Territórios de vivência em um país continental

  • Dirce Koga Universidade Cruzeiro do Sul
Palavras-chave: Território de vivência. Cidade. Diversidade sociocultural. Desigualdade social

Resumo

O texto busca analisar as conexões e rupturas existentes entre os textos oficiais que definem e normatizam a política pública e os contextos em que ocorrem suas intervenções, trazendo para o debate algumas interfaces do SUS – Sistema Único de Saúde e do SUAS – Sistema Único de Assistência Social. Dessa forma, o cenário da gestão pública é confrontado com os contextos de vivência que configuram as cidades brasileiras, profundamente marcadas pelas diversidades socioculturais e pelas desigualdades sociais. Permanecem aqui os dilemas para garantia dos acessos dos cidadãos aos direitos sociais preconizados pela política pública em um país de dimensão continental: como chegar, quem atender, como atender?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dirce Koga, Universidade Cruzeiro do Sul

Assistente Social, Professora titular na Universidade Cruzeiro do Sul – Programa de Mestrado em Políticas Sociais, Professora na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social, Pesquisadora do CEDEST – Centro de Estudos das Desigualdades Socioterritoriais – PUCSP/INPE. 

Referências

BATALHA, E. Geografia da Saúde. Revista RADIS, nº 138. Rio de Janeiro, Fiocruz, março 2014. P.9-13.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social (PNAS). 2004 / Norma Operacional Básica – NOBSUAS. Brasília, 2005. Reimpressão, maio de 2009. BRASIL. Programa de Promoção do Desenvolvimento da Faixa de Fronteira (PDFF). SPR. Secretaria de Programas Regionais Ministério da Integração Nacional. Brasília, 2009b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

CABANES, R. et al (Orgs). Saídas de emergência. São Paulo: Boitempo, 2011.

CAMPOS, E. B. de. As Sociedades Amazônicas e o SUAS. In: CRUS, J. F. da et al (Orgs). Coletânea de artigos comemorativos dos 20 anos da Lei Orgânica de Assistência Social.1 ed. Brasília, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 2013.p. 204-223.

CHAUI, M. Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abrahmo, 2000.

FELTRAN, G. Fronteiras de tensão. São Paulo: Editora Unesp/CEM, 2011.

KOWARICK, L. Viver em risco: sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil. São Paulo: Editora 34, 2009.

MARICATO, E. Ideias fora de lugar e lugar fora das ideias. In: ARANTES, O., VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: Desmanchando Consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. da. Brasil – território e sociedade no início do século XXI. São Paulo/ Rio de Janeiro: Record, 2001.

SPOSITO, E.; SILVA, P. F. J. Cidades pequenas: perspectivas teóricas e transformações socioespaciais. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

TEIXEIRA, J. B. A Amazônia e a interface com o SUAS. In: CRUS, José Ferreira da et al (Orgs). Coletânea de artigos comemorativos dos 20 anos da Lei Orgânica de Assistência Social.1 ed. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 2013. P.188-203.

TELLES, V. da S.; CABANES, R. (Orgs.). Nas tramas da cidade: trajetórias urbanas e seus territórios. São Paulo: Humanitas/IRD, 2006.

Publicado
2015-07-23
Como Citar
Koga, D. (2015). Territórios de vivência em um país continental. Serviço Social E Saúde, 14(1), 9-26. https://doi.org/10.20396/sss.v14i1.8638899
Seção
Artigos