Da elitização à popularização

percurso histórico do Colégio Universitário da UFMA (1968-2006)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v29i1.8663585

Palavras-chave:

Colégio Universitário, Elitização, Popularização, Cultura escolar

Resumo

Discute-se o lugar do Colégio Universitário da Universidade Federal do Maranhão no contexto de expansão educacional em São Luís, analisando-se condicionantes que movimentaram polarizações na sua trajetória: elitização/popularização. Avalia-se em que medida as tensões entre a cultura imposta via Colégio, como instituição de ensino secundário, e uma cultura local/bairro manifesta em práticas singulares, podem ter influenciado no papel, projeção e consolidação do Colun depois de reestruturado como Colégio de Aplicação na periferia são-luisense. Utilizam-se informações garimpadas em jornais locais, leis, arquivo escolar e entrevistas, que foram cruzadas, analisadas e interpretadas à luz dos pressupostos teórico-metodológicos da História Cultural. Conclui-se que o embate entre culturas (escolar e local) contribuíram para disseminar o ensino médio ao popularizar-se seu acesso, permanência e formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Raimundo de Oliveira, Universidade Federal do Maranhão

Mestre em Educação da Universidade Federal do Maranhão (membro do Núcleo de Estudos e Documentação em História da Educação e das Práticas Leitoras). Técnico em assuntos educacionais da Universidade Federal do Maranhão (Maranhão - Brasil).

Samuel Luís Velázquez Castellanos, Universidade Federal do Maranhão

Doutor em Educação Escolar na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Pós-Doutor em Educação pelo Centre d´Histoire Culturalle des Sociétés Contemporaines da Université de Versailles - França. Pós-Doutor em Educação pela Universidade Federal de São Paulo. Professor Adjunto do Departamento de Educação da Universidade Federal do Maranhão (Maranhão - Brasil).

Referências

BRASIL. Decreto-Lei n. 9.053, de 12 de março de 1946. Cria um ginásio de aplicação nas Faculdades de Filosofia do País. In: Coleção de Leis da República, v. 1, jan./mar. 1946. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1946. p. 520-521.

BRASIL. Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. In: Coleção de Leis da República. v. 7, out./dez. 1961. Brasília: Imprensa Nacional, 1961. p. 51-66.

BRASIL. Lei n. 5692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º. e 2º. graus, e dá outras providências. In: Coleção de Leis da República. v. 5, jul./set. 1971. Brasília: Imprensa Nacional, 1971. p. 59-68.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação. Brasília: Ministério da Educação, 1998.

CASTELLANOS, Samuel Luis Velázquez. A cultura material escolar na instrução primária no Maranhão oitocentista. Educar em Revista, Curitiba, v. 36, p. 1-22, ago. 2020. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/71156/41488. Acesso em: 14 ago. 2020.

CASTELLANOS, Samuel Luis Velázquez. A instrução da criança desvalida no Maranhão oitocentista. Perspectiva, Florianópolis, v. 37, n. 3, p. 791-815, jul./set. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2019.e61993/pdf. Acesso em: 15 out. 2020.

CASTELLANOS, Samuel Luis Velázquez. Práticas de leitura no Maranhão na Primeira República: entre apropriações e representações. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2007.

CASTELLANOS, Samuel Luis Velázquez. Práticas leitoras no Maranhão na Primeira República: entre apropriações e representações. São Luís: EDUFMA, 2010.

CASTRO, César Augusto; FURTADO, Luciana Nathalia; CASTELLANOS, Samuel Luis Velázquez. Os jornais dos alunos do Liceu Maranhense (1907-1930). Revista FAEEBA –Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 29, n. 59, p. 144-161, jul./set. 2020. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8334/6961. Acesso em: 08 nov. 2020.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. v. 1. 18. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. 2. ed. Lisboa: Difel, 1988.

CHARTIER, Roger. El mundo como representação: estúdios sobre história cultural. 6. ed. Barcelona: Editorial Gedisa, 2005.

COLÉGIO REESTRUTURADO. Jornal de Hoje, São Luís, p. 3, 11 jul. 1983.

COLÉGIO UNIVERSITÁRIO será reestruturado. O Estado do Maranhão, São Luís, p. 7, 03 maio 1980.

COLUN PEDE socorro. Boletim Apruma Informa, São Luís, p. 9, dez. 1999.

COLUN. Projeto Colégio Universitário: experiência pedagógica. São Luís: Colun, 1985.

COLUN. Projeto de Reestruturação do Colégio Universitário. São Luís: Colun, 1980.

COLUN. Projeto Político Pedagógico. São Luís: Colun, 1994.

COLUN. Projeto Pré-Escolar Comunitário. São Luís: Colun, 1983.

COLUN. Regimento interno do Colégio Universitário. São Luís: Colun, 1972.

COLUN. Regimento interno do Colégio Universitário. São Luís: Colun, 1988.

COLUN. Relatório de atividades do Colégio Universitário. São Luís: Colun, 1990.

COLUN. Relatório de atividades do Colégio Universitário. São Luís: Colun, 1991.

COLUN. Relatório de atividades do Colégio Universitário. São Luís: Colun, 1992.

DALLABRIDA, Norberto. A Reforma Francisco Campos e a modernização nacionalizada do ensino secundário. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 2, p. 185-191, maio/ago. 2009. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/5520/4015. Acesso em: 10 abr. 2019.

DALLABRIDA, Norberto; VIEIRA, Letícia. O subcampo do ensino secundário em Santa Catarina (1942-1961). Revista FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 29, n. 59, p. 30-42, jul./set. 2020. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8321/6957. Acesso em: 08 dez. 2020.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Instrução elementar no século XIX. In: LOPES, Eliana Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes de; VEIGA, Cynthia Greive (Orgs.). 500 anos de educação no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 135-149.

