Famílias: aportes teórico-metodológicos para o debate no âmbito do serviço social

Autores

  • Dalva Azevedo de Gois Universidade Cruzeiro do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v13i2.8634900

Palavras-chave:

Política de assistência social. Famílias. Gênero. Etnia. Percurso sociofamiliar

Resumo

Tendo em vista o ainda incipiente acúmulo de discussão sobre famílias entre os assistentes sociais, o intuito deste texto é oferecer subsídios para o debate do tema, em especial para os que estão na gestão e execução da política socioassistencial. Com base em pesquisa realizada em fontes secundárias, apresenta a incidência de estudos acerca da Política de Assistência Social, destacando, dentre estes, a abordagem sobre famílias em produções de Serviço Social e áreas afins, no período de 2006 a 2010. A partir desta pesquisa e de estudos anteriores, busca analisar o tema famílias, indicando e conceituando suas categorias fundamentais, ressaltando: classe social, gênero, etnia, percurso sociofamiliar e articulação entre esferas privada e pública para o exercício das responsabilidades familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dalva Azevedo de Gois, Universidade Cruzeiro do Sul

Assistente Social (1981), Especialista em Família (1993), Mestre em Serviço Social (1998) e Doutora em Serviço Social (2005), pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Referências

ANTUNES, R. O continente do Labor. São Paulo: Boitempo, 2011

BOSCHETTI, I. et al. (ORG.). Política Social no Capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2008.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 5 de outubro de 1988.

BRASIL. Lei Orgânica da Assistência Social – Lei n. 8.742, de 7 de dezembro de 1993.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social – PNAS/2004 e Norma Operacional Básica – NOB/SUAS. Brasília: MDS/SNAS, 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social. Resolução n. 33/2012 – Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social – NOB/SUAS. Brasília: Diário Oficial da União, 03 de janeiro de 2013.

BRUSCHINI, M. C. A.; RICOLDI, A. M. Família e trabalho: difícil conciliação para mães trabalhadoras de baixa renda. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 136, jan./abr. 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2013.

CABANES, R. Espaço privado e espaço público: o jogo de suas relações. In: TELLES, V. S.; CABANES, R. Nas tramas da cidade: trajetórias urbanas e seus territórios. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006. p. 389-428.

CYWINSKI, M. M. Repercussões do Programa de Renda Mínima de Santo André/SP – Família Cidadã (1998-2001) nas trajetórias de famílias. 2007. 299f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2007.

GOIS, D. A. (Coord.). Famílias e Práticas Sociais: interlocução com produções literárias sobre a Política de Assistência Social. Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Políticas e Práticas Sociais com Famílias-Mestrado em Políticas Sociais. Universidade Cruzeiro do Sul/SP, São Paulo, 2013.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

KREUTZ, L. Identidade Étnica e Processo Escolar. Cadernos de Pesquisa, São Leopoldo, n. 107, jul. 1999.

MESSIAS, D. M.; GUEIROS, D. A. A relação Estado-família na perspectiva da proteção social. In: GANEV, E; SARAIVA, F. M.; VIEIRA, S. V. (Org.). Políticas Sociais: percursos e desafios interdisciplinares. São Paulo: Terracota, 2012. p. 63-81.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenção 156 e

Recomendação 165. Sobre a Igualdade de Oportunidades e de Tratamento para Trabalhadores e Trabalhadoras com Responsabilidades Familiares, 1981. Genebra, 1981. Disponível em: <http://www.oitbrasil.org.br/content/sobre-igualdade-deoportunidades-e-de-tratamento-para-homens-e-mulheres-trabalhadores-trabal>. Acesso em: 11 fev. 2013.

PEREIRA-PEREIRA, P. A. Utopias desenvolvimentistas e Política Social no Brasil. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 112, out./dez. 2012.

ROCHA-COUTINHO, M. L. Transmissão geracional e família na contemporaneidade. In: BARROS, M. L. (Org.). Família e gerações. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 91-106.

SARACENO, C; NALDINI, M. Sociologia da família. Lisboa: Estampa, 2003.

SARTI, C. A. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. São Paulo: Cortez, 2011.

SINGLY, F. Sociologia da família contemporânea. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

THERBORN, G. Sexo e poder: a família no mundo, 1900-2000. São Paulo: Contexto,

TORRES, A. S. Segurança de convívio e de convivência: direito de proteção na Assistência Social. 2013, 256 f. Tese [Doutorado em Serviço Social] - Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo. 2013.

VITALE, M. A. F.; GUEIROS, D. A.; SETTE, M. B. A. Histórias de famílias por intermédio do genograma. In: FÁVERO, E. T.; VITALLE, M. A.; BAPTISTA, M. V. (Org.). Famílias de crianças e adolescentes abrigados: quem são, como vivem, o que pensam, o que desejam. São Paulo: Paulus, 2008. p. 143-174.

Downloads

Publicado

2015-05-11

Como Citar

GOIS, D. A. de. Famílias: aportes teórico-metodológicos para o debate no âmbito do serviço social. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 13, n. 2, p. 189–204, 2015. DOI: 10.20396/sss.v13i2.8634900. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8634900. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos