Uma moléstia singular

a epidemia de abasia coreiforme em Salvador sob as lentes do contágio por imitação (1882-1890)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v27i2.8656580

Palavras-chave:

Contágio mental, Nina Rodrigues, Itapagipe, Loucura epidêmica.

Resumo

O artigo tem como objetivo investigar a construção do diagnóstico de loucura epidêmica, produzido em torno da epidemia de abasia coreiforme propagada no subúrbio de Itapagipe, em Salvador, no ano de 1882, defendido pelo médico maranhense Raimundo Nina Rodrigues (1862-1906). Tratava-se de uma disfunção cerebral que causava movimentos involuntários nos membros inferiores quando os enfermos andavam em marcha. Seu caráter epidêmico, defendiam os estudos, era atribuído ao contágio por imitação. Com base na metodologia proposta pelo historiador britânico Quentin Skinner, o artigo investiga as intenções e motivações de Nina Rodrigues ao elaborar o diagnóstico da epidemia de coreia centrado em dois eixos determinantes do contágio: o meio social propício e a predisposição dos enfermos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno de Oliveira Mastrantonio, Universidade Federal de São Paulo

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Medicina Preventiva (Saúde Coletiva) da USP.

         

Referências

BRITTO, Alfredo. Contribuição para o estudo da “astasia-abasia” n’este Estado. In: NINA RODRIGUES, Raimundo. As coletividades anormais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1939. p. 232-332.

CONSOLIM, Márcia Cristina. Crítica da razão acadêmica: campo das ciências sociais “livres” e psicologia social francesa no fim do século XIX. 2007. 269 f. Tese (Doutorado em Sociologia)–Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CONSOLIM, Márcia Cristina. Gabriel Tarde e as ciências sociais francesas: afinidades eletivas. Mana, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 269-298, out. 2008.

CORRÊA, Mariza. As ilusões da liberdade: a escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2013.

CORRÊA, Mariza. Os livros esquecidos de Nina Rodrigues. Gazeta Médica da Bahia, Salvador, n. 76, p. 60-62, jun. 2006.

COUTO, José Luís de Almeida et al. Coreomania. Parecer da Comissão Médica, nomeada pela Câmara Municipal, acerca da moléstia que ultimamente apareceu em Itapagipe e que se tem propagado em toda a cidade. In: NINA RODRIGUES, Raimundo. As coletividades anormais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1939. p. 220-231.

LE BON, Gustave. Psicologia das multidões. [S.l]: Edições Roger Delraux, 1980. Disponível em: https://filosoficabiblioteca.files.wordpress.com/2016/03/le-bon-gustave-psicologia-das-multidc3b5es.pdf. Acesso em: 25 ago. 2019.

LE GOFF, Jacques. As doenças têm história. Lisboa: Terramar, 1985.

MAIO, Marcos Chor. A medicina de Nina Rodrigues: análise de uma trajetória científica. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 226-237, abr./jun. 1995.

MONTEIRO, Filipe Pinto. O “racialista vacilante”: Nina Rodrigues sob a luz de seus estudos sobre multidões, religiosidade e antropologia (1880-1906). 2016. 241 f. Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde)–Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2016.

MOTA, André. Tropeços da medicina bandeirante: medicina paulista entre 1892-1920. São Paulo: Edusp, 2005.

NINA RODRIGUES, Raimundo. As coletividades anormais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1939.

ODA, Ana Maria Galdini Raimundo. Sobre o diagnóstico diferencial entre a histeria e a beribéri: as epidemias de caruara no Maranhão e na Bahia, nas décadas de 1870 e 1880. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, ano VI, n. 4, p. 135-144, dez. 2003.

RAMOS, Arthur. Prefácio. In: NINA RODRIGUES, Raimundo. As coletividades anormais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1939. p. 6-21.

SCHRAIBER, Lilia Blima. O médico e seu trabalho: limites da liberdade. São Paulo: Hucitec, 1993.

SKINNER, Quentin. Hobbes e a liberdade republicana. São Paulo: Editora da Unesp, 2010.

SKINNER, Quentin. Motivos, intenções e interpretações. In: SKINNER, Quentin. Visões de política: sobre os métodos históricos. Portugal: DIFEL, 2005. p.127-144.

UMA MOLÉSTIA SINGULAR. Gazeta Médica da Bahia, Salvador, ano XIV, n. 4, p. 190-191, out. 1882.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

MASTRANTONIO, B. de O. . Uma moléstia singular: a epidemia de abasia coreiforme em Salvador sob as lentes do contágio por imitação (1882-1890). Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 109–126, 2019. DOI: 10.20396/resgate.v27i2.8656580. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8656580. Acesso em: 1 dez. 2021.