Trajetória da proteção social brasileira à infância e à adolescência nos marcos das relações sociais capitalistas

Autores

  • Juliana Iglesias Melim Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v11i2.8635161

Palavras-chave:

Desigualdade social. Proteção social. Direitos. Criança e adolescente

Resumo

O presente artigo é fruto das reflexões e análises iniciadas a partir do desenvolvimento das atividades de pesquisa e extensão do Núcleo de Estudos da Criança e do Adolescente (NECA) – da Universidade Federal do Espírito Santo. Nesse contexto, as linhas que se seguem procuram expressar os debates realizados, bem como as análises construídas a partir da leitura crítica da realidade, especialmente no que se refere à trajetória da proteção social brasileira voltada para as crianças e adolescentes, à conquista do marco regulatório – Estatuto da Criança e do Adolescente – e aos principais desafios que se apresentam para a consolidação dos direitos na ordem burguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Iglesias Melim, Universidade Federal do Espírito Santo

Graduação em Serviço Social pela Universidade Federal do Espírito Santo (2004) e mestrado em Política Social pela Universidade Federal do Espírito Santo (2006). Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É professora assistente do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal do Espírito Santo. Conselheira 1ª tesoureira do Conselho Federal de Serviço Social - gestão 2011 - 2014.

Referências

ADORNO, S. A gestão filantrópica da pobreza urbana. São Paulo em perspectiva. São Paulo, v. 4, n. 2, p. 9-17, 1990.

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, E. et al. Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

BEHRING. E. R.; BOSCHETTI, I. Política Social: fundamentos e história. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

BRAGA, R. A restauração do capital: um estudo sobre a crise contemporânea. São Paulo: Xamã, 1996.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

COSTA, A. C. É possível mudar. São Paulo: Cortez, 1993. Serv. Soc. & Saúde, Campinas, SP v. 11, n. 2 (14) p. 167-184 jan./jun. 2012 ISSN 1676-6806183

CUNHA, E. P.; CUNHA, E. S. M. Políticas Públicas Sociais. In: CARVALHO, A. (Org.). Políticas Públicas. Belo Horizonte: UFMG, PROEX, 2002.

DOIMO, A. M. Movimentos sociais e participação política: a problemática contemporânea da ação-direta. In: CAMINO, L.; LHULLIER, L.; SANDOVAL, S. Estudos sobre comportamento político: teoria e pesquisa. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1997.

IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e

formação profissional. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

LAURELL, A. C. Avançando em direção ao passado: a política social do

neoliberalismo. In: LAURELL, A. C. (Org.). Estado e políticas sociais no neoliberalismo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

RIZZINI, I; PILOTTI, F. A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Universitária Santa Úrsula, 1995.

RIZZINI, I. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. Rio de Janeiro: Santa Úrsula, 1997.

SPOSATI, A. Políticas sociais nos governos petistas. In: MAGALHÃES, I. et al. (Orgs.). Governo e cidadania: Balanço e reflexões sobre o modo petista de governar. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999.

Downloads

Publicado

2015-05-20

Como Citar

MELIM, J. I. Trajetória da proteção social brasileira à infância e à adolescência nos marcos das relações sociais capitalistas. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 167–184, 2015. DOI: 10.20396/sss.v11i2.8635161. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8635161. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos