Violência, sofrimento social e a saúde pública

Autores

  • Rubens de Camargo Ferreira Adorno Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v9i1.8634877

Palavras-chave:

Violência. Sociedade contemporânea. Saúde pública. Sofrimento social

Resumo

Trazemos aqui nesse ensaio algumas inquietações acerca do tema da violência e modos de interpretá-la na sociedade contemporânea. Buscando relacionar questões globais, nacionais e locais; chamamos atenção para o que cientistas sociais hoje, particularmente na análise das práticas de saúde, entendidas como um sistema perito vem respondendo a demandas que envolvem uma violência estrutural contemporânea cujo efeito é a produção do que vem sendo chamado de “sofrimento social”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubens de Camargo Ferreira Adorno, Universidade de São Paulo

Professor Associado III na Universidade de São Paulo, possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1977), Mestrado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (1992) Doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (1992). ) , e Livre Docente pela mesma universidade em 1997 , vem atuando na linha de pesquisa "Saúde Pública, Ciências Sociais e Sociedade Contemporânea" que procura trazer a contribuição da Pesquisa Social , notadamente da Antropologia e das etnografias contemporâneas, para o campo da Saúde, buscando construir um tratamento teórico para as "vulnerabilidades contemporâneas" que possam se expressar a partir dos contextos que se constituem no capitalismo tardio e articulam os contextos globais, nacionais e locais, do cotidiano e das mudanças que ocorrem na vida das populações a partir de seus contextos e dos recortes classe social, raça-etnia, geração, gênero e sexualidades e curso de vida.

Referências

ADORNO, R.C.F., CASTRO, A.L. O exercício da sensibilidade: pesquisa qualitativa e a saúde como qualidade. Saúde e Sociedade, v. 3, n. 2, São Paulo, 1994.

ADORNO, S. Editorial Especial. Saúde e Sociedade, v. 17, n. 3, p 7-8, São Paulo, 2008.

ARENDT, H. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

BECK, U.; GIDDENS, A.;LASCH, S. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem moderna. São Paulo: Editora da UNESP, 1997.

BIONDI, K. Junto e misturado: uma etnografia do PCC. São Paulo: Terceiro Nome/FAPESP, 2010.

CALDEIRA, T.P.R. Cidades de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: EDUSP/Editora 34, 2000.

DAS,V.; KLEINMAN, A.; RAMPHELE, M.; REYNOLDS, P. Violence and

subjectivity. Berkeley, Los Angeles and London. University of California Press, 2000.

DAS, V.; POOLE, D. El estado y sus márgenes. Etnografias comparadas. Cuadernos de Antropologia Social, 27, pp.19-52, 2008.

DONNANGELO, C.; PEREIRA, L. Saúde e Sociedade. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1976.

FASSIN, D. Les figures urbaines de la santé publique: enquete sur des expériences locales. Paris: Éditions La Découverte, 1998.

FASSIN,D. Souffrir pour le social, gouverner par l’écoute: une configuration sémantique de l’action publique. Politix, 19 (73), 2006, p.137-57.

GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1991.

GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993.

GIDDENS, A.Para além da esquerda e da direita. São Paulo: Editora da Unesp, 1996.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993.

HOBSBAWM,E. A era dos extremos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

ILLICH,I. A expropriação da saúde. Nêmesis da Medicina. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1975.

MENDONÇA, R.T. et al. Medicalização de mulheres idosas e interação com consumo de calmantes. Saúde e Sociedade, Jun 2008, v. 17, n. 2, p. 95-106.

MISSE, M. Crime e violência no Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2006.

NJAINE, K.; MINAYO, M.C. A violência na mídia como tema da área da saúde pública: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 1, p. 201-11, Rio de Janeiro, 2004.

OLIVEIRA, L. Os excluídos existem? Notas sobre a elaboração de um novo conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n.33, 1997.

RABINOW, P. Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1999.

SARTI, C. Corpo, violência e saúde: a produção da vítima. Sexualidad, Salud y Sociedad. Revista Latinoamericana, n. 1, p. 89-103, 2009.

SENNET, R. A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SENNET, R. A cultura do novo capitalismo, 2ª. Ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SINGER, P.; CAMPOS, O.; OLIVEIRA, E.M. Prevenir e curar: o controle social através dos serviços de saúde. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1978.

SUS 20 Anos. A Saúde do tamanho do Brasil. Carta de Mobilização. Acesso em 10/7/2010. http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2008/Carta20anosdoSUS.pdf.

WACQUANT, L. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2001.

ZALUAR, A. Do dinheiro e dos homens no tráfico de drogas. In: WESTPHAL, M.F. & BYDLOWSKI,C.R. (ed.) Violência e juventude . São Paulo, Editora Hucitec, 2010

Downloads

Publicado

2015-05-06

Como Citar

ADORNO, R. de C. F. Violência, sofrimento social e a saúde pública. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 1–25, 2015. DOI: 10.20396/sss.v9i1.8634877. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8634877. Acesso em: 29 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos