A memória de Bento Cego e as motivações do movimento paranista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v29i1.8661561

Palavras-chave:

História musical, Antonina-PR, Bento Cego, Paranismo

Resumo

Bento Cego foi um trovador nascido no litoral do estado do Paraná, cuja vida e produção cultural recortaram a segunda metade do século XIX. Registros históricos datados do início do século XX mostram uma primeira tentativa de registro e enaltecimento de seu trabalho de trovador, circunscrito aos primeiros passos do chamado movimento paranista. Neste trabalho, procuramos revisitar esses registros e apresentar novos elementos sobre a discussão da relação entre Bento Cego e o movimento paranista. A metodologia consistiu na discussão e revisão de registros históricos escritos e revisões bibliográficas interligadas. Destas análises, nota-se a apresentação da figura histórica de Bento Cego comparada ao poeta grego Homero e evidenciam-se as motivações que resultaram na criação do movimento paranista

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Chiarelli, Instituto Federal do Paraná

Doutorado em Tecnologia e Sociedade na Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Professor do Instituto Federal do Paraná. 

Leandro Gumboski, Universidade de São Paulo

Doutorando em Musicologia na Universidade de São Paulo. Professor do Instituto Federal do Paraná.

 

 

Referências

ALMEIDA, Vasti de Sousa. Brazílio Itiberê da Cunha: diplomata músico. Curitiba: Editora da UFPR, 2001.

BATISTELLA, Alessandro. O paranismo e a invenção da identidade paranaense. Revista História em Reflexão, Dourados, v. 6, n. 11, p. 1-13, jan./jun. 2012. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/historiaemreflexao/article/view/1874. Acesso em: 15 ago. 2020.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4214438/mod_resource/content/1/BOSI%2C%20E.%20Mem%C3%B3ria%20e%20sociedade.%20Introdu%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 22 mar. 2021.

BURKE, Peter. Variedades de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

CASTRO, Nestor de. Bento Cego. Turris Ebúrnea – Revista de arte, Curitiba, ano I, n.1, p. 14-15, nov. 1900.

CASTRO, Nestor de. FOLK-LORE paranaense: Bento Cego. Illustração Paranaense, Curitiba, ano III, n.3, p. 42, 1929. 1 ilustração. Disponível em:

http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=171689&pasta=ano%20193&pesq=bento%20cego&pagfis=1913. Acesso em: 06 abr. 2020

CASTRO, Nestor de. Obras. Curitiba: GERPA, 1944.

D’ANGOUR, Armand. The Greeks and the new: Novelty in Ancient Greek imagination and experience. Cambridge: Cambridge University Press, 2011.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2012.

GARCEZ, Lucília; OLIVEIRA, Jô. Explicando a arte brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

GRAZIOSI, Barbara. Inventing homer: The early reception of epic. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2003.

HOBSBAWN, Eric John Ernest. A era das revoluções. São Paulo: Paz e Terra, 2009a.

HOBSBAWN, Eric John Ernest. A era do capital. São Paulo: Paz e Terra, 2009b.

HOBSBAWN, Eric John Ernest. A era dos impérios. São Paulo: Paz e Terra, 2009c.

IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Dossiê de Registro do Fandango Caiçara. Ministério da Cultura/IPHAN: 2011. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Dossi%C3%AA%20Fandango%20Caicara.pdf. Acesso em: 22 ago. 2020.

LAONIKOS, Psimikakis-Chalkokondylis (Ed.). Σεικίλου Σκόλιον – Skolion of Seikilos. Laonikos, 2009. 1 partitura fac-símile e transcrição em notação moderna.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

LEÃO, Ermelino de. Bento Cego – O Homero paranaense. Illustração Paranaense, Curitiba, ano IV, n. 5, abr. 1930.

LEÃO, Geraldo. V. de Camargo. Paranismo: arte, ideologia e relações sociais no Paraná. 2007. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007. Disponível em: http://www.poshistoria.ufpr.br/documentos/2007/Geraldoleaoveigadecamargo.pdf. Acesso em: 18 ago. 2020.

MAKOWIECKY, Sandra.; BUENO, Luciana Estevam Barone. O impacto da alfabetização visual paranista respondendo ao ideal-republicano. Revista da Pesquisa & Pós-Graduação, Florianópolis, v. 3, n. 5, p. 1-9, ago. 2008. Disponível em: http://www1.udesc.br/arquivos/portal_antigo/Seminario18/18SIC/PDF/079_Sandra_Makowiecky.pdf. Acesso em: 23 ago. 2020.

MEDEIROS, Alan Rafael; CARLINI, Álvaro. Espaços de sociabilidades no âmbito cultural curitibano: a atuação da SCABI (1944-1976) na consolidação da plateia em música erudita ao longo da década de 1940. Revista Científica FAP, Curitiba, v. 7, p. 167-190, jan./jun. 2011. Disponível em: http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/1534. Acesso em: 09 ago. 2020.

MORRETES, Frederico Lange de. O pinheiro na arte. Revista Ilustração Brasileira, Rio de Janeiro, ano 44, n. 224, p. 170-171, 1953. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/107468/per107468_1953_00224.pdf. Acesso em: 16 ago. 2020.

MORRETES, Frederico Lange de. Pinhão geométrico. In: HOERNER JUNIOR, Valerio. Luís Pilotto: talentos, pinheirismo, emoção e querência. Curitiba: Champagnat, 1992.

PINTO, Inami Custódio. Folclore no Paraná. 2. ed. Curitiba: SEED – PR, 2010.

POMBO, José Francisco Rocha. O Paraná no centenário. Rio de Janeiro: José Olympio; Curitiba: Secretaria da Cultura e do Esporte do Estado do Paraná, 1980.

SALTURI, Luis Afonso. Paranismo, movimento artístico do sul do Brasil no início do século XIX. Revista de Recerca i Formació en Antropologia - Perifèria, v. 11, n. 2, p. 1-22, mar. 2009. Disponível em: https://revistes.uab.cat/periferia/article/view/v11-n2-salturi. Acesso em: 25 ago. 2020.

SANTOS, Antônio Vieira dos. Cifras de música para Saltério: estudo e transcrições musicais. Edição: Rogério Budasz. Curitiba: Editora da UFPR, 2002.

STECA, Lucinéia Cunha; FLORES, Mariléia Dias. História do Paraná: do século XVI à década de 1950. Londrina: EDUEL, 2002.

TURIN, João. Obras em espaços públicos. 1 sítio eletrônico. Disponível em: http://joaoturin.com.br/turin_arq_obras/. Acesso em: 06 abr. 2020.

WACHOWICZ, Ruy Christovam. História do Paraná. 7. ed. Curitiba: Vicentina, 1995.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

CHIARELLI, A.; GUMBOSKI, L. A memória de Bento Cego e as motivações do movimento paranista. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 29, n. 1, p. e021007 , 2021. DOI: 10.20396/resgate.v29i1.8661561. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8661561. Acesso em: 17 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos e Ensaios