O registro de batismo de ingênuos no Vale do Paraíba paulista (1871-1888)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v25i2.8649636

Palavras-chave:

Batismo de ingênuos. Vale do Paraíba. Lei do Ventre Livre. Economia e demografia da escravidão.

Resumo

Este artigo analisa 3.891 registros de batismos de filhos de escravas pertencentes a proprietários nas localidades de Areias, Lorena, Queluz e Silveiras, todas situadas no Vale do Paraíba paulista, entre 1871 e 1888. Tal investigação retoma estudo anterior que objetivava a análise comparativa de localidades paulistas com inserção econômica distinta e o evolver demográfico da população escrava nos derradeiros anos da escravidão brasileira sob a ótica dos nascimentos ocorridos após a promulgação da Lei do Ventre Livre. Privilegiamos neste estudo localidades adjuntas como estratégia para minimizar a diversidade produtiva e seguimos o recorte metodológico já aplicado: a partir dos dados disponíveis para a população escrava, acompanhamos variáveis como a legitimidade, o intervalo temporal entre o nascimento e o registro e a condição social dos padrinhos. Nossos resultados sugerem a existência de um padrão comum a todas as localidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agnaldo Valentin, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Biologia pela Universidade de São Paulo (1987), graduação em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo (1994), mestrado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (2001) e doutorado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (2006), atuando principalmente em demografia da escravidão e padrões de riqueza no século XIX.

Referências

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Coletorias, Caixa 2.132.

Diocese de Lorena

Paróquia de Areias – Livro de registro de nascimentos dos filhos de escravas nascidos desde 28 de setembro de 1871.

Paróquia de Cunha – Livro de registro de nascimentos dos filhos de escravas nascidos desde 28 de setembro de 1871.

Paróquia de Lorena – Livro de registro de nascimentos dos filhos de escravas nascidos desde 28 de setembro de 1871.

Paróquia de Queluz – Livro de registro de nascimentos dos filhos de escravas nascidos desde 28 de setembro de 1871.

Outras obras e materiais bibliográficos:

ABREU, Martha. Slave mothers and freed children: emancipation and family space in debates on the “Free Womb” Law, Rio de Janeiro, 1871. Journal of Latin American Studies, Cambridge, v. 28, n. 3, p. 567-580, out. 1996. (Brazil: history and Society). https://doi.org/10.1017/S0022216X00023890

BIBLIOTECA NACIONAL. Planta geral da estrada de ferro D. Pedro II: e das outras estradas de ferro das provincias do Rio de Janeiro, S.Paulo e Minas Gerais do Imperio do Brasil. Angelo & Robin, 1879. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart172356/cart172356.htm. Acesso em 11. nov. 2011.

BRASIL. Collecção das leis do Imperio do Brasil de 1871. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1871.

BASSANEZI, Maria Silvia C. Beozzo (Org.). São Paulo do passado: dados demográficos. Campinas: Nepo/Unicamp, 1998. (1 CD-ROM).

CARNEIRO, Marina Braga; CHAGAS, Paula Roberta; NADALIN, Sergio Odilon. Nascer e garantir-se no Reino de Deus; Curitiba, séculos XVIII e XIX. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 361-384, jul./dez. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982010000200008

CHALOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: população (1719-1826). São Paulo: IPE/USP, 1979.

CUNHA, Maisa Faleiros da. Demografia e família escrava. Franca - SP, século XIX. Tese (Doutorado em Demografia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2009.

ENGEMANN, Carlos De laços e nós: constituição e dinâmica de comunidades escravas em grandes plantéis do sudeste brasileiro do Oitocentos. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2006.

GUDEMAN, Stephen; SCHWARTZ, Stuart. B. Cleansing original sin: godparenthood and the baptism of slaves in Eighteenth-century Bahia. In: SMITH, Raymond T. (Org.) Kinship ideology and practice in Latin America. Chapel Hill; London: University of North Carolina Press, 1984. p. 35-58.

GUEDES, Roberto. Parentesco, escravidão e liberdade (Porto Feliz, São Paulo, século XIX). Varia Historia, Belo Horizonte, v. 27, n. 45, p. 233-263, jan./jun. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-87752011000100011.

LUNÉ, Antônio José Batista de; FONSECA, Paulo Delfino da. Almanack da província de São Paulo para o ano de 1873. Ed. facsimilada. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado; Arquivo do Estado de São Paulo, 1985.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Mortalidade e morbidade da cidade do Rio de Janeiro Imperial. Revista de História, São Paulo, n. 127-128, p. 53-68, ago./dez. 1992; jan./jun. 1993.

MARCONDES, Renato Leite. A arte de acumular na economia cafeeira: Vale do Paraíba, século XIX. Lorena: Stiliano, 1998.

MARQUES, Manoel Eufrásio de Azevedo. Apontamentos históricos, geográficos, biográficos, estatísticos e noticiosos da Província de São Paulo, seguidos da cronologia de São Vicente até o ano de 1876. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1980. (Reconquista do Brasil; nova sér.; v. 3-4).

MOTTA, José Flávio. Escravos daqui, dali e de mais além: o tráfico interno de cativos na expansão cafeeira paulista (Areias, Guaratinguetá, Constituição/Piracicaba, e Casa Branca, 1861-1887). Tese (Livre Docência em Economia) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2010.

MOTTA, José Flávio; VALENTIN, Agnaldo. Dinamismo econômico e batismo de ingênuos - a libertação do ventre da escrava em Casa Branca e Iguape, Província de São Paulo (1871-1885). Estudos Econômicos, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 211-234, abr./jun. 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-41612008000200001

PENA, Eduardo Spiller. Pajens da casa imperial: jurisconsultos, escravidão e a lei de 1871. Campinas: Unicamp, 2001.

RIOS, Ana Maria Lugão. The politics of kinship - Compradio among slaves in nineteenth-century Brasil. The history of family [online], v. 5, n. 3, p. 287-298, 2000. https://doi.org/10.1016/S1081-602X(00)00046-4

TEIXEIRA, Heloísa Maria. A não-infância: crianças como mão de obra em Mariana (1850-1900). Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2007.

VENANCIO, Renato Pinto. Famílias abandonadas: assistência a crianças de camadas populares no Rio de Janeiro e em Salvador, séculos XVIII e XIX. Campinas: Papirus, 1999.

WEIGERT, Daniele Compadrio e família escrava em Palmas, província do Paraná (1843-1888). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2010.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

VALENTIN, A. O registro de batismo de ingênuos no Vale do Paraíba paulista (1871-1888). Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 123–144, 2017. DOI: 10.20396/resgate.v25i2.8649636. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8649636. Acesso em: 10 ago. 2022.