FARIA, Regina Helena Martins de; MONTENEGRO, Antônio Torres. Memória de professores: histórias da UFMA e outras histórias. São Luís: EDUFMA, 2005.

FERREIRA, Ana Luiza Nazareno. [Entrevista cedida a] Wilson Raimundo de Oliveira e Samuel Luís Velázquez Castellanos. São Luís, 04 ago. 2019.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FRANCO, Maria Amélia do Rosário Santoro. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 97, n. 247, p. 534-551, set./dez. 2016. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/13038/8652. Acesso em: 02 mar. 2019.

GARCIA, Fernando Antônio Santos. [Entrevista cedida a] Wilson Raimundo de Oliveira e Samuel Luís Velázquez Castellanos. São Luís, 24 ago. 2019.

GATTI, Giseli Cristina do Vale; GATTI JÚNIOR, Décio. A expansão do ensino secundário em Minas Gerais: estatísticas, legislação e historiografia (1942-1961). Revista FAEEBA –Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 29, n. 59, p. 228-257, jul./set. 2020. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8253/6966. Acesso em: 08 nov. 2020.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 1, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38749/20279. Acesso em: 03 fev. 2019.

KREUTZ, Arno. Projeto João de Barro: uma experiência oficial de educação popular no Maranhão. 1982. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Estudos Avançados em Educação, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1982.

LOBATO APONTA causas da falência do 2º. grau. O Imparcial, São Luís, p. 7, 11 jan. 1980.

MAGALHÃES, Justino. Tecendo nexos: história das instituições educativas. Bragança Paulista: EDUSF, 2004.

MICELI, Sérgio. Introdução: a força do sentido. In: BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007. p. VII-LXI.

NASCIMENTO, Elizânia Sousa do. Desbravando inteligências para o desenvolvimento: o projeto bandeirante e a expansão do ensino secundário no Maranhão. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Teresina, 2013.

NEWTON, Isaac. [Entrevista cedida a] Wilson Raimundo de Oliveira e Samuel Luís Velázquez Castellanos. São Luís, 06 out. 2019.

NOTA. Jornal de Bolso, São Luís, p. 6, 25 maio 1968.

O PROBLEMA habitacional de São Luís. O Imparcial, São Luís, p. 4, 21 jan. 1968.

OS RUMOS da educação no estado do Maranhão. O Imparcial, São Luís, p. 4, 23 mar. 1971.

PEDROSA, José Geraldo; BITENCOURT JÚNIOR, Nilton Ferreira. Americanismo e educação para o trabalho no Brasil (1971-1974). Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 24, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9408/6702. Acesso em: 15 dez. 2019.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

PEREIRA, Camila Fernanda Pena. [Entrevista cedida a] Wilson Raimundo de Oliveira e Samuel Luís Velázquez Castellanos. São Luís, 05 out. 2019.

PINTO, Maria Núbia Bonfim. Do velho ao novo: política e educação no Maranhão. 1982. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Estudos Avançados em Educação, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1982.

REIS, Luzia da Conceição Azevedo. [Entrevista cedida a] Wilson Raimundo de Oliveira e Samuel Luís Velázquez Castellanos. São Luís, 21 set. 2019.

SANTOS, Kalline Laira Lima dos; CHALOBA, Rosa Fátima de Souza. A expansão do ensino secundário em Pernambuco: a interiorização dos ginásios oficiais (1948-1963). Revista FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 29, n. 59, p. 195-211, jul./set. 2020. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8290/6964. Acesso em: 08 nov. 2020.

SAVIANI, Dermeval. A expansão do ensino superior no Brasil: mudanças e continuidades. Poiésis Pedagógica, Catalão, v. 8, n. 2, p. 4-17, ago./dez. 2010. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/14035/8876. Acesso em: 25 jan. 2019.

SILVA, Diana Rocha da. A institucionalização dos grupos escolares no Maranhão (1903-1920). São Luís: Eduema, 2015.

SILVA, Maria do Socorro Moura da. Escola e comunidade: estudo das relações. São Luís: UFMA, 1987.

SOUZA, Nadjelena de Araújo. De centro interescolar a Escola Técnica Estadual do Maranhão Dr. João Bacelar Portela: história e memória de uma instituição escolar (1980-1996). 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SOUZA, Rosa de Fátima. A escola modelar da República e a escolarização da infância no Brasil: reflexões sobre uma investigação comparada em âmbito nacional. In: SOUZA, Rosa Fátima de; SILVA, Vera Lucia Gaspar da; SÁ, Elizabeth Figueiredo de. Por uma teoria e uma história da escola primária no Brasil. Cuiabá: Edufmt, 2013. p. 19-57.

VIDAL, Diana Gonçalves. Cultura e práticas escolares: a escola pública brasileira como objeto de pesquisa. Historia de la educación, v. 25, p. 153-171, 2006. Disponível em: https://revistas.usal.es/index.php/0212-0267/article/view/11177/pdf_6. Acesso em: 14 set. 2019.

VINCENT, Guy; LAHIRE, Bernard; THIN, Daniel. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 7-47, jun. 2001. Disponível em: http://www.guyvincent.fr/wp-content/uploads/2019/04/78-Sobre-a-historia-e-a-teoria-da-forma-escolar.pdf. Acesso em: 15 ago. 2019.

Downloads

Publicado

2021-09-17

Como Citar

OLIVEIRA, W. R. de; VELÁZQUEZ CASTELLANOS, S. L. Da elitização à popularização: percurso histórico do Colégio Universitário da UFMA (1968-2006) . Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e021012, 2021. DOI: 10.20396/resgate.v29i1.8663585. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8663585. Acesso em: 5 dez. 2021.