A cidade e as escolas

a memória material e o monumento através das escolas Corrêa de Mello e Ferreira Penteado de Campinas na década de 1880

Palavras-chave: Arquitetura escolar, Século XIX, Campinas, Memória, Cidade.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar a construção das escolas Corrêa de Mello e Ferreira Penteado na década de 1880, através do diálogo desses edifícios com a malha urbana de Campinas. Além de prédios escolares, esses colégios se tornaram monumentos para a memória  daqueles que detinham o poder político e econômico na cidade. Ambos os edifícios eram dedicados à educação popular e inseriam-se em Campinas como estratégia para marcar os espaços entre os grupos menos abastados e os mandatários da cidade, levando sua memória para o futuro. Como fontes, são utilizadas fotografias das escolas, plantas arquitetônicas, o mapa da cidade, jornais e almanaques do período. A análise é realizada a partir das lentes da nova história cultural, compreendendo a arquitetura como produtora e produzida do/pelo urbano, sendo os edifícios escolares possuidores de sentidos próprios que se ligam à memória e à cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Munir Abboud Pompeo de Camargo, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. 

Referências

ALMANAK DE CAMPINAS PARA 1871. Campinas: Typ. da Gazeta de Campinas, 1870.

ALMANAK DE CAMPINAS PARA 1872. Campinas: Typ. da Gazeta de Campinas, 1871.

ALMANAK DE CAMPINAS PARA 1873. Campinas: Typ. da Gazeta de Campinas, 1872 ALMANACH POPULAR PARA 1878. Campinas: Typ. da Gazeta de Campinas, 1877.

ALMANACH POPULAR DE CAMPINAS PARA 1879. Campinas: Typ. da Gazeta, 1878.

ALMANACH POPULAR DE CAMPINAS PARA 1881. Campinas: Typ. da Gazeta, 1880.

ALMANACH DO CORREIO DE CAMPINAS PARA 1886. Campinas: Typ. a vapor do Correio de Campinas,

ALMANACH DE CAMPINAS : LITTERARIO E ESTATÍSTICO PARA 1892. São Paulo: Typ. Cordona, 1891.

ALMANACH DE CAMPINAS PARA 1908. São Paulo: typ. Casa Mascote, 1907.

ALMANACH DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO PARA 1883. São Paulo: Tipographia Americana. 1882.

AMARAL, Leopoldo. Campinas em 1901. Campinas: Caza Livro Azul, 1900.

AMARAL, Leopoldo. Campinas: recordações. São Paulo: O Estado, 1927.

ANANIAS, Mauriceia. As escolas para o povo em Campinas: 1860-1889: origens, ideário e contexto. 2000. 141 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/251295/1/Ananias_Mauriceia_M.pdf. Acesso em: 20 maio. 2019.

ANANIAS, Mauriceia. O ensino na segunda metade do século dezenove: a escola Corrêa de Mello de Campinas. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, v. 3, n. 1, p. 85-96, maio 2011.

BACELLAR, Carlos de Almeida Prado. Os senhores da terra: família e sistema sucessório entre os senhores de engenho do oeste paulista, 1765-1855. Campinas: UNICAMP/CMU, 1997.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino. Ide por todo mundo: a província de São Paulo como campo de missão presbiteriana 1869-1892. Campinas: UNICAMP/CMU, 1996.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino; VIÑAO FRAGO, Antônio. (Org). História da Educação, Arquitetura e Espaço Escolar. São Paulo: Cortez, 2005.

FEDATTO, Carolina Padilha. Um saber nas ruas: o discurso histórico sobre a cidade brasileira. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

FERREIRA, Carlos. Escóla Ferreira Penteado. Gazeta de Campinas, Campinas, 19 mai. 1880, p.1.

GALZERANI, Maria Carolina Bovério. O almanach, a locomotiva da cidade moderna: Campinas (SP) décadas de 1870 e 1880. 1998. 348 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

LOBO, Pelágio Alvares. Francisco de Paula Ramos de Azevedo: o campineiro nascido na rua da imperatriz – a família, meninice e a vocação. Correio Paulistano, São Paulo, 09 dez. 1951.

MONTEIRO, Ana Maria Reis de Goes. Ramos de Azevedo: presença e atuação profissional em Campinas. Campinas: UNICAMP/CMU: Arte Escrita, 2009.

MORAES, Carmem Sylvia Vidgal. O ideário republicano e a educação: uma contribuição à história das instituições. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

OLSEN, Bjornar; PÉTURSDÓTTIR, Póra. Ruin Memories: materialities, aesthetics and the archaeology of the recent past. Oxon: Routledge, 2014.

POMPEO DE CAMARGO, Munir Abboud. O contrato e a concepção: arquitetura escolar e grupo mandatário em Campinas 1870 – 1889. 2019. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019a.

POMPEO DE CAMARGO, Munir Abboud. Historiography of school architecture in the state of São Paulo: the nineteenth century amidst history and architecture, Paedagogica Historica, London, v.55, p.70-87, 2019b. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00309230.2018.1546329. Acesso em: 01 junho 2019.

RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. A educação feminina durante o seculo XIX: o Colégio Florence de Campinas: 1863-1889. 1993. 340 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPO-SIP/251211. Acesso em: 10 fev. 2019.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. Famílias, propriedades e transformações na riqueza (1830-1930). In: RIBEIRO, Suzana Barretto (Coord.). Sesmarias, Engenhos e Fazendas; Arraial dos Souzas, Joaquim Egydio, Jaguary: (1792-1930). Campinas: Novo Mundo, 2016.

SALLES, Francisco Jose Monteiro. Joaquim Corrêa de Mello: sua vida e sua obra. Campinas: Academia Campinense de Letras, 1978.

SANTOS, Antonio Quirino dos. Largo do Jorumbeval, Gazeta de Campinas, Campinas, 1 abr. 1879, p.2.

SCHORSKE, Carl E. Viena fin-de-siecle: política e cultura. 2. reimpressão. Campinas: Editora da Unicamp; São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

THEODORO, Janice. São Paulo de Ramos de Azevedo: da cidade colonial à cidade romântica. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v.4, n.1, p.201-208, 1996. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/5341/6871. Acesso em: 20 maio 2019.

Publicado
2019-06-18
Como Citar
Camargo, M. A. P. de. (2019). A cidade e as escolas. Resgate: Revista Interdisciplinar De Cultura, 27(1), 119-136. https://doi.org/10.20396/resgate.v27i1.8654893