Banner Portal
O registro de batismo de ingênuos no Vale do Paraíba paulista (1871-1888)
PDF

Palavras-chave

Batismo de ingênuos. Vale do Paraíba. Lei do Ventre Livre. Economia e demografia da escravidão.

Como Citar

VALENTIN, Agnaldo. O registro de batismo de ingênuos no Vale do Paraíba paulista (1871-1888). Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 25, n. 2, p. 123–144, 2017. DOI: 10.20396/resgate.v25i2.8649636. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8649636. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Este artigo analisa 3.891 registros de batismos de filhos de escravas pertencentes a proprietários nas localidades de Areias, Lorena, Queluz e Silveiras, todas situadas no Vale do Paraíba paulista, entre 1871 e 1888. Tal investigação retoma estudo anterior que objetivava a análise comparativa de localidades paulistas com inserção econômica distinta e o evolver demográfico da população escrava nos derradeiros anos da escravidão brasileira sob a ótica dos nascimentos ocorridos após a promulgação da Lei do Ventre Livre. Privilegiamos neste estudo localidades adjuntas como estratégia para minimizar a diversidade produtiva e seguimos o recorte metodológico já aplicado: a partir dos dados disponíveis para a população escrava, acompanhamos variáveis como a legitimidade, o intervalo temporal entre o nascimento e o registro e a condição social dos padrinhos. Nossos resultados sugerem a existência de um padrão comum a todas as localidades.

https://doi.org/10.20396/resgate.v25i2.8649636
PDF

Referências

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Coletorias, Caixa 2.132.

Diocese de Lorena

Paróquia de Areias – Livro de registro de nascimentos dos filhos de escravas nascidos desde 28 de setembro de 1871.

Paróquia de Cunha – Livro de registro de nascimentos dos filhos de escravas nascidos desde 28 de setembro de 1871.

Paróquia de Lorena – Livro de registro de nascimentos dos filhos de escravas nascidos desde 28 de setembro de 1871.

Paróquia de Queluz – Livro de registro de nascimentos dos filhos de escravas nascidos desde 28 de setembro de 1871.

Outras obras e materiais bibliográficos:

ABREU, Martha. Slave mothers and freed children: emancipation and family space in debates on the “Free Womb” Law, Rio de Janeiro, 1871. Journal of Latin American Studies, Cambridge, v. 28, n. 3, p. 567-580, out. 1996. (Brazil: history and Society). https://doi.org/10.1017/S0022216X00023890

BIBLIOTECA NACIONAL. Planta geral da estrada de ferro D. Pedro II: e das outras estradas de ferro das provincias do Rio de Janeiro, S.Paulo e Minas Gerais do Imperio do Brasil. Angelo & Robin, 1879. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart172356/cart172356.htm. Acesso em 11. nov. 2011.

BRASIL. Collecção das leis do Imperio do Brasil de 1871. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1871.

BASSANEZI, Maria Silvia C. Beozzo (Org.). São Paulo do passado: dados demográficos. Campinas: Nepo/Unicamp, 1998. (1 CD-ROM).

CARNEIRO, Marina Braga; CHAGAS, Paula Roberta; NADALIN, Sergio Odilon. Nascer e garantir-se no Reino de Deus; Curitiba, séculos XVIII e XIX. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 361-384, jul./dez. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982010000200008

CHALOUB, Sidney. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COSTA, Iraci del Nero da. Vila Rica: população (1719-1826). São Paulo: IPE/USP, 1979.

CUNHA, Maisa Faleiros da. Demografia e família escrava. Franca - SP, século XIX. Tese (Doutorado em Demografia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2009.

ENGEMANN, Carlos De laços e nós: constituição e dinâmica de comunidades escravas em grandes plantéis do sudeste brasileiro do Oitocentos. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2006.

GUDEMAN, Stephen; SCHWARTZ, Stuart. B. Cleansing original sin: godparenthood and the baptism of slaves in Eighteenth-century Bahia. In: SMITH, Raymond T. (Org.) Kinship ideology and practice in Latin America. Chapel Hill; London: University of North Carolina Press, 1984. p. 35-58.

GUEDES, Roberto. Parentesco, escravidão e liberdade (Porto Feliz, São Paulo, século XIX). Varia Historia, Belo Horizonte, v. 27, n. 45, p. 233-263, jan./jun. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-87752011000100011.

LUNÉ, Antônio José Batista de; FONSECA, Paulo Delfino da. Almanack da província de São Paulo para o ano de 1873. Ed. facsimilada. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado; Arquivo do Estado de São Paulo, 1985.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Mortalidade e morbidade da cidade do Rio de Janeiro Imperial. Revista de História, São Paulo, n. 127-128, p. 53-68, ago./dez. 1992; jan./jun. 1993.

MARCONDES, Renato Leite. A arte de acumular na economia cafeeira: Vale do Paraíba, século XIX. Lorena: Stiliano, 1998.

MARQUES, Manoel Eufrásio de Azevedo. Apontamentos históricos, geográficos, biográficos, estatísticos e noticiosos da Província de São Paulo, seguidos da cronologia de São Vicente até o ano de 1876. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1980. (Reconquista do Brasil; nova sér.; v. 3-4).

MOTTA, José Flávio. Escravos daqui, dali e de mais além: o tráfico interno de cativos na expansão cafeeira paulista (Areias, Guaratinguetá, Constituição/Piracicaba, e Casa Branca, 1861-1887). Tese (Livre Docência em Economia) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2010.

MOTTA, José Flávio; VALENTIN, Agnaldo. Dinamismo econômico e batismo de ingênuos - a libertação do ventre da escrava em Casa Branca e Iguape, Província de São Paulo (1871-1885). Estudos Econômicos, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 211-234, abr./jun. 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-41612008000200001

PENA, Eduardo Spiller. Pajens da casa imperial: jurisconsultos, escravidão e a lei de 1871. Campinas: Unicamp, 2001.

RIOS, Ana Maria Lugão. The politics of kinship - Compradio among slaves in nineteenth-century Brasil. The history of family [online], v. 5, n. 3, p. 287-298, 2000. https://doi.org/10.1016/S1081-602X(00)00046-4

TEIXEIRA, Heloísa Maria. A não-infância: crianças como mão de obra em Mariana (1850-1900). Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo. 2007.

VENANCIO, Renato Pinto. Famílias abandonadas: assistência a crianças de camadas populares no Rio de Janeiro e em Salvador, séculos XVIII e XIX. Campinas: Papirus, 1999.

WEIGERT, Daniele Compadrio e família escrava em Palmas, província do Paraná (1843-1888). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2010.

O periódico Resgate utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.