Inserções do assistente social em saúde mental: em foco o trabalho com as famílias

  • Lucia Cristina dos Santos Rosa Universidade Federal do Piauí
  • Tânia Maria Ferreira Silva Melo Secretaria Estadual de Saúde do Piauí, Hospital Getúlio Vargas
Palavras-chave: Serviço social, Saúde mental, Práticas profissionais

Resumo

O objetivo do presente texto é iniciar uma análise das diferentes inserções dos assistentes sociais na área da saúde mental, a partir da implementação do Movimento da Reforma Psiquiátrica Brasileira, tendo por destaque a atuação com os grupos familiares. Tem por base o resgate da literatura profissional e a experiência docente a partir da realidade nordestina. No contexto reformista as ações dos assistentes sociais encontram-se em processo de construção, exigindo maiores sistematizações e aprofundamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Cristina dos Santos Rosa, Universidade Federal do Piauí
Graduação em pela Faculdade de Serviço Social de Piracicaba (1985), mestrado em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (1994), doutorado em pela Universidade Federal de Pernambuco (2000) e doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000). Atualmente é vice presidente da regional norte 2011-2012 da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social e professor adjunto da Universidade Federal do Piauí.
Tânia Maria Ferreira Silva Melo, Secretaria Estadual de Saúde do Piauí, Hospital Getúlio Vargas

Graduação em Serviço Social pela Universidade Federal do Piauí (1992) e mestrado em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Piauí (2007). Atualmente é estatutario - Fusam Hospital Getúlio Vargas, professor do INSTITUTO CAMILO FILHO e estatutário da Fundação Municipal de Saude de Teresina.

Referências

ALMEIDA, M. (Org.) Diretrizes curriculares nacionais para os cursos

universitários da área da saúde. Londrina: Rede Unida, 2003.

AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: SDE/ FIOCRUZ, 1994.

AMARANTE, P. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1996.

BARBOSA, R. N. C.; CARDOSO, F. G.; ALMEIDA, N. L.T. A categoria “processo de trabalho” e o trabalho do assistente social. Revista Serviço Social & Sociedade, nº 58, p.109-130, 1998.

BRASIL. Legislação em Saúde Mental – 1990-2004. 5ª Ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a.

BRASIL. Clínica Ampliada. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

BRASIL. Saúde Mental no SUS: Os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004c.

BRASIL. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório de Gestão 2003-2006. Ministério da Saúde: Brasília, 2007.

BRASIL. Relatório de gestão 2003-2006: Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança no modelo de atenção. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

CRESSRJ. Atribuições privativas do assistente social e o “Serviço Social Clínico”. Rio de Janeiro: CRESS. 2004.

DELGADO, P. G. As razões da tutela: Psiquiatria, justiça e cidadania do louco no Brasil. Rio de Janeiro: TeCorá, 1992.

DÓCOLAS, G. M. O Serviço Social em um CAPS. In: Crianças e adolescentes vulneráveis: o atendimento interdisciplinar nos Centros de Atenção Psicossocial. Porto Alegre: Artmed, 2009, p. 215-36.

FIGUEREDO, A.C.; JARDIM, S. R. Formação de recursos humanos, trabalho e saúde mental. In: FIGUEIREDO, A.M; CAVALCANTI, M.T. (Org) A reforma psiquiátrica e os desafios da desinstitucionalização. Rio de Janeiro: Edições IPUB, 2001, p. 59-68.

IAMAMOTO, M. V. Projeto profissional: espaços ocupacionais e trabalho do assistente social na atualidade. In: Atribuições privativas do(a) assistente social em questão, Brasília: CFESS, 2002.

IAMAMOTO, M. V.. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

MELMAN, J. Família e doença mental: repensando a relação entre profissionais de saúde e familiares. São Paulo: Escrituras, 2001.

MOTTA, A. A. A ponte de madeira: a possibilidade estruturante da atividade profissional na clinica da psicose. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

ONU. Organização das Nações Unidas. A proteção de pessoas com problemas mentais e a melhoria da assistência em saúde mental. [S.l.: s.n.]. Mimeografado.

ORNELAS, C. (2004). Da família ao espaço público, em defesa da vida. Em: Minas sem manicômios. Belo Horizonte: Fórum Mineiro de Saúde Mental, 2004, p. 7987.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE. Reestruturação da assistência psiquiátrica: bases conceituais e caminhos para sua implementação. Milão: OPS, 1990.

PEREIRA, R. C. Lugar de louco é no hospício? Um estudo sobre representações sociais em torno da loucura no contexto da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, 1997. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública.

RAMOS, R.A. As representações sociais sobre a prática profissional do assistente social nos centros de atenção psicossocial no Ceará. UFPE/Programa de Pós Graduação em Serviço Social. Mestrado. Recife, 2003.

ROSA, L. C. S. Os saberes construídos sobre a família na área da saúde mental. Revista Serviço Social & Sociedade, nº 71, p. 138-64, 2002.

ROSA, L. C. S. Transtorno mental e o cuidado na família. 2ª Ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ROTELLI, F. Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec, 1990.

SANT’ANNA, D., FONTOURA, E.C.A. Desinstitucionalização; com a palavra a família. Rio de Janeiro: UFRJ/IP, 1996. Monografia. Especialização em Terapia Familiar.

SARACENO, B. Manual de Saúde Mental. São Paulo: Hucitec,1994.

SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia/Te Cora, 1999.

SARTI, C. A. A família como espelho – um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas: Editora Autores Associados, 1996.

VASCONCELOS, E. M. Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2007.

Publicado
2015-05-12
Como Citar
Rosa, L. C. dos S., & Melo, T. M. F. S. (2015). Inserções do assistente social em saúde mental: em foco o trabalho com as famílias. Serviço Social E Saúde, 7(1/2), 75-106. https://doi.org/10.20396/sss.v7i1/2.8634933
Seção
Artigos