As charges da revista intervalo

humor e TV dos anos 1960

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/resgate.v29i00.8665838

Palavras-chave:

Charges, Tv, Anos 1960, Humor, Revista intervalo

Resumo

O surgimento da televisão no Brasil, em 1950, trouxe novos hábitos culturais e de consumo de conteúdos midiáticos para o cotidiano das pessoas. Na década de 1960, esses hábitos começaram a ser consolidados, principalmente em virtude do desenvolvimento da cultura de massa e indústria do entretenimento brasileiro. É nesse período que surgem as primeiras revistas especializadas em TV no Brasil, que apresentavam e comentavam a programação televisiva. O presente trabalho analisa as seções de humor da revista Intervalo (1963-1972), da Editora Abril, uma das mais conhecidas publicações brasileiras das décadas de 1960 e 1970 sobre TV. Tendo como base teórica a perspectiva de Mikhail Bakhtin e aspectos da cultura nos anos 1960 no Brasil, busca-se compreender como, através das charges, o semanário apresentou o mundo da TV aos seus leitores de forma leve e divertida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosali Maria Nunes Henriques, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutorado em Memória Social na Universidade Nova de Lisboa e Doutorado em Memória Social na Universidade Federal do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro, RJ - Brasil). Professora na Universidade Federal de Juiz de Fora (Juiz de Fora, MG - Brasil).

Talita Souza Magnolo, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora (Juiz de Fora, MG - Brasil). Membro da Comissão de Audiovisual da Universidade Federal de Juiz de Fora (Juiz de Fora, MG - Brasil).

 

Referências

ALI, Fátima. A arte de editar revistas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009.

AMORIM, Marília. Cronotopo e exotopia. In: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2008. p. 95-113.

BAKHTIN, Mikhail; VOLOCHÍNOV. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2010a.

BAKHTIN, Mikhail; VOLOCHÍNOV. Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo: WMF; Martins Fontes, 2010b.

BARBOSA, Marialva. História da comunicação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2013.

BARBOSA, Marialva. Comunicação e método: cenários e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: Mauad X, 2020.

BERGAMO, Alexandre. A reconfiguração do público. In: RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor; ROXO, Marco (Orgs.). História da televisão no Brasil: do início aos dias de hoje. São Paulo: Contexto, 2010.

CALADO, Carlos. Tropicália: a história de uma revolução musical. São Paulo: Editora 34, 1997.

CARNEIRO, Glauco Moreira. O Tropicalismo: cultura de massa na década que não acabou. Rio de Janeiro: Sinergia, 2013.

CASTRO, Laís de. [Entrevista cedida a] Talita Souza Magnolo. São Paulo, 13 maio 2017.

CAVALCANTI, Maria Claro Catanho. Multimodalidade e argumentação na charge. 2008. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7504. Acesso em: 25 maio 2021.

CORRÊA, Thomaz Souto. [Entrevista cedida a] Talita Souza Magnolo. São Paulo, 23 fev. 2017.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FIGUEROLA, Jaime. [Entrevista cedida a] Talita Souza Magnolo. São Paulo, 10 maio 2017.

GRAÇA, Milton Coelho da. [Entrevista cedida a] Talita Souza Magnolo. Rio de Janeiro, 14 mar. 2017.

HOINEFF, Nelson. A nova televisão: desmassificação e o impasse das grandes redes. Rio de Janeiro: Comunicação Alternativa, 1996.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde – 1960/70. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

HOUAISS, Antônio. Charge. Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

INTERVALO. Intervalo, Rio de Janeiro, n. 5, p.5, 1963. Acervo da Biblioteca Nacional Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 25 maio 2021.

INTERVALO. Intervalo, Rio de Janeiro, n. 6, p.10, 1963. Acervo da Biblioteca Nacional Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 25 maio 2021.

INTERVALO. Intervalo, Rio de Janeiro, n. 51, p.20, 1964. Acervo da Biblioteca Nacional Digital.. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 25 maio 2021.

INTERVALO. Intervalo, Rio de Janeiro, n. 63, p.14, 1964. Acervo da Biblioteca Nacional Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 25 maio 2021.

INTERVALO. Intervalo, Rio de Janeiro, n. 64, p.27, 1964. Acervo da Biblioteca Nacional Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 25 maio 2021.

INTERVALO. Intervalo, Rio de Janeiro, n.406, p.2, 1970. Acervo da Biblioteca Nacional Digital. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 25 maio 2021.

MAGNOLO, Talita Souza. A construção narrativa do Festival de MPB de 1967 nas páginas da revista “Intervalo”. 2018. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/6634. Acesso em: 24 set. 2021.

MARCUSCHI, Luís Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARTÍN-BARBERO, Jesús; REY, Germán. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e

ficção televisiva. São Paulo: Senac, 2001.

MATTOS, Sérgio Augusto Soares. História da televisão brasileira: uma visão econômica, social e política. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). São Paulo: Annablume, 2001.

O ABC da TV. Revista Intervalo, Rio de Janeiro, p. 20, 24 set. 2021. Disponível em: https://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/. Acesso em: 24 set. 2021.

RAMOS, José Mário Ortiz; BORELLI, Silvia Helena Simões Borelli. A telenovela diária. In: ORTIZ, Renato Ortiz; BORELLI, Silvia Helena Simões; RAMOS, José Mario Ortiz (Orgs.). Telenovela: história e produção. São Paulo: Brasiliense, 1989.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor; ROXO, Marco. História da televisão no Brasil: do início aos dias de hoje. São Paulo: Contexto, 2010.

SIMÕES, Inimá Ferreira. TV à Chateaubriand. In: COSTA, Alcir Henrique da; SIMÕES, Inimá Ferreira; KEHL, Maria Rita (Orgs.). Um país no ar. São Paulo: Brasiliense, 1986.

SOUZA, José Carlos Aronchi de. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus Editorial, 2004.

TAVARES, Frederico de Mello Brandão; SCHWAAB, Reges. A revista e seu jornalismo. Porto Alegre: Penso, 2013.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

HENRIQUES, R. M. N.; MAGNOLO, T. S. As charges da revista intervalo: humor e TV dos anos 1960. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e021029, 2021. DOI: 10.20396/resgate.v29i00.8665838. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8665838. Acesso em: 8 ago. 2022.