Banner Portal
Independentemente
Capa: Lygia Eluf (sem título, série Desenhos da Quarentena, técnica: nanquim/papel, 35x15cm, 2020) e Carlos Lamari.
PDF

Palavras-chave

Quitandeiras
Minas Gerais
Independência do Brasil
Escravidão
Trabalho

Como Citar

RESENDE BONOMO, Juliana. Independentemente: a atuação das quitandeiras de Minas Gerais no mundo do trabalho nos períodos pré e pós-Independência do Brasil. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e2022007, 2022. DOI: 10.20396/resgate.v30i00.8668758. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8668758. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo avaliar a atuação das quitandeiras de Minas Gerais no mundo do trabalho, no período de 1804 a 1832, procurando estabelecer relações entre a escravidão, a pobreza, a liberdade e a Independência do Brasil. Para tanto, utilizamos como fonte principal a base de dados Poplin-Minas, compilação dos dados obtidos nas Listas Nominativas de 1831/1832. No contexto das celebrações do Bicentenário da Independência, este trabalho busca contribuir para algumas reflexões propostas pela historiografia revisionista relacionadas a este acontecimento tão importante na História do Brasil, levantando a seguinte questão: Independência de quem e para quem?

https://doi.org/10.20396/resgate.v30i00.8668758
PDF

Referências

BARBOSA, Alexandre Freitas. A formação do mercado de trabalho no Brasil. São Paulo: Alameda, 2008.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CAMILO, Débora Cristina de Gonzaga. Comerciantes de ascendência africana em Vila Rica e Mariana (1720-1800). Ouro Preto: Editora UFOP, 2015.

CHAMBERLAIN, Henry. A Mineiro or Native of Mine District in Brazil. A slave going to market. Brasiliana Iconográfica/Fundação Estudar. Acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil. Coleção Brasiliana. Identificação: PINAO07437, [entre 1819 e 1822]. 16,1 cm de altura 23,4 cm de largura. Disponível em: https://www.brasilianaiconografica.art.br/obras/19957/a-mineiro-or-native-of-mine-district-in-brazil-a-slave-going-to-market. Acesso em: 5 jan. 2022.

COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República: momentos decisivos. 9. ed. São Paulo: Editora da Unesp, 2010.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. A interiorização da Metrópole e outros estudos. São Paulo: Alameda, 2005.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.

FIGUEIREDO, Luciano. Barrocas famílias. Vida familiar em Minas Gerais no século XVIII. São Paulo: HUCITEC, 1997.

FIGUEIREDO, Luciano. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: EDUNB, 1993.

GOMES, Flávio dos Santos; SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Dizem as quitandeiras... Ocupações urbanas e identidades étnicas em uma cidade escravista: Rio de Janeiro, século XIX. Acervo, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 3-16, jul./dez. 2002. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/107623. Acesso em: 10 jan. 2022.

GRAHAM, Richard. Alimentar a cidade. Das vendedoras de rua à reforma liberal. Salvador, (1780-1860). São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

GRINBERG, Keila. O fiador dos brasileiros. Cidadania, escravidão e direito civil no tempo de Antônio Pereira Rebouças. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

LENHARO, Alcir. As tropas da moderação. São Paulo: Símbolo, 1979.

LIBBY, Douglas Cole. Transformação e trabalho em uma economia escravista. Minas Gerais: século XIX; São Paulo: Brasiliense, 1988.

LUNA, Francisco Vidal; COSTA, Iraci del Nero da. Profissões, atividades produtivas e posse de escravos em Vila Rica ao alvorecer do século XVIII. Minas Colonial: Economia e Sociedade, São Paulo: FIPE/PIONEIRA, p. 57-77, 1982. Disponível em:http://historia_demografica.tripod.com/pesquisadores/paco/pdf-paco/ar17.pdf. Acesso em: 16 dez. 2021.

MARTINS, Roberto Borges. A economia escravista de Minas Gerais no século XIX. Texto para discussão, Belo Horizonte, v. 1, n. 10, p. 1-55, nov. 1980. Disponível em: http://www.cedeplar.ufmg.br/pesquisas/td/TD%2010.pdf. Acesso em: 29 jan. 2022.

MARTINS, Roberto Borges. Crescendo em silêncio: a incrível economia escravista de Minas Gerais no século XIX. Belo Horizonte: ICAM-ABPHE, 2018.

MATHIAS, Herculano Gomes. Um recenseamento na capitania de Minas Gerais (Vila Rica - 1804). Rio de Janeiro: Ministério da Justiça; Arquivo Nacional, 1969.

MATTOS, Hebe Maria. Escravidão e cidadania no Brasil Monárquico. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

MATTOSO, Kátia. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003.

PAIVA, Clotilde. População e economias das Minas Gerais no século XIX. 1996. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

PANDOLFI, Fernanda Cláudia. A viagem de D. Pedro I a Minas Gerais em 1831: embates políticos na formação da monarquia constitucional no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 36, n. 71, p. 35-75, jun. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbh/a/4xvCjrRf69YWNZs6kDFpvJR/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 24 fev. 2022.

PANTOJA, Selma. A dimensão atlântica das quitandeiras. In: FURTADO, Junia Furtado. Diálogos oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para a história do império ultramarino. Belo Horizonte: UFMG, 2001. p. 57-78.

PIMENTA, João Paulo. Independência do Brasil. São Paulo: Contexto, 2022.

POPINIGIS, Fabiana. Aos pés dos pretos e pretas quitandeiras: experiências de trabalho e estratégias de vida em torno do primeiro Mercado Público de Desterro – 1840-1890. Afro-Ásia, Salvador, v. 1, n. 46, p. 193-226, jan. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/21266. Acesso em: 5 jan. 2022.

POPLIN-MINAS: banco de dados preparado por Clotilde Paiva. NPED/ CEDEPLAR/UFMG. Disponível em: http://poplin.cedeplar.ufmg.br. Acesso em: 20 jan. 2019.

PRAXEDES, Vanda Lucia. Mulheres forras, chefes de domicílio em Minas Gerais, Brasil (1770-1880). The Latin Americanist, North Carolina, v. 56 n. 4, p. 11-32, dez. 2012. Disponível em: muse.jhu.edu/article/706098. Acesso em: 19 dez. 2021.

QUEIROZ, Bernardo Lanza et al. As mulheres chefes de domicílio nas Minas Gerais do século XIX: uma análise exploratória. In: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 9., 2000, Diamantina. Anais [...] Belo Horizonte: CEDEPLAR, 2000. p. 17-36.

REIS, Liana. Mulheres de ouro: as negras de tabuleiro nas Minas Gerais do século XVIII. Revista do Departamento de História/UFMG, Belo Horizonte, n. 8, p. 72-85, nov.1989. Disponível em: https://static1.squarespace.com/static/561937b1e4b0ae8c3b97a702/t/57276e077da24f738c4b57d1/1462201867579/07_Reis%2C+Liana+Maria.pdfhttps://static1.squarespace.com/static/561937b1e4b0ae8c3b97a702/t/57276e077da24f738c4b57d1/1462201867579/07_Reis%2C+Liana+Maria.pdf. Acesso em: 20 dez. 2021.

RODARTE, Mario Marcos Sampaio; GODOY, Marcelo Magalhães. Pródromos da formação do mercado interno brasileiro: um estudo de caso das relações entre capital mercantil, rede de cidades e desenvolvimento regional, Minas Gerais na década de 1830. In: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA. 12. 2006, Diamantina. Anais [...] Belo Horizonte: CEDEPLAR, 2006. p. 1-20. Disponível em: https://diamantina.cedeplar.ufmg.br/portal/download/diamantina-2006/D06A036.pdf. Acesso em: 10 jan. 2022.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da. Regionalização do poder, localismos e construções identitárias em Minas Gerais (1821-1831). Almanack Brasiliense, Belo Horizonte, n. 2, p. 43-63, dez. 2005. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/alb/article/view/11618. Acesso em: 7 fev. 2022.

SLENES, Robert Wayne. Os múltiplos de porcos e diamantes: a economia escravista de Minas Gerais no século XIX. Cadernos IFCH/UNICAMP, Campinas, v. 1, n. 17, p. 1-80, 17 jun. 1985. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ee/article/view/157456. Acesso em: 6 mar. 2022.

VASCONCELOS, Salomão de. O Fico. Minas e mineiros na Independência. 2. ed. comemorativa do sesquicentenário da Independência. Belo Horizonte: Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, 1972.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura

Downloads

Não há dados estatísticos.