Banner Portal
Afinal, o que faz o serviço social na saúde mental?
PDF

Palavras-chave

Serviço social. Prática profissional. Saúde mental. Reforma psiquiátrica

Como Citar

ROSA, Lucia Cristina dos Santos; LUSTOSA, Amanda Furtado Mascarenhas. Afinal, o que faz o serviço social na saúde mental?. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 27–50, 2015. DOI: 10.20396/sss.v11i1.8635023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8635023. Acesso em: 19 abr. 2024.

Resumo

Este ensaio tem por objetivo sistematizar algumas reflexões suscitadas pela crescente indagação, sobretudo de estudantes de Serviço Social, acerca do fazer do assistente social na saúde mental. Tece alguns comentários sobre aspectos que são pertinentes à agenda do Serviço Social no campo da Saúde Mental e promove algumas reflexões pontuais e que merecem maior visibilidade para ganhar melhores investimentos. Tem por base a experiência das autoras no campo da Saúde Mental, no contexto nordestino, sobretudo no contexto piauiense e interlocuções com profissionais de outras regiões.

https://doi.org/10.20396/sss.v11i1.8635023
PDF

Referências

BRASIL. Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BOBBIO, N. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1992.

CAMPOS, G. W. S. Saúde Paidéia. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

CAMPOS, R. O.; FURTADO, J. P.; PASSOS, E.; BENEVIDES, R. p. 398-420. À guisa de conclusão: La clé dês champs! In: CAMPOS, R. O; FURTADO, J. P; PASSOS, E.; BENEVIDES, R. Pesquisa qualitativa em Saúde Mental: desenho participativo e efeitos de narratividade. São Paulo: Hucitec, 2008.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Benefício de Prestação Continuada: não abra mão da sua cidadania. Disponível em www.pol.org.br.Acesso dia 10/03/2012.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Legislação e resoluções sobre o trabalho do/a assistente social. Brasília: CFESS, 2011.

CRESS-RJ. O Serviço Social Clínico e o projeto ético político do Serviço Social. Em foco. Rio de Janeiro: CRESS, 2003.

CRESS. Atribuições privativas do Assistente Social e o “Serviço Social Clínico”. Em Foco. Rio de Janeiro: CRESS, 2004.

CRESS 7ª RJ. Assistente social: ética e direitos. Coletânea de leis e resoluções. 4ª Ed. Rio de Janeiro: CRESS 7ª R – RJ, 2005.

EIRAS, A. A. L.T.S. Problematizações acerca do trabalho com grupos no Serviço social brasileiro. P. 121-158. In: VASCONCELOS, E. M. (Org). Abordagens psicossociais volume III. Perspectivas para o Serviço Social. São Paulo: Hucitec, 2009.

FLEURY, S. Coesão e seguridade. p. 10-27. Seguridade social, cidadania e saúde.

LOBATO, L. V; FLEURY, S. Rio de Janeiro: CEBES, 2009.

HELLER, A. O cotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

LANCETTI, A. Clínica peripatética. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

MACIEL, C. A. B. Benefício de prestação continuada: as armadilhas... Presidente Venceslau – SP: Letras à margem, 2008.

MERHY, E. E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

NETTO, JP; FALCÃO, M.C.. Cotidiano: conhecimento e critica. São Paulo: Cortez, 1987.

PEREIRA, I. C. G. Do ajustamento à invenção da cidadania: serviço social, saúde mental e intervenção na família no Brasil. P. 217-262. IN: VASCONCELOS, E. M. (Org) Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2000.

PINTO. RF. CAPSI para crianças e adolescentes autistas e psicóticos. Rio de Janeiro: Editora Museu da República, 2007.

RAMOS, R. A. As representações sociais sobre a prática profissional do assistente social nos Centros de Atenção Psicossocial no Ceará. UFPE/ Programa de Pós Graduação em Serviço Social. Mestrado. Recife, 2003.

ROTELLI, F. Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec, 1990.

ROSA, L. C. dos S; MELO, T.M.F.S. Balanço da produção acadêmica sobre Serviço Social na assistência psiquiátrica do Piauí. FRANCO, C. M.B; VASCONCELOS, J. G.; FRANCO, P. M.B. Os diferentes olhares do cotidiano profissional. Fortaleza; Edições UFC, 2010 P. 139-151.

SANTOS, W.G. Cidadania e justiça: A política social na ordem brasileira. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Campus, 1987.

SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia/TeCorá, 1999.

SCHELB, G. Viver é coisa perigosa: orientações para soluções de conflitos. Brasília: Thesaurus, 2008.

TELLES, V. da S. Sociedade civil e construção de espaços públicos. P. 90-102. In: DAGNINO, E. (Org). Anos 90: política e sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1994.

UCHÔA, R. Resultados da pesquisa Serviço Social interfaces com a saúde? O ensino da política de saúde na formação profissional dos assistenciais sociais no Brasil. p.185-200. In: Temporalis, ano VII, n. 13. jan-jun, 2007.

VASCONCELOS, E. M. (Org.) Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2000.

WAGNER, L. C. FLECK, M.P.A. Avaliação da qualidade de vida na esquizofrenia. p.147-56. FLECK, M. P. A. e colaboradores. A avaliação de qualidade de vida – Guia para profissionais de Saúde. Porto Alegre: Artmed, 2008. http://www.modelodepeticoes.com.br/legislacao/45_lei_organica_da_assistencia_socialloas.php, acessado em 17/04/2012.

A Serviço Social e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.