As residências multiprofissionais em saúde: a experiência da Universidade Federal de Santa Catarina

  • Regina Célia Tamaso Mioto Universidade Federal de Santa Catarina
  • Francielle Lopes Alves Universidade Federal de Santa Catarina
  • Patricia da Silva Caetano Universidade Federal de Santa Catarina
  • Keli Regina Dal Prá Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Formação profissional em saúde. Residências multiprofissionais

Resumo

As residências multiprofissionais em saúde são realidade no Brasil desde os anos 2000 como importante estratégia de formação de recursos humanos para o Sistema Único de Saúde (SUS). Surgem como resposta as novas necessidades de pensar e agir em saúde. Os programas de esidência ao se estabelecerem como campo de mediação entre a academia e os serviços, tornam possíveis a construção de práticas e conhecimentos que podem alterar ou tencionar significativamente a lógica dos serviços. Assim, este trabalho traz elementos históricos da construção das residências multiprofissionais em saúde, tanto na atenção básica como em nível hospitalar. Relatam-se brevemente as experiências desenvolvidas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), no Curso de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e no Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde do Hospital Universitário (HU) e enfatizam-se elementos para a discussão dos desafios da residência e do Serviço Social nesses espaços de formação na área da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Célia Tamaso Mioto, Universidade Federal de Santa Catarina
Graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1973), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1989) e doutorado em Saúde Mental pela Universidade Estadual de Campinas (1994). Realizou pós-doutorado na Universidade de Perugia-IT. Atualmente é professora da Universidade Católica de Pelotas - Programa de Pós-Graduação em Política Social e professora voluntária da Universidade Federal de Santa Catarina, onde integra o Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Sociedade, Família e Políticas Sociais.
Francielle Lopes Alves, Universidade Federal de Santa Catarina
Graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (2004) e mestrado em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Atualmente é assistente social da Universidade Federal de Santa Catarina.
Patricia da Silva Caetano, Universidade Federal de Santa Catarina
Assistente Social Residente do Programa de Residência Integrada Multiprofissional, UFSC.
Keli Regina Dal Prá, Universidade Federal de Santa Catarina
Graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003), mestrado (2006) e doutorado (2009) em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora Adjunta do Departamento de Serviço Social, no Curso de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina. Integrante do Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Sociedade, Família e Políticas Sociais (NISFAPS). 

Referências

AMORETTI, R. A educação médica diante das necessidades sociais em saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 29, n. 2, 2005, p. 136-146.

APUFSC. Jornal do Sindicato dos Professores das Universidades Federais de Santa Catarina APUFSC - Sindical. Programas de residência têm novas diretrizes publicadas em resolução, Florianópolis, 18 de abril de 2012. Disponível em:

http://www.apufsc.ufsc.br/noticia/2405/. Acesso em: 03/05/2012

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Organização do texto: Juarez de Oliveira. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990. 168 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Prestação de Contas Ordinárias Anual. Relatório de Gestão do Exercício de 2011. Brasília, 2012.

Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php. Acesso em: 02 de maio de 2012.

BRASIL. Lei nº. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. CORAG, 7° ed. 30 p.

BRASIL. Lei nº. 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Pro Jovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nos 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Disponível em:

http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/Lei%20n11129_05.pdf. Acesso em: 20 de jun. de 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Educação Permanente. Disponível em:

http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=26643&j􀀃anela=1. Acesso em: 14 de abr. de 2011.

CHAUÍ, M. S. A universidade pública sob nova perspectiva. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a02.pdf. Acesso em: 02 de fev. de 2009.

CISLAGUI, J. F. Hospitais Universitários: presente caótico, futuro incerto. Disponível em: http://www.apufpr.org.br/artigos/hus.pdf. Acesso em: 03 de jun. de 2012.

ETGES, N. J. Ciência, interdisciplinaridade e educação. In: JANTSCH, A. P. & BIANCHETTI, L. (orgs.) Interdisciplinaridade para além da filosofia do sujeito. Petrópolis: Vozes, p.51-84, 1995.

FERREIRA, S. R.; OLSCHOWSKY, A. Residência: uma modalidade de ensino. In: FAJARDO, A. P.; ROCHA, C. M. F.; PASINI, V. L. (Orgs). Grupo Hospitalar Conceição Residências em saúde: fazeres e saberes na formação em saúde Brasil. Ministério da Saúde. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição, 2010, p. 23-34.

FOLLARI, R. A. Algumas considerações práticas sobre interdisciplinaridade. In: BIANCHETTI, L., JANTSCH, A. Interdisciplinaridade: para além da filosofia do sujeito. Petrópolis: Vozes. 1995.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 24 ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GIL, C. R. R. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, n. 21, 2005, p.490-498.

JANTSCH, A. P. & BIANCHETTI, L. (Orgs.) Interdisciplinaridade para além da filosofia do sujeito. Petrópolis: Vozes, p.25-50, 1995.

MOSCON, N. et al. Plano de Trabalho do Serviço Social da Residência

Multiprofissional em Saúde da Família/2009. Florianópolis, 2009. mimeo. 48p.

MUELLER, R. R. Trabalho, produção da existência e do conhecimento: o fetichismo do conceito de interdisciplinaridade. 115f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

REMULTISF. Guia Acadêmico 2010. Florianópolis, 2010. 25 p.

PMF. Instrução Normativa nº 001/2010. Disponível em: www.pmf.sc.gov.br/.../17_05_2010_10.30.59..... Acesso em: 20 de jun. de 2012.

SANTOS, B. S. A Universidade do Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. São Paulo: Cortez, 2005.

SILVA, A. L. Reflexões sobre perspectivas da pós-graduação. Acta

Cirúrgica Brasileira. São Paulo, v. 20, n. 6, 2005, p. 411-413.

VERDI, M. et al. Programa de Residência Integrada em Saúde da Família da Universidade Federal de Santa Catarina: o desafio de uma construção interdisciplinar coletiva. In: BRASIL. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde, 2006, p. 283-304.

Publicado
2015-05-20
Como Citar
Mioto, R. C. T., Alves, F. L., Caetano, P. da S., & Dal Prá, K. R. (2015). As residências multiprofissionais em saúde: a experiência da Universidade Federal de Santa Catarina. Serviço Social E Saúde, 11(2), 185-208. https://doi.org/10.20396/sss.v11i2.8635288
Seção
Artigos