Banner Portal
Intersexualidade e educação física: análise do conhecimento e das experiências de docentes do ensino superior
Capa: Lygia Eluf (sem título, série Desenhos da Quarentena, técnica: nanquim/papel, 35x15cm, 2020) e Carlos Lamari.
PDF

Palavras-chave

Gênero
Sexualidade
Educação Física
Corpo humano

Como Citar

ALMEIDA SILVA SOARES, Raphael; FIGUEIREDO DA SILVA, Carlos Alberto; TORRES COELHO , Rafael. Intersexualidade e educação física: análise do conhecimento e das experiências de docentes do ensino superior. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e022014, 2023. DOI: 10.20396/resgate.v30i00.8666286. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8666286. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

Enfrentando invisibilidade, silenciamento e discriminação, pessoas intersexuais possuem marcadores biológicos que tangenciam ambos os sexos. O presente estudo buscou analisar a percepção de docentes do curso de Educação Física para estabelecer as primeiras aproximações do assunto sobre a ótica dessa área de conhecimento. Os achados sugerem que muitas das situações estigmatizantes encontradas no seio da sociedade heteronormativa são reverberadas e afirmadas por situações vivenciadas pelos docentes em suas práticas educativas. Aproximadamente 50% acreditam ser pertinente discutir questões de gênero e intersexualidade no currículo da formação do professor de educação física. Por outro lado, o mesmo percentual considera que o nome/sexo de registro deve ser fator decisivo para situações normativas da sociedade, como por exemplo, a utilização de banheiros.

https://doi.org/10.20396/resgate.v30i00.8666286
PDF

Referências

AINSWORTH, C. Sex redefined. Nature, Londres, v. 518, n. 7539, p. 288-291, fev. 2015.

BALTES-LÖHR, C. What are we speaking about when we speak about gender? Gender as a continuum. Cultural and Religious Studies, New York, v. 6, n. 1, p. 1-32, jan. 2018.

BANDEIRA , J. E. M. et al., Mulheres XY e a síndrome de insensibilidade aos andrógenos. Revista Educação em Saúde, Anápolis, v. 3, n. 1, p. 115-117, jul. 2015.

BARROS, I. G. Intersexualidade – Retificação de Registro Civil – Quesitos da Curadoria de Família. Justitia, São Paulo, v. 52, n. 150, p. 12-20, abr./jun. 1990.

BIANCO, B.; CHRISTOFOLINI, D. M.; GHERSEL, F. R.; GAVA, M. M.; BARBOSA, C. P. Distúrbio da diferenciação sexual testicular XX: relato de caso. Einstein, São Paulo, v. 9, n. 3, p. 394-396, set. 2011.

BRANDÃO, E. R; ALZUGUIR, F. V. A importância do ensino sobre gênero na graduação em Saúde Coletiva: uma interseção necessária. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 67-79, abr./jun. 2019.

CANGUÇÚ-CAMPINHO, A. K. F. Aspectos da construção da maternidade em mulheres com filhos intersexuais. 2008. Dissertação (Mestrado em Saúde Comunitária) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

CANGUÇÚ-CAMPINHO, A. K.; BASTOS, C. D. S. B.; LIMA, I. M. S. O. O discurso biomédico e o da construção social na pesquisa sobre intersexualidade. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, p. 1145-1164, ago. 2009.

COELHO, R. T. et al., Atletas Transgêneros: tabu, representatividade, minorias e ciências do esporte. Revista de Trabalhos Acadêmicos UNIVERSO, São Gonçalo, v. 3. n. 5, p. 29-58, 2018.

DABHOLKAR, S. A need to intercede? The International Olympic Committee and intersexuality. The international Sports Law Journal, The Netherlands, v. 13, n. 1-2, p. 55-59, abr. 2013.

DAMIANI, D. et al., Homem XX: relato de três casos na faixa etária pediátrica. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 49, n. 1, p. 79-82, fev. 2005.

DAOLIO, J.; VELOZO, E. L. A Técnica Esportiva Como Construção Cutural: Implicações Para a Pedagogia do Esporte. Pensar a Prática, Goiânia, v. 11, n. 1, p. 9-16, jan./jul. 2008.

DAUDER, S. G. Las fronteras del sexo en el deporte: tecnologías, cuerpos sexuados y diferencias. Revista Interdisciplinar Interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 1-19, jul./dez. 2011.

DEVIDE, F. P. et al., Estudos de gênero na Educação Física Brasileira. Motriz, Rio Claro, 17, n. 1, p. 93-103, jan./mar. 2011.

DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS, Produções. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. CEP, Paraná, v. 85012, p. 213, 2013. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_unicentro_port_pdp_serli_rech_moleta.pdf. Acesso em: jun. 2019.

DOMENICE, S. et al. Aspectos moleculares da determinação e diferenciação sexual. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 46, n. 4, p. 433-443, ago. 2002.

DREGER, A. D. et al. Changing the nomenclature/taxonomy for intersex: a scientific and clinical rationale. Journal of Pediatric Endocrinology & Metabolism, Chicago, v. 18, p. 729-733, 2005.

ELSAS, L. J. et al. Gender Verification of female athletes. Genetics in Medicine, LOCAL? v. 2. n. 4, p. 249-254, jul./ago. 2000.

FARIA, B. S. et al. Síndrome de insensibilidade completa aos androgénios – caso clínico. Acta Obstétrica e Ginecológica Portuguesa. Coimbra, v. 9, n. 1, p. 73-75, 2015.

GAUDENZI, P. Intersexualidade: entre saberes e intervenções. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 1, fev. 2018.

GUIMARÃES, A. Bioética e intersexualidade: algumas reflexões. Revista Redbioética/UNESCO, Montevideo, v. 1, n. 7, p. 45-56, jun. 2013.

HARPER, J. et al. The fluidity of gender and implications for the Biology of inclusion for transgender and intersex athletes. Current Sports Medicine Reports, Indianapolis, American College of Sport Medicine (ACSM), v. 17, n. 12, p. 467-472, dez. 2018.

JANUÁRIO, M. S. Identidade de gênero e orientação sexual na escola: um olhar para as diferenças. In: Produções Didático-Pedagógicas. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE. Cadernos PDE, Umuarama, v. 2, p. 40, 2013. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_fecilcam_hist_pdp_marlene_de_sa_januario.pdf. Acesso em: jun. 2019.

LIMA, S. A. M. D.; MACHADO, P.; PEREIRA, P. P. G. (Des)encontros no hospital: itinerário terapêutico de uma experiência intersexo. Cadernos Pagu, Campinas, n. 49, p. 30, abr. 2017.

LONGMAN, J; MACUR, J. Quem é mulher para o esporte? Tribunal pode ter banido duas medalhistas olímpicas. O Globo. 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/celina/quem-mulher-para-esporte-tribunal-pode-ter-banido-duas-medalhistas-olimpicas-23636603. Acesso em: 26 maio 2019.

MACKENZIE, D.; HUNTINGTON, A.; GILMOUR, J. A. The experiences of people with an intersex condition: a journey from silence to voice. Journal of Clinical Nursing, Oxford, p. 1775-1783, set. 2009.

MAIA, F. F. R. et al. Diagnóstico tardio da Síndrome de Klinefelter - relato de caso. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 306-309. jun. 2002.

MELO, K. F. S. et al. Síndrome de Insensibilidade aos Andrógenos: análise clínica, hormonal e molecular de 33 casos. Arquivos de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 49, n. 1, p. 87-97, fev. 2005.

MIANO, P. Intersex condition and the construction of gender identity. International Journal of Humanities and Cultural Studies, Tunisia, v. 2, n. 3, p. 586-598, dez. 2015.

OLIVEIRA, J. F. Z. C. D.; PORTO, T. C. A transfobia e a negação de direitos socias: a luta de travestis e transexuais pelo acesso à educação. Anais do Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião, São Leopoldo, v. 4, p. 322-336, 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. O que são 'Intersex'? 2018. Disponível em: https://www.unfe.org/wp-content/uploads/2018/10/Intersex-PT.pdf. Acesso em: maio 2019.

PIRES, B. G. As políticas de verificação de sexo/gênero no esporte: Intersexualidade, doping, protocolos e resoluções. Sexualidad, Salud y Sociedad – Revista Latinoamericana, Rio de Janeiro, n. 24, p. 215-239, dez. 2016.

PIRES, B. G. DES-FAZER DE CORPOS: UMA HISTÓRIA SOBRE BEM-ESTAR, SOFRIMENTO E INTERSEXUALIDADE. Vivência: Revista de Antropologia, Natal, v. 1, n. 48, p. 13-24, mar. 2016.

REARDON, S. The spectrum of sex development: Eric Vilain and the intersex controversy. Nature, Londres, v. 533, n. 7602, p. 160-163, 10 maio 2016.

RITCHIE, R.; REYNARD, J.; LEWIS, T. Intersex and the Olympic Games. Journal of the Royal Society of Medicine, London, v. 101, n. 8, p. 395-399, ago. 2008.

ROWLANDS, S.; AMY, J.-J. Preserving the reproductive potential of transgender and intersex people. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care, Paris, v. 23, p. 58-63, Jan. 2018.

SANTOS, A. Corpos transviados, corpos falhados: a arte queer do fracasso no desporto. Transversos: Revista de História, Rio de Janeiro, n. 14, p. 150-165, dez. 2018.

SANTOS, M. M. R. Desenvolvimento da identidade de gênero em casos de intersexualidade: contribuições da psicologia. 2006. Tese (Doutorado em Psicologia do Desenvolvimento Humano no Contexto Sócio-Cultural) – Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

SILVA, E. F. D.; BRABO, S. A. M. A introdução dos papéis de gênero na infância: brinquedo de menina e/ou de menino? Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 7, n. 3, p. 127-140, set./dez. 2016.

SILVEIRA, T.; VAZ, A. F. Corpo feminino no esporte: entre heterossexualidade compulsória e lesbofobia. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 36, n. 2, abr./jun. 2014. 212-222.

SMYTH, C. M.; BREMNER, W. J. Klinefelter Syndrome. Arch Intern Med, Chicago, v. 158, p. 1309-1314, Jun. 1998.

SULLIVAN, C. F. Gender Verification and Gender Policies in Elite Sport: Eligibility and “Fair Play”. Journal of Sport and Social Issues, Washington, v. 35, n. 4, p. 400-419, 2011.

THOMAS, J. R; NELSON, J. K; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre: Artmed, 2012.

TUCKER, R.; COLLINS, M. International Journal of Sports Physiology and Performance, n. 5, p. 127-139, jun. 2010.

XAVIER, N. A.; MCGILL, J. B. Hyperandrogenism and Intersex Controversies in Women's Olympics. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, Washington, v. 97, n. 11, p. 3902-3907, nov. 2012.

YOUNG, S. L. Running Like a Man, Sitting Like a Girl: Visual Enthymeme and the Case of Caster Semenya. Women’s Studies in Communication, San Diego, v. 138, p. 331-350, 24 Jul. 2015.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura

Downloads

Não há dados estatísticos.