Os percalços de uma política: relação à brasileira entre o estado e a política de combate ao câncer

Autores

  • Lourdes Karoline Almeida Silva Universidade Estadual do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.20396/sss.v12i1.8635755

Palavras-chave:

Estado. Saúde. Seguridade social. Câncer

Resumo

Este artigo trabalha a relação sociopolítica e histórica entre o Estado brasileiro e a construção da política nacional de combate e controle do câncer, enfatizando, especialmente, a tessitura brasileira das duas últimas décadas (1990-2000), em que houve o desmonte da seguridade social, da qual a saúde é um dos três pilares junto com a previdência e assistência social. Para tanto, fez-se uma análise da construção e crise do Estado de Bem-Estar Social e implantação retardatária dos ajustes estruturais neoliberais, no Brasil. Destaca-se nesse percurso, a Política Nacional de Atenção Oncológica (PNAO), instituída em 2005, e dirigida pelo Instituto Nacional de Câncer. Conclui-se que as iniciativas do governo federal em construir mecanismos legais, como a PNAO, vinculados à proposta inicial do Sistema Único de Saúde não estão sendo acompanhadas de condições concretas para a sua efetivação. Pois quanto ao câncer, as bases legais através da iniciativa política pública estatal para seu controle e combate foram postas, mas essa política não recebe o devido financiamento para sua realização. Aliás, essa política é acompanhada intimamente pelo processo de publicização, em que o apelo ao voluntariado ou à solidariedade da sociedade faz-se empírica e ideologicamente presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lourdes Karoline Almeida Silva, Universidade Estadual do Piauí

Bacharel em Ciências Sociais (UFPI), Mestre e doutoranda em Políticas Públicas (UFPI). Professora Assistente nível I de Sociologia da Universidade Estadual do Piauí, Campus Alexandre Alves de Oliveira.

Referências

ARRETCHE, M. Emergência e desenvolvimento do welfare state: teorias explicativas. BIB, n. 39, Rio de Janeiro: 1995, p. 3-40.

ARRETCHE, M. Financiamento federal e gestão local de políticas sociais: o difícil equilíbrio entre regulação, responsabilidade e autonomia. Ciência & Saúde Coletiva, 08 (02): 331-45, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.439 de 08 de dezembro de 2005. Institui a Política Nacional de Atenção Oncológica.

BRAVO, M. I. S. MATOS, M. de C. A saúde no Brasil: reforma sanitária e ofensiva neoliberal. In: BRAVO, M. I., PEREIRA, P. A. P. (Orgs.). Política Social e Democracia. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: UERJ, 2001.

BEHRING, E. R. Contra-reforma do Estado, seguridade social e o lugar da filantropia. Serviço Social & Sociedade. N. 73, Cortez, mar./2003, p. 101-19. (Políticas públicas e Sociedade Civil).

BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. Política Social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez, 2006.

CARVALHO, A. O. R. de. O Instituto Nacional de Câncer e sua memória: uma contribuição ao estudo da invenção da cancerologia no Brasil. Dissertação. Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, 2006.

DRAIBE, S. M. As políticas sociais brasileiras: diagnósticos e perspectivas. In: DRAIBE, S. M. Para a década de 1990. Prioridades e perspectivas de políticas públicas. IPEA/IPLAN: Brasília, 1990.

IANNI, O. Estado e planejamento econômico no Brasil. 6 eds. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

IANNI, O. Tendências do pensamento brasileiro. Tempo Social. Revista de Sociologia. USP, São Paulo, v. 12, n. 02, p. 55-74, novembro de 2000.

IANNI, O. Sociologia do futuro. In: BARREIRA, C. (Org.). A Sociologia no tempo. Memória, imaginação e utopia. São Paulo: Cortez, 2003.

IANNI, O. Uma longa viagem. Tempo Social. Revista de Sociologia. USP, São Paulo, p. 153-166, junho de 2004.

MINAYO, M. C. de S. Abordagem antropológica para avaliação de políticas sociais. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 25, n. 03, p. 233-38, 1991.

PARADA, R. et al. A Política Nacional de Atenção Oncológica e o papel da atenção básica na prevenção e controle do câncer. Rev. APS, v. 11, n. 02, p. 199-206, abr./jun., 2008.

PEREIRA, L. C. B. A reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Cadernos MARE da Reforma do Estado. Brasília: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1997.

PEREIRA, P. A. P. Mudanças estruturais, política social e papel da família: crítica ao pluralismo de bem-estar. In: SALES, M. A. MATOS, M. C. de. LEAL, M. C. (Orgs.). Política social, família e juventude. Uma questão de direitos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

SANGLARD, G. P. Entre os salões e o laboratório: filantropia, mecenato e práticas científicas – Rio de Janeiro, 1920-1940. Tese de doutorado, Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2005.

SILVA, L. B. Condições de vida e adoecimento por câncer. Libertas, Juiz de Fora, v. 10, n. 02, p. 172-87, jul./dez., 2010.

SONTAG, S. A doença como metáfora. Tradução de Márcio Ramalho. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

SOARES, L. T. Os custos sociais do ajuste neoliberal na América Latina. 2. ed. São Paulo: Cortez, Coleção Questões da Nossa Época; v. 78, 2002.

TEIXEIRA, L. A. FONSECA, C. O. De doença desconhecida a problema de saúde pública: O INCA e o controle do câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 2007.

TEIXEIRA, S. M. Reforma da Previdência Social no Brasil: modernização ou desmonte da seguridade social? Serviço Social e Contemporaneidade: Revista do Departamento de Serviço Social/Universidade Federal do Piauí. Ano V, n. 05, Teresina, EDUFPI, 2007.

VIANNA, M. L. T. W. O silencioso desmonte da seguridade social no Brasil. In: BRAVO, M. I.; PEREIRA, P. A. P. (Orgs.). Política Social e Democracia. São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: UERJ, 2001.

Downloads

Publicado

2015-06-10

Como Citar

SILVA, L. K. A. Os percalços de uma política: relação à brasileira entre o estado e a política de combate ao câncer. Serviço Social e Saúde, Campinas, SP, v. 12, n. 1, p. 31–52, 2015. DOI: 10.20396/sss.v12i1.8635755. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/sss/article/view/8635755. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos