O assistente social no programa de implante coclear do HRAC/USP

Autores

  • Talita Fernanda Stabile Fernandes Universidade de São Paulo
  • Sonia Tebet Mesquita Universidade de São Paulo
  • Maria Inês Gandara Graciano Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v11i1.8635030

Palavras-chave:

Serviço social. Relações interprofissionais. Perda auditiva. Implante coclear

Resumo

O objetivo deste artigo é relatar a prática profissional do assistente social na equipe interdisciplinar do Programa de Implante Coclear do Centro de Pesquisas Audiológicas, localizado no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo (HRAC/USP), Bauru/SP. De acordo com os Parâmetros para atuação do assistente social na saúde, o qual envolve as dimensões, complementares e indissociáveis: Atendimento Direto aos Usuários - com ações socioassistenciais, ações de articulação com a equipe de saúde e ações socioeducativas; mobilização, participação e controle social; investigação, planejamento e gestão; assessoria, qualificação e formação profissional. Durante todas as etapas do Programa de Implante Coclear: diagnóstico, avaliação; preparação pré-cirúrgica; hospitalização e “follow-up” (acompanhamento pós-cirúrgico), o assistente social desenvolve uma prática interdisciplinar com visão de totalidade dos pacientes/famílias, direcionada para o atendimento das demandas, mobilizando recursos internos e externos como parte do processo de reabilitação. Nesta perspectiva, o trabalho do profissional de Serviço Social se faz fundamental na equipe do Programa, uma vez que, o mesmo reconhece os pacientes/famílias não apenas como usuários do serviço, mas como cidadãos capazes de transformar sua própria realidade social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Fernanda Stabile Fernandes, Universidade de São Paulo

Graduada em Serviço Social pela Instituição Toledo de Ensino - ITE - Bauru/SP; Especialista em Antropologia pela Universidade do Sagrado Coração - USC - Bauru/SP; em Gestão Social: políticas públicas, redes e defesa de direitos pela Faculdade de Tecnologia Ciências e Educação FATECE - Pirassununga/SP; e em Serviço Social na área da Saúde e Reabilitação pela USP/Bauru. Mestre em Ciências da Reabilitação pela USP/Bauru. Doutoranda em Ciências pela FOB/USP - Bauru/SP. Assistente Social do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - HRAC/USP, atuando no Programa de Implante Coclear.

Sonia Tebet Mesquita, Universidade de São Paulo

Graduada em Serviço Social - Instituição Toledo de Ensino (1974), mestrado em Serviço Social (2000) e doutorado (2005) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Atualmente é assistente social do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP, em Bauru. Tem experiência na área de Saúde e Reabilitação. Publicações na área de deficiência auditiva - implante coclear - e anomalias craniofaciais.

Maria Inês Gandara Graciano, Universidade de São Paulo

Graduação em Serviço Social pela Instituição Toledo de Ensino (1973), especialização em Instrumentalização p/ Supervisão em Serviço Social pela Instituição Toledo de Ensino (1977), especialização em Administração Hospitalar pelo Centro São Camilo de Desenvolvimento Em Administração Hospitalar (1982), mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1988), doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1995) e Pós-doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2010). Atualmente é Assistente Social e Chefe do Serviço Social do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de São Paulo. É Coordenadora do Curso de Especialização na área da saúde e reabilitação e orientadora do Programa de Pós-Graduação do HRAC/USP. Tem experiência na área de Serviço Social, com ênfase em Gestão e Serviço Social Aplicado. Atua nas seguintes áreas: anomalias craniofaciais, Serviço Social, saúde e reabilitação, associações, inclusão social.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL - ABEPSS. Proposta básica para o projeto de formação profissional. O Serviço Social no século XXI. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, ano 17, n. 50, p. 143-171, abr.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 8.662, de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. Brasília, 1993. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8662.htm. Acesso em: 26 abr. 2013.

BUFFA, M. J. M. B; FURLANETO, M.; SILVA, C. da. Percepção e participação da família no contexto escolar de crianças com implante coclear. Serviço Social & Realidade, Franca, v. 19, n. 2, p. 171-202, 2010.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). Código de Ética

Profissional. Resolução CFESS n. 273/93, de 13 de março de 1993. Institui o Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais e dá outras providências. Brasília, 1993. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/resolucao_273-93.pdf. Acesso em: 26 abr. 2013.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). Parâmetros para atuação de assistentes sociais na política de saúde. Brasília. 2010. (Série Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais).

FERNANDES, T. F. S. Aspectos psicossociais das famílias casos novos do Programa de Implante Coclear. Universidade de São Paulo. Bauru: Monografia de Especialização, 2013.

IAMAMOTO, M. V. Projeto profissional, espaços ocupacionais e trabalho do(a) assistente social. In: Comissão de Orientação e Fiscalização/ Conselho Federal de Serviço Social. Atribuições privativas em questão. Brasília: CFESS, 2002, p.13-50.

MARTINELLI, M. L. Serviço Social: identidade e alienação. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

MARTINS, M. B. B.; LIMA, F. V. F.; SANTOS, R. C. J.; SANTOS, A. C. G.; BARRETO, V. M. P.; JESUS, E. P. F. Implante coclear: nossa experiência e revisão de literatura. International Archives of Otorhinolaryngology. São Paulo, vol.16, n.4, p. 476-481, Oct/Dez. 2012.

MIZIARA, I. D.; MIZIARA, C. S. M. G.; TSUJI, R. K.; BENTO, R. F. Aspectos bioéticos e médico-legais do implante coclear em crianças. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology. São Paulo, v. 78, n. 3, p. 70-79, maio/jun.2012.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 2012.

YAMADA, M. O.; BEVILACQUA, M. C. O papel do psicólogo no programa de implante coclear do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 22, n. 3, p. 255-262, jul./set. 2005.

YAMADA, M. O. A trajetória da infância à adolescência com implante coclear: vivência de mães. Ribeirão Preto, 2012. Tese (Doutorado em Psicologia) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2012.

Downloads

Publicado

2015-05-18

Como Citar

FERNANDES, T. F. S.; MESQUITA, S. T.; GRACIANO, M. I. G. O assistente social no programa de implante coclear do HRAC/USP. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 99–112, 2015. DOI: 10.20396/sss.v11i1.8635030. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8635030. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)