Estigma e discriminação: experiências de homens afrodescendentes vivendo com HIV/Aids em Salvador-Bahia

  • Aparecida de Fátima Cordeiro Dutra Associada do Center for Regional Heritage Research
  • Wilma Cordova Stephen F. Austin State University
  • Freddie Lee Avant Stephen F. Austin State University
Palavras-chave: HIV/AIDS. Estigma. Discriminação. Afrodescendente.

Resumo

O objetivo deste artigo foi compreender como homens afrodescendentes, que vivem com HIV/AIDS em Salvador, Bahia, experienciam estigma e discriminação. Assim, este texto ressalta a importância de os profissionais de saúde, entre eles o assistente social, estabelecerem uma postura desprovida de preconceito no processo de acolhimento e escuta do individuo com HIV/AIDS, afim de juntos buscarem formas de enfrentamento das adversidades vividas diariamente por esses sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aparecida de Fátima Cordeiro Dutra, Associada do Center for Regional Heritage Research
Mestre em Linguística Aplicada, Bacharel em Serviço Social
Wilma Cordova, Stephen F. Austin State University
Mestre em Serviço Social, Professora da Escola de Serviço Social
Freddie Lee Avant, Stephen F. Austin State University
Doutor em Serviço Social, Diretor e Professor da Escola de Serviço Social

Referências

ABE-SANDES, K. et. al. Ancestralidade genômica, nível socioeconômico e vulnerabilidade ao HIV/aids na Bahia, Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 19, supl. 2, p.75-84, dez. 2010.

AGGLETON, P.; PARKER, R. HIV and AIDS-related stigma and discrimination: a conceptual framework and implications for action. Social Science & Medicine,

Amsterdam, v. 57, n. 1, p. 13-24, jul. 2003.

BATISTA, L. E. Masculinidade, raça/cor e saúde. Revista Ciência e Saúde

Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 71-80, jan. 2005.

BOGART, L. M. et. al. Social network characteristics moderate the association between stigmatizing attributions about HIV and non-adherence among black Americans living with HIV: a longitudinal assessment. Annals of Behavioral Medicine, v. 49, Berlin, n. 6, p. 865-872, dez. 2015.

BUSEH, A. G; STEVENS, P. E. Constrained but not determined by stigma: Resistance by African American women living with HIV. Women & Health, Oxsfordshire, v. 44, n. 3, p. 1-18, out. 2007.

CORDOVA, W.; COOPER, H. S; AVANT, F. L. Factors that impact service delivery to individual living with HIV/AIDS in rural Northeastern Texas. Comtemporary Rural

Social Work. Minot, v. 3. p. 59-77, 2011.

CRESWELL, J. Qualitative inquiry and research design: Choosing among five

approaches. Thousand Oaks, CA: Sage. 2013.

DA CRUZ, F. B.; C, F. Ações Afirmativas: A polêmica em torno da constitucionalidade da política de cotas para negros no ensino superior público brasileiro. UEPG: Ciências Sociais Aplicadas, Ponta Grosa, v. 19, n. 2, p. 107-120, jul./dez. 2012.

DE BRITO, A. M.; DE CASTILHO, E. A.; SZWARCWALD, C. L. AIDS e infecção

pelo HIV no Brasil: uma epidemia multifacetada. Revista da Sociedade Brasileira de

Medicina Tropical, Uberaba, v. 34, n. 2, p. 207-217, mar-abr. 2000.

DE MELLO ABDALLA, F. T.; NICHIATA, L. Y. I. A Abertura da privacidade e o

sigilo das informações sobre o HIV/Aids das mulheres atendidas pelo Programa Saúde da Família no município de São Paulo, Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 140-152, jun. 2008.

EARNSHAW, V. A.; BOGART, L. M.; DOVIDIO, J. F.; WILLIAMS, D. R. Stigma

and racial/ethnic HIV disparities: Moving toward resilience. American

Psychologist, Washington, v.68, n 4, p. 225-236, mai./jun. 2013.

EDWARDS, L. V. Perceived social support and HIV/AIDS medication adherence

among African American women. Qualitative health research, Thousand Oaks, v.16,

n. 5, p. 679-691, mai. 2006.

FEIGIN, R.; SAPIR, Y.; PATINKIN, N.; TURNER, D. Breaking through the silence:

The experience of living with HIV-positive serostatus, and its implications on disclosure. Social Work in Health Care, Oxfordshire, v. 52, n. 9, p. 826-845, out.

GANCZAK, M.; BARSS. P.; ALFARESI, F.; ALMAZROUEI, S.; MURADDAD, A.;

AL-MASKARI, F. Break the silence: HIV/AIDS knowledge, attitudes, and educational

needs among Arab university students in United Arab Emirates. Journal of Adolescent Health, Amsterdam, vol. 40, n. 6, p. 572-1, 2002.

GARCIA, S.; DE SOUZA, F. M. Vulnerabilidades ao HIV/Aids no contexto brasileiro:

iniquidades de gênero, raça e geração. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.19, supl. 2, p. 9-20, dez. 2010.

GARCIA, S.; KOYAMA, M. A. H. Estigma, discriminação e HIV/AIDS no context

brasileiro, 1998 and 2005. Revista de Saúde pública, São Paulo, v. 42, sup. 1, p. 72-83, jun. 2008

UNAIDS. Global AIDS Response Progress Reporting (GARPR). The Brazilian

response to HIV and AIDS. Brasilia, DF-June 2015.

KALCKMANN, S.; DOS SANTOS, C. G.; BATISTA, L. E.; DA CRUZ, V. M.

Racismo Institucional: um desafio para a equidade no SUS? Saúde e Sociedade, São Paulo, Vol. 16, sup. 2, p. 146-155, mai./ago. 2007.

LOPES, F. Para além da barreira dos números: desigualdades raciais e saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 5 p. 1595-1601, set-out. 2005.

MIRANDA-RIBEIRO, P.; SIMÃO, A. B.; CAETANO, A. J.; LACERDA, M. A.; DE

ABREU, M. E. Perfis de vulnerabilidade feminina ao HIV/AIDS em Belo Horizonte e

Recife: comparando brancas e negras. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.19, supl. 2, 21-35, dez. 2010.

MYEZWA, H.; BUCHALLA, C. M.; JELSMA, J.; STEWART, A. HIV/AIDS: use of

the ICF in Brazil and South Africa–comparative data from four cross-sectional

studies. