 10 jan. 2017.

MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. Populações indígenas no sertão do Rio Grande do Norte: história e mestiçagens. Natal: EDUFRN, 2011.

MACEDO, Helder Alexandre Medeiros de. Outras famílias do seridó: genealogias mestiças no sertão do Rio Grande do Norte (séculos XVIII-XIX). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife. 2013.

MATOSO, Kátia de Queirós. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003 [1982.

MELLO, Evaldo Cabral de. Fronda dos Mazombos. Nobres contra mascates: Pernambuco, 1666-1715. São Paulo: 34, 2003.

MELLO, Evaldo Cabral de. Olinda Restaurada. Guerra e açúcar no Nordeste, 1630-1654. São Paulo: 34, 2007.

MELLO, Evaldo Cabral de. Rubro Veio. O imaginário da restauração pernambucana. São Paulo: Alameda, 2008.

MONTEIRO, John. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MORAIS, Ana Lunara da Silva. Entre veados, carneiros e formigas: conflito pela posse de terra na ribeira do Ceará-Mirim, e concepções de mentalidade possessória, 1725-1761. 2014. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. 2014.

OLIVEIRA, João Pacheco. A viagem de volta: etnicidade política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. Rio de Janeiro: Laced, 2004.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI-XVIII). In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. p. 115-132.

PIRES, Maria Idalina da Cruz. Guerra dos Bárbaros: resistência indígena e conflitos no nordeste colonial. Recife: UFPE, 1990.

PUNTONI, Pedro. A Guerra dos Bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão Nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec, 2000.

ROCHA POMBO. História do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: Editores Annuário do Brasil, 1922.

SCHWARTZ, Stuart. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial (1535-1835). São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SHRYOCK, Henry S.; SIEGEL, Jacob Stuart. The methods and materials of demography. San Diego: Academic Press, 1976.

SCOTT, Ana Silvia Volpi; SCOTT, Dario. Cruzamento Nominativo de Fontes: desafios, problemas e algumas reflexões para a utilização dos registros paroquiais. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS DE POPULAÇÃO, 15., 2006, Caxambu. Anais...Caxambu: ABEP, 2006. p 1-14. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/1669/1630. Acesso em: nov. 2017.

SCOTT, Ana Silvia Volpi; SCOTT, Dario. Análise quantitativa de fontes paroquiais e indicadores sociais através de dados coletados para sociedades do Antigo Regime. Mediações – Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 18, n. 1, p. 106- 124, jan./jul. 2013. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/16474. Acesso em: nov. 2017.

SILVA, Daniel Barros Domingues da; ELTIS, David. The slave trade to Pernambuco, 1561-1851. In: ELTIS, David; RICHARDSON, David (Orgs.). Extending the frontiers: essays on the new Transatlantic Slave Trade Database. New Haven; Londres: Yale University Press, 2008. p. 95-129.

SILVA, Tyego Franklin da. A ribeira da discórdia: terras, homens e relações de poder na territorialização do Assu colonial (1680-1720). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. 2015.

SILVA JÚNIOR, Carlos da. Ardras, minas e jejes, ou escravos de “primeira reputação”: políticas africanas, tráfico negreiro e identidade étnica na Bahia do século XVIII. Almanack, Guarulhos, n. 12, p. 6-33, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alm/n12/2236-4633-alm-12-00006.pdf. Acesso em: nov. 2017.

SLENES, Robert W. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava- Brasil, Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SLENES, Robert; FARIA, Sheila de Castro. Família escrava e trabalho. Revista Tempo, Rio de Janeiro, v. 3, n. 6, dez. 1998. Disponível em: http://www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/artg6-4.pdf. Acesso em: nov. 2017.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. “Instruído na fé, batizado em pé”: batismo de africanos na Sé da Bahia na primeira metade do século XVIII, 1734-1742. Afro-Ásia, Salvador, n. 39, p. 79-113, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/3575/1/AA_39_CELSoares.pdf. Acesso em: nov. 2017.

SOARES, Mariza de Carvalho. Devotos da cor: identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

TAUNAY, Afonso d’Escragnolle. (1930). A guerra dos bárbaros. 2. ed. Mossoró: Fundação Vingt-Un Rosado; ETFRN, 1995

TORRES-LONDOÑO, Fernando. A outra família. Concubinato, Igreja e escândalo na colônia. São Paulo: Loyola, 1999.

TRASLADO do Auto de Repartição de Terras do Rio Grande. Revista do Instituto Historico e Geographico do Rio Grande do Norte, Natal, v. 7, n. 1 e 2, p. 5-131, 1909.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

DIAS, D. J. C.; ALVEAL, C. M. O. Um estudo sobre a população da Capitania do Rio Grande com ênfase na escravidão negra e indígena no contexto da Guerra dos Bárbaros (1681-1714). Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 57–80, 2017. DOI: 10.20396/resgate.v25i2.8649611. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8649611. Acesso em: 5 dez. 2022.