Inserções do assistente social em saúde mental: em foco o trabalho com as famílias

Lucia Cristina dos Santos Rosa, Tânia Maria Ferreira Silva Melo

Resumo


O objetivo do presente texto é iniciar uma análise das diferentes inserções dos assistentes sociais na área da saúde mental, a partir da implementação do Movimento da Reforma Psiquiátrica Brasileira, tendo por destaque a atuação com os grupos familiares. Tem por base o resgate da literatura profissional e a experiência docente a partir da realidade nordestina. No contexto reformista as ações dos assistentes sociais encontram-se em processo de construção, exigindo maiores sistematizações e aprofundamentos.


Palavras-chave


Serviço social; Saúde mental; Práticas profissionais

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. (Org.) Diretrizes curriculares nacionais para os cursos

universitários da área da saúde. Londrina: Rede Unida, 2003.

AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: SDE/ FIOCRUZ, 1994.

AMARANTE, P. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1996.

BARBOSA, R. N. C.; CARDOSO, F. G.; ALMEIDA, N. L.T. A categoria “processo de trabalho” e o trabalho do assistente social. Revista Serviço Social & Sociedade, nº 58, p.109-130, 1998.

BRASIL. Legislação em Saúde Mental – 1990-2004. 5ª Ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a.

BRASIL. Clínica Ampliada. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

BRASIL. Saúde Mental no SUS: Os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004c.

BRASIL. Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança do modelo de atenção. Relatório de Gestão 2003-2006. Ministério da Saúde: Brasília, 2007.

BRASIL. Relatório de gestão 2003-2006: Saúde Mental no SUS: acesso ao tratamento e mudança no modelo de atenção. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

CRESSRJ. Atribuições privativas do assistente social e o “Serviço Social Clínico”. Rio de Janeiro: CRESS. 2004.

DELGADO, P. G. As razões da tutela: Psiquiatria, justiça e cidadania do louco no Brasil. Rio de Janeiro: TeCorá, 1992.

DÓCOLAS, G. M. O Serviço Social em um CAPS. In: Crianças e adolescentes vulneráveis: o atendimento interdisciplinar nos Centros de Atenção Psicossocial. Porto Alegre: Artmed, 2009, p. 215-36.

FIGUEREDO, A.C.; JARDIM, S. R. Formação de recursos humanos, trabalho e saúde mental. In: FIGUEIREDO, A.M; CAVALCANTI, M.T. (Org) A reforma psiquiátrica e os desafios da desinstitucionalização. Rio de Janeiro: Edições IPUB, 2001, p. 59-68.

IAMAMOTO, M. V. Projeto profissional: espaços ocupacionais e trabalho do assistente social na atualidade. In: Atribuições privativas do(a) assistente social em questão, Brasília: CFESS, 2002.

IAMAMOTO, M. V.. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

MELMAN, J. Família e doença mental: repensando a relação entre profissionais de saúde e familiares. São Paulo: Escrituras, 2001.

MOTTA, A. A. A ponte de madeira: a possibilidade estruturante da atividade profissional na clinica da psicose. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

ONU. Organização das Nações Unidas. A proteção de pessoas com problemas mentais e a melhoria da assistência em saúde mental. [S.l.: s.n.]. Mimeografado.

ORNELAS, C. (2004). Da família ao espaço público, em defesa da vida. Em: Minas sem manicômios. Belo Horizonte: Fórum Mineiro de Saúde Mental, 2004, p. 7987.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE. Reestruturação da assistência psiquiátrica: bases conceituais e caminhos para sua implementação. Milão: OPS, 1990.

PEREIRA, R. C. Lugar de louco é no hospício? Um estudo sobre representações sociais em torno da loucura no contexto da reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, 1997. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública.

RAMOS, R.A. As representações sociais sobre a prática profissional do assistente social nos centros de atenção psicossocial no Ceará. UFPE/Programa de Pós Graduação em Serviço Social. Mestrado. Recife, 2003.

ROSA, L. C. S. Os saberes construídos sobre a família na área da saúde mental. Revista Serviço Social & Sociedade, nº 71, p. 138-64, 2002.

ROSA, L. C. S. Transtorno mental e o cuidado na família. 2ª Ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ROTELLI, F. Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec, 1990.

SANT’ANNA, D., FONTOURA, E.C.A. Desinstitucionalização; com a palavra a família. Rio de Janeiro: UFRJ/IP, 1996. Monografia. Especialização em Terapia Familiar.

SARACENO, B. Manual de Saúde Mental. São Paulo: Hucitec,1994.

SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia/Te Cora, 1999.

SARTI, C. A. A família como espelho – um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas: Editora Autores Associados, 1996.

VASCONCELOS, E. M. Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2007.




DOI: https://doi.org/10.20396/sss.v7i1/2.8634933

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Serviço Social e Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Serv. Soc. & Saúde, Campinas (SP) - e-ISSN 2446-5992.