Agro é tudo

a rede globo e a produção de sentidos na relação urbano/rural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v26i2.8663429

Palavras-chave:

Discurso, Agro, Agronegócio, Rede globo

Resumo

Este artigo lança o olhar sobre a campanha institucional Agro: a indústria-riqueza do Brasil. A iniciativa, produzida e veiculada pela Rede Globo de Televisão, a partir de 2016, é marcada pela repetição diária nos espaços comerciais da grade de programação da emissora. Nesta reflexão, analisa-se os modos de significação da formulação agro como a proposta de um novo conceito, que atualiza as relações entre cidade, campo, urbano e rural. O estudo norteia-se pela Análise do Discurso, nas perspectivas de Michel Pêcheux e Eni Orlandi, pensando as relações que vinculam o histórico, o ideológico e o político para um agro que, no dizer da Rede Globo, é indissociável da tecnologia, de todo o tipo de pessoas e que abrange todos os setores que movimentam a economia do país.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Pitombo de Oliveira, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Professora e pesquisadora dos Programa de Pós-graduação em Letras na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat/Sinop). 

Débora Pereira Lucas Costa, Centro Universitário Fasipe

Doutoranda em Linguística na Universidade do Estado de Mato Grosso Carlos/Cáceres. Professora da Faculdade de Jornalismo do Centro Universitário Fasipe (Unifasipe/Sinop). 

Referências

BOLOGNINI, Carmen. Efeito da metáfora e da metonímia no gesto de interpretação: quem é o rei no “Rei Leão”? In: BOLOGNINI, Carmen (Org.). Discurso e ensino: o cinema na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

CONTI, Davi; MEGID, Cristiane; FURLAN, Cássia; MENSATO, Joice. O digital na escola: objeto, instrumento e tecnologia. In: BOLOGNINI, Carmen (Org.). A língua portuguesa: novas tecnologias em sala de aula. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2014.

DELA-SILVA, Silmara. O acontecimento discursivo da televisão no Brasil: a imprensa na constituição da TV como grande mídia. Campinas, SP: [s.n.], 2008.

DIAS, Cristiane. A escrita como tecnologia da linguagem. In: Tecnologias de linguagem e produção de conhecimento. Coleção HiperS@beres. Disponível em: http://www.ufsm.br/hipersaberes. Santa Maria, RS. Volume II. Dezembro 2009. Acesso em: 11 mar. 2019.

DIAS, Cristiane .Análise do discurso digital: Sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018.

HENRY, Paul. Os fundamentos teóricos da “Análise Automática do Discurso” de Michel Pêcheux (1969). In: GADET, Françoise; HAK, Tony (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora Unicamp, 2014, p.11-38.

LAGAZZI-RODRIGUES, S. Deixar a cidade. Vir para a terra. O discurso urbano em movimento. RUA, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 39-46, 2015. DOI: 10.20396/rua.v5i1.8640650. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8640650.

. Acesso em: 05 mar. 2019

LEAL FILHO, Laurindo. A TV sob controle. São Paulo: Summus, 2006.

ORLANDI, Eni. Cidade dos Sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2004.

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6.ed. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2007.

ORLANDI, Eni. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 4.ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012.

ORLANDI, Eni. Análise do Discurso. In: ORLANDI, Eni; LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy (Org.). Introdução às ciências da linguagem – Discurso e textualidade. 3.ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015a.

ORLANDI, Eni. Análise do Discurso: princípios e procedimentos.12.ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015b.

ORLANDI, Eni. Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. 3.ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2017.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. 3.ed. Campinas, SP: Pontes, 2002.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 5.ed. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2014.

PÊCHEUX, Michel. Foi “propaganda” mesmo que você disse? In: ORLANDI, Eni. Análise de Discurso: Michel Pêcheux. 4.ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015. p.73-92.

PAYER, M. O. Retrospecção e estereotipia. Imagens urbanas sobre o campo. RUA, Campinas, SP, v. 2, n. 1, p. 83-101, 2015. DOI: 10.20396/rua.v2i1.8640610. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8640610. Acesso em: 10 jul. 2019.

PETERSON-ASSIS, Ana Antônia. Como ser feliz no meio de anglicismos: processos transgóssicos e transculturais. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tla/v47n2/a04v47n2.pdf. Acesso em 11 de mar. 2019.

PINHO, J. Benedito. Propaganda Institucional: usos e funções da propaganda em Relações Públicas. São Paulo: Summus, 1990.

SILVA, Telma Domingues da. Televisão e internet no Brasil: formulação e circulação das “mensagens” para o cidadão consumidor. In. DIAS, Cristiane. E-urbano: Sentidos do espaço urbano/digital [online]. 2011, Consultada no Portal Labeurb. Disponível em: http://www.labeurb.unicamp.br/livroEurbano/ Laboratório de Estudos Urbanos – LABEURB/Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade – NUDECRI, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Como Citar

OLIVEIRA, T. P. de .; COSTA, D. P. L. . Agro é tudo: a rede globo e a produção de sentidos na relação urbano/rural. RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 653–677, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i2.8663429. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8663429. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Estudos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)