Serviço social e atenção primária

uma revisão integrativa

Palavras-chave: Atenção primária, Serviço social e saúde, Revisão integrativa.

Resumo

A Atenção Primária à saúde é considerada a porta de entrada dos usuários para o Sistema Único de Saúde. Por ser o primeiro nível de atenção localizado nos territórios, próximo das famílias e da comunidade deve garantir o acesso integral destas famílias às unidades de saúde e propiciar a interação entre os profissionais e a população atendida, visando um atendimento holístico que aborde questões sociais, econômicas e culturais que possam interferir no processo saúde doença. O presente artigo teve como objetivo identificar como vem sendo configurado o processo de trabalho do assistente social na atenção primária a saúde. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura realizada no mês de agosto de 2015 nos bancos de dados LILACS e SciELO, com os descritores: Assistente Social e Saúde, Serviço Social e Política de Saúde, Serviço Social e Saúde Coletiva e Serviço Social e Saúde. Após leitura crítica os artigos foram categorizados segundo o método de análise de conteúdo, sendo extraídas seis categorias de análise: 1) Atenção primária e processo de trabalho do assistente social; 2) Estratégias de intervenção; 3) Formação profissional; 4) Serviço Social e saúde mental; 5) Serviço Social hospitalar; 6) Serviço Social e saúde do trabalhador. Foram poucos os estudos que abordaram a atuação do assistente social na atenção primária. Considera-se que a pertinência desse tema mereça maior atenção por parte dos estudiosos e pesquisadores buscando aprimorar os conhecimentos teóricos práticos para consolidação e reconhecimento do profissional perante a atenção primária e aos demais profissionais da equipe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kamila Vasques Carvalho, ospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu

Pós-Graduação em Formação Pedagógica para Docência pela Uningá. Assistente Social no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Margareth Aparecida Santini de Almeida, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutorado em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Profa. Assistente da Faculdade de Medicina de Botucatu / UNESP.

Dinair Ferreira Machado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos. Pós-doutoranda em Saúde Coletiva pela Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP).

Referências

ALBUQUERQUE, A. B. B. D.; BOSI, M. L. M. Visita domiciliar no âmbito da estratégia saúde da família: percepções de usuários no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009000500017. Acesso em: 27 out. 2015

BARDIN, L, Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/viewFile/291/156. Acesso em: 27 out. 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil.1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 27 out. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Memórias da saúde da família no Brasil / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 144 p. (Série I. História da Saúde no Brasil). Acesso em: 15 jan. 2018.

BRASIL. Portaria GM Nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/docs/legislacao/portaria154_24_01_08.pdf. Acesso em: 27 out.2015.

BRAVO, M. I. S. Política de Saúde no Brasil. Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 2001. Disponível em: http://www.saude.mt.gov.br/arquivo/2163. Acesso em: 3 set.2015.

BUSS, P. M.; PELLEGRINI FILHO, A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis. Rio de Janeiro, v.17. n.1. abri. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312007000100006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 22 jan. 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100006. Acesso em: 16 jan. 2018.

CARTA DE OTTAWA. Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde. Ottawa, 1986. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/carta_ottawa.pdf . Acesso em: 03 set. 2015.

CAVALCANTE, A. H.; ALBUQUERQUE, K. M.- O Serviço Social e a Atenção Primária. SANARE Revista de Políticas Públicas. Ano iii, n.1, Jan./Fev./Mar. 2002 - Disponível em: http://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/82/74. Acesso em: 11 ago.2015.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. CFESS. Grupo de trabalho Serviço Social na Saúde (Gestão 2008-2011) – Série: Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais. Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde – Brasília, DF, 2014.

FERNANDES, R.M.C.- Educação permanente nas situações de trabalho de Assistente Sociais. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 481-505, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v10n3/a08v10n3.pdf. Acesso em: 12 maio. 2015.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: exemplar n. 1405, 1967. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/militantes/paulofreire/livro_freire_educacao_pratica_liberdade.pdf. Acesso em: 19 set.2015.

GARGARANO, F. et al. Internação domiciliária: uma experiência no sul do Brasil. Revista da Associação Médica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, v. 48, n. 2, p. 90-94, 2004.

HERRERA, N.A. Serviço Social: objetivos, funções e atividades em uma unidade sanitária. Revista Saúde Publica. São Paulo, v. 19, p. 209-216,1976. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v10n2/07.pdf. Acesso em: 15 maio 2015.

MEDEIROS, L. O Serviço Social no NASF: demandas, respostas e desafios profissionais. Florianópolis, Santa Catarina. 2012. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/103590/TCC%20%20Larissa%20Medeiros.pdf?sequence=1. Acesso em: 21 set. 2015.

MEDEIROS, R. H. A. de. Uma noção de matriciamento que merece ser resgatada para o encontro colaborativo entre equipes de saúde e serviços no SUS. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 25 [ 4 ]: 1165-1184, 2015.

QUINTINO, T. D. et al. As contribuições do assistente social no campo da promoção da saúde: desafios e possibilidades. Revista de APS, Juiz de Fora, v.15, n. 3, p. 345-355, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n117/05.pdf. Acesso em: 11 ago. 2015.

RODRIGUES, T.M.M. et al. Visita domiciliar como objeto de reflexão. Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina, v. 4, n. 3, p. 44-47, 2011. Disponível em: http://www.novafapi.com.br/sistemas/revistainterdisciplinar/v4n3/revisao/rev1_v4n3..pdf. Acesso em: 27 out.2015.

SODRÉ, F. O Serviço Social entre a prevenção e a promoção da saúde: tradução, vínculo e acolhimento. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 117, p. 69-83, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n117/05.pdf. Acesso em: 13 maio 2015.

STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia/Barbara Starfield. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002. 726 p, ISBN:85-87853-72-4. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_primaria_p1.pdf. Acesso em: 13 maio 2015.

Publicado
2018-12-14
Como Citar
Carvalho, K. V., Almeida, M. A. S. de, & Machado, D. F. (2018). Serviço social e atenção primária. Serviço Social E Saúde, 17(2), 231-249. https://doi.org/10.20396/sss.v17i2.8646420
Seção
Artigos