Banner Portal
Políticas culturais alocativas e a criação de indicadores culturais municipais
Capa: Lygia Eluf (sem título, série Desenhos da Quarentena, técnica: nanquim/papel, 35x15cm, 2020) e Carlos Lamari.
PDF

Palavras-chave

Prefeituras
economia da cultura
políticas públicas

Como Citar

MARTINS, Tiago Costa; CORREA, Claiton Marques; OLIVEIRA, Fernando Luís de. Políticas culturais alocativas e a criação de indicadores culturais municipais. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 31, n. 00, p. e023022, 2024. DOI: 10.20396/resgate.v31i00.8673078. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8673078. Acesso em: 22 abr. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

O presente artigo discute a alocação de recursos públicos nas políticas culturais e a importância do uso de indicadores para a compreensão da realidade cultural dos municípios. Utilizando a metodologia da Design Science Research, os dados dos gastos públicos em cultura das prefeituras do Rio Grande do Sul, entre os anos de 2017 a 2019, foram processados ​​por meio de um algoritmo que permitiu a criação de seis indicadores úteis para compreender as políticas culturais alocativas. Os resultados demonstram que os indicadores criados podem aprimorar a gestão cultural, incentivar a transparência e permitir o uso de tecnologias avançadas para obter respostas sobre a distribuição de recursos, a diversidade cultural e o impacto econômico das políticas culturais efetuadas pelas administrações municipais.

https://doi.org/10.20396/resgate.v31i00.8673078
PDF

Referências

AZEVEDO, Marcia Carvalho de; MEIRELES, Manuel; SORDI, José Osvaldo de. A pesquisa design science no Brasil segundo as publicações em administração da informação. Journal of Information Systems and Technology Management, v. 12, n. 1, p. 165-186, 2015.

BENHAMOU, Françoise. A economia da cultura. Cotia: Ateliê Editorial, 2007.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Manual de Despesa Nacional. Brasília: STN/Coordenação-Geral de Contabilidade, 2008.

BRASIL. Ministério da Fazenda; Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria do Tesouro Nacional; Secretaria de Orçamento Federal. Portaria Interministerial nº 163, de 4 de maio de 2001. Disponível em: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/hp/downloads/Portaria_Interm_163_2001_Atualizada_2010_25ago2010.pdf. Acesso em: 26 out. 2020.

BRASIL. Ministério do Orçamento e Gestão. Instrução para elaboração da proposta orçamentária da União para 2000. Manual Técnico de Orçamento (MTO-02). Brasília: Imprensa Nacional, 1999.

CANCLINI, Néstor García. Definiciones en transición. In: MATO, D. Cultura, política y sociedad: Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 69-81.

COELHO, Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo: Iluminuras, 1997.

CORREA, Claiton. Marques; IGLESIAS, Ícaro Lins. Do natural ao artificial: a Design Science Research como proposta de aproximação entre as ciências. In: MARTINS, Tiago Costa; PARIZI, Rafael. (Orgs.). Comunicação & Sistemas de Informação: Metodologias aplicadas à integração das ciências. Vol. I. Uruguaiana: Editora Conceito, 2021. p. 1-6. Disponível em: http://dx.doi.org/10.29327/539846.1-6. Acesso em: 18 fev. 2023.

COSTA, Antonio Firmino. Políticas culturais: conceitos e perspectivas. Revista do Observatório das Actividades Culturais, n. 2, p. 1-06, 1997.

DRESCH, Aline; LACERDA, Daniel Pacheco; MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick. Uma análise distintiva entre o estudo de caso, a pesquisa-ação e a design science research. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 17, n. 56, p. 1116-1133, 2015.

GIAMBIAGI, Fabio; ALÉM, Ana Cláudia. Finanças públicas: teoria e prática no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Sistema de Informações e Indicadores Culturais (2007-2010). Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

JANNUZZI, Paulo de Martino. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. RAP, Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, p. 51-72, 2002.

JANNUZZI, Paulo de Martino. M. Indicadores Sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. Campinas: Editora Alínea, 2017.

LOCK, Fernando do Nascimento. Estrutura e uso de informações orçamentárias governamentais: o caso do Conselho Municipal de Educação de Santa Maria – RS. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Regional) – Universidade de Santa Cruz do Sul, 2012. 267 f. Disponível em: http://hdl.handle.net/11624/278. Acesso em: 11 jan. 2021.

MANKIW, Gregory. Introdução à economia. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

MARTINELL, Alfons. Los agentes culturales ante los nuevos retos de la gestión cultural. Revista Ibero-americana de Educación, Madrid, n. 20, p. 201-215, mayo./ago. 1999.

MARTINS, Tiago Costa et al. Comunicação & Sistemas de Informação: indicadores culturais, comunicação pública e a operacionalização de um sistema baseado em dados abertos. Vol. II. Uruguaiana: Conceito, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.29327/546769. Acesso em: 11 jan. 2021.

MARTINS, Tiago Costa; LISBÔA FILHO, Flavi; PONS, Mônica Elisa Dias. Dossiê Temático - Cultura: investimentos municipais 2017-2020 no Geoparque Quarta Colônia aspirante Unesco. 1. ed. Santa Maria: UFSM, Pró-Reitoria de Extensão, 2022.

MARTINS, Tiago Costa; OLIVEIRA, Victor da Silva (Orgs.). Política e economia da cultura e os gastos públicos municipais: um estudo na Região das Missões – RS. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2016.

MARTINS, Tiago Costa; PINTO, Maria Manuela Gomes De Azevedo; SILVA, Armando. Malheiro. DA. Políticas culturais, indicadores e Comunicação Pública. Redes, v. 26, 31 ago. 2022.

MUSGRAVE, Richard. A; MUSGRAVE, Peggy B. Public finance in theory and practice. New York: McGraw Hill, 1989.

REZENDE, Flávio da Cunha. Descentralização, Gastos Públicos e Preferências Alocativas dos Governos Locais no Brasil: (1980-1994). Dados, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0011-52581997000300005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 out. 2014.

RUBIM, Antonio Albino Canelas. Políticas culturais: entre o possível e o impossível. In: NUSSBAUMER, Gisele Marchiori (Org.). Teorias e políticas da cultura: visões multidisciplinares. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 139-158.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Contabilidade pública: teoria e prática. Porto Alegre: SEFAZ-RS, 2011.

TOLILA, Paul. Cultura e economia: problemas, hipóteses, pistas. São Paulo: Iluminuras; Itaú Cultural, 2007.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura

Downloads

Não há dados estatísticos.