A crise do planejamento

Autores

  • Vicente de Paula Faleiros Universidade Católica de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v9i1.8634859

Palavras-chave:

Planejamento socioeconômico. Estratégia. Democracia. Poder político

Resumo

Este artigo trata das propostas e do processo de planejamento socioeconômico, considerando que o mesmo não constitui uma técnica neutra mas uma arena de conflitos entre técnicos e políticos, Sociedade e Estado, acumulação de capital e legitimação política. Analisa a diversidade de formas de planejamento nos contextos históricos do capitalismo e a relação entre estratégia, democracia e poder centralizador no planejamento. Conclui que a chamada racionalidade da planificação e a relação entre estratégia e democracia estão articuladas à relação de forças sociais e ao contexto político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vicente de Paula Faleiros, Universidade Católica de Brasília

Graduação em Direito pela Faculdade de Direito de Franca (1966), graduação em Serviço Social pela Universidade de Ribeirão Preto (1966), especialização em planejamento pela UnB e pelo IRFED- Institut de Recherches en Développement (Paris), doutorado (PhD) pela Université de Montreal (1984) e pós-doutrados pela EHESS - Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais- Paris (1991) e Université de Montréal (1996). Especialista em Gerontologia pela SBGG- Sociedade Brasileira de Geriatria e Gentologia. Professor titular aposentado da Universidade de Brasília é atualmente professor colaborador da mesma, e professor da Universidade Católica de Brasília . Tem experiência nas áreas de Políticas Públicas, Políticas Sociais e Serviço Social com ênfase nos seguintes temas: criança e adolescente, assistência social, saúde pública, previdência, regulação, teoria e metodologia do servico social, velhice/gerontologia e violência. O grupo de pesquisa do CNPq é Geracionalidade, Imaginário e Violência- GEVIM. É professor emérito da Universidade de Brasília.Autor e Consultor.

Referências

ANDER-EGG, E. Metodología del trabajo social. Barcelona: El Ateneo, 1982.

ANSOFF, H. I. et al. Do Planejamento Estratégico à Administração Estratégica. São Paulo: Atlas, 1981.

BATTERSBY, A. Planificación y programación de proyectos complejos. Barcelona: Ariel, 1967.

BRUNO, L. Poder e administração no capitalismo contemporâneo. In: OLIVEIRA, D. A. (Org.) Gestão Democrática da Educação. Petrópolis: Vozes, 1997.

BRYSON, J. M., ALSTON, F.K. Creating and implementing your strategic plan. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1996.

CAPITANI, G.R.S. PED: Planejamento Estratégico democrático ou processo educacional democrático? Brasília: UnB. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, 2002.

CASTRO, J. A. Dinâmica política associada ao processo de planejamento e gestão estatal. Brasília: CENDEC, mimeografado. 1995.

CEPAL. El pensamiento de la CEPAL. Santiago: Editorial Universitária, 1969.

COHEN, E, FRANCO, R. Gestão Social: como obter eficiência e impacto nas políticas sociais? Brasília: ENAP, 2007.

DANTAS, J.L. A teoria metodológica do Serviço Social. Documento de Teresópolis. Suplemento de Debates Sociais, Rio de Janeiro, n.4, 5ª edição, 1978, p.61-124.

FALEIROS, V.P. et al. Que é o PED? Relatório Final de Pesquisa. Brasília: GDFSecretaria de Administração- Instituto de Desenvolvimento e Recursos Humanos, 1998.

FALEIROS, V.P. Estratégias em Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1997.

FONDO EDITORIAL ALTADIR. Método MAPP - Método Altadir de Planificación Popular. Santa Fé de Bogotá: Fondo Editorial Altadir, 1994.

FRIEDMANN, J.R.P. Introdução ao Planejamento Democrático. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1959.

FRIEDMANN, J. Planejamento na América Latina: da ilusão tecnocrática à democracia aberta. In: CENDEC. Seminário Internacional. Estado e planejamento. Sonhos e realidade. Brasília: CENDEC, 1988, pp. 161-86.

GRAMSCI, A. Maquiavel, a política e o Estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

HELOANI, R. Organização do trabalho e administração. Uma visão interdisciplinar. São Paulo: Cortez Editora, 1994.

IANNI, O. Estado e planejamento econômico no Brasil (1930-1970). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

ILPES. Discusiones sobre planificación. México: Siglo XXI, 1966.

ILPES. Teoria y práctica de la planificación en América Latina. Santiago: CEPAL/ILPES, 1980.

LIMA, B. Contribución a la metodología del trabajo social. Caracas: Colegio Universitario de Caracas, 1974.

LOTERO, J. El pensamiento cepalino: estructuralismo y regulación del desarrollo. In: Lecturas de Economia (27): 139-61, Medellin, Sep/Dici,1988.

MATUS, C. 1997. Chipanzé, Maquiavel e Ghandi - Estratégias políticas. São Paulo: FUNDAP, 1996.

MATUS, C. Adeus Senhor Presidente: Governantes Governados. São Paulo: FUNDAP, 1997.

MATUS, C. 1993 (a) Política, planejamento e governo. Brasília, IPEA, (2 vol.)

MATUS, C. 1972 Estratégia y plan. Santiago, Editorial Universitária.

MAUTNER, G. Planificación y presupuesto por programas. México: Siglo XXI,1969.

NOVICK, D. La programmation budgétaire, instrument de planification à long terme. In: JANTSH, E. Prospective et politique. Paris: OCDE, 1969, pp. 243-57.

OZBEKHAN, H. 1969 Vers une théorie générale de la planification. In: JANTSH, E. Prospective et politique. Paris: OCDE, 1969, pp.43-147.

PENNA, P.C.O.1963 A necessidade do planejamento. In: RIVERA, F. Xavier Uribe (Org.) Planejamento e programação em saúde. São Paulo: Cortez, 1989.

SILVEIRA JÚNIOR, A, VIVACQUA, G.A. Planejamento estratégico como

instrumento de mudança organizacional. Brasília: Editora da UnB, 1996.

TENÓRIO, F.G. (Org.) Gestão de ONGs. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

TESTA, M. Pensamento estratégico e lógica de programação. Rio de Janeiro: Hucitec, 1995.

VUSKOVIC, P. La experiencia chilena - problemas económicos. In: BASSO, L. et alii. Transición al socialismo y experiencia chilena. Santiago: CESO/CEREN, 1972.

WEIHRICH, H. The TOWS Matrix: a tool for situational analysis. In: DYSON, R.G. Strategic Planning Models and techiniques. New York, John Wiley & Sons. 1990, p.17-36.

XAVIER, A.C.R., BATISTA, F.F. Um novo paradigma de gestão ou mais um programa de qualidade? A experiência do Hospital das Clínicas de Porto Alegre. Brasília: IPEA, 1997. Texto para Discussão nº 487.

ZOPP. Iniciação ao Método. Frankfurt am Main - GTZ, s./d.

Downloads

Publicado

2015-05-06

Como Citar

FALEIROS, V. de P. A crise do planejamento. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 83-119, 2015. DOI: 10.20396/sss.v9i1.8634859. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8634859. Acesso em: 29 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos