Atividades extracurriculares e qualidade de vida de alunos de fonoaudiologia

Autores

  • Joyce Teodoro de Oliveira Universidade Estadual de Campinas
  • Zélia Zilda Lourenço de Camargo Bittencourt Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v13i1.8634926

Palavras-chave:

Qualidade de vida. Estudantes. Atividades extracurriculares. Promoção de saúde.

Resumo

Este artigo é fruto de discussões sobre a qualidade de vida de alunos do curso de Fonoaudiologia, após várias queixas de falta de tempo para as atividades extracurriculares. Desta forma, se propõe a avaliar a qualidade de vida desses acadêmicos de uma Universidade Pública Paulista e mapear as atividades extracurriculares por eles realizadas. Utilizou-se o instrumento de avaliação de qualidade de vida WHOQOL-BREF e um questionário com dados sociodemográficos. Os achados revelaram que alunos da série mais envolvida com atividades extracurriculares, algumas remuneradas, obtiveram piores escores nos domínios físico, psicológico e meio ambiente, refletindo em sua qualidade de vida. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joyce Teodoro de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em Fonoaudiologia pela Universidade Estadual de Campinas (2010). Mestranda em Saúde, Interdisciplinaridade e Reabilitação pela Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP. Atuando na rede pública de saúde do município de Suzano/ SP realizando atendimentos clínicos na atenção primária à saúde e também colaborando para a implementação de programas de reabilitação de pessoas com deficiência física, auditiva, visual e intelectual, por meio da Rede de Cuidado à Pessoa com Deficiência do município. 

Zélia Zilda Lourenço de Camargo Bittencourt, Universidade Estadual de Campinas

Assistente Social graduada pela PUC de Campinas (1982), Mestrado (1998) e Doutorado (2003) em Saúde Coletiva pela UNICAMP . Atua na Carreira Docente da Unicamp, no Departamento de Desenvolvimento Humano e Reabilitação, no Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação Prof Dr Gabriel Porto , no Curso de Fonoaudiologia e no Programa de Mestrado Saúde, Interdisicplinaridade e Reabilitação da FCM/ UNICAMP. É membro do Comite Editorial da Revista Serviço Social & Saúde da Universidade Estadual de Campinas. Atua na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Serviço Social Aplicado, nos seguintes temas: Transplante renal, Deficiencia visual, Surdez, Familia, Qualidade de vida, Reabilitação e Inclusão social.

Referências

ALVES, J. G. B. et al. Qualidade de vida em estudantes de Medicina no início e final do curso: avaliação pelo Whoqol-bref. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 34, n. 1, Mar.2010.

BEUTER, M. O lazer na vida de acadêmicos de Enfermagem no contexto do cuidado de si para o cuidado do outro. Revista Texto e Contexto Enfermagem. Santa Maria, v.14, n.2, p.222-8, jan-abr, 2005.

BITTENCOURT, Z. Z. L. C.; FILHO, G. A.; MAZZALI, M.; SATOS, N. R. Qualidade de vida em transplantados renais: importância do enxerto funcionante. Revista Saúde Pública, Ribeirão Preto, v.38, n. 5, p.732-4, 2004.

BITTENCOURT, Z. Z. L. C.; HOEHNE, E. L. Qualidade de vida de familiares de pessoas surdas atendidas em um centro de reabilitação. Revista Ciência e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v.14, n.4, p.1235-9, 2009.

BUSS, P. M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.5, n.1, p.163-77. 2000.

COLARES, M. F. A. As fontes de tensão no curso médico: um estudo psicométrico. Dissertação de mestrado, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP, Ribeirão Preto, 1999.

EURICH, R. B.; KLUTHCOVSKY, A. C. G. C. Qualidade de vida de acadêmicos de Enfermagem. Revista de Psiquiatria. v. 30, n.3, p.211-20, 2008.

FLECK, M. P. A.; LOUZADA, S.; XAVIER, M.; CHACHAMOVICH, E.; VIEIRA, G.; SANTOS, L. e cols. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação de qualidade de vida WHOQOL-bref. Revista de Saúde Pública, Ribeirão Preto, v.34, n.2, p.178-83, 2000.

MACHADO, S. M.; SAWADA, N. O. Avaliação da qualidade de vida de pacientes oncológicos em tratamento quimioterápico adjuvante. Revista Texto e Contexto Enfermagem, Santa Maria, v.17, n.4, p. 751-7, 2008.

OLIVEIRA, R. A.; CIAMPONE, M. H. T. A universidade como espaço promotor de qualidade de vida: Vivências e expressões dos alunos de enfermagem. Revista Texto e Contexto Enfermagem, Santa Maria, v.15, n.2, p.254-61. 2006.

PENTEADO, R. P.; GONÇALVES, C. G. O.; COSTA, D.D.; MARQUES, J. M. Trabalho e saúde em motoristas de caminhão no interior de São Paulo, Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v.17, n.4, p.35-45, 2008.

PICCININI, V. C. Cooperativas de trabalho de Porto Alegre e flexibilização do trabalho. Sociologias, n.12, p.68-106, 2004.

RIBEIRO, R. C. A construção de um município saudável: descentralização e intersetorialidade – experiência de Fortaleza. Revista Saúde e Sociedade, v.6, n.2, p.47-53, 1997.

SAUPE, R.; NIETCHE A.; CESTARI, M. E.; GIORGI, M. D. M.; KRAHL, M. Qualidade de vida dos acadêmicos de Enfermagem. Revista Latino-americana de Enfermagem. v.12, n.4, p. 637-42, 2004.

SILVA, K. R.; SOUZA, A. P. S.; MINETTI, L. J. Avaliação do perfil de trabalhadores e das condições de trabalho em marcenarias no município de Viçosa/MG. Revista Árvore. Viçosa. v.26, n.6, p.769-75, 2002.

TEIXEIRA, E.; VALE, E. G.; FERNANDES, J. D.; SORDI, M. R. L. Trajetória e tendências dos cursos de Enfermagem no Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem. São Paulo. v. 59, n.4, p.130-35, 2006.

VIEIRA, E. M.; BARBIERI, C. L. A.; VILELA, D. B. e cols. O que eles fazem depois da aula? As atividades extracurriculares dos alunos de Ciências Médicas da FMRPUSP. Medicina Ribeirão Preto. v. 37, n.1, p.84-90, 2004.

WHOQOL GROUP. The World Health Organization Quality of Life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Social Science and Medicine. v.10, p.1403-9, 1995.

Downloads

Publicado

2015-05-12

Como Citar

OLIVEIRA, J. T. de; BITTENCOURT, Z. Z. L. de C. Atividades extracurriculares e qualidade de vida de alunos de fonoaudiologia. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 141–150, 2015. DOI: 10.20396/sss.v13i1.8634926. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8634926. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos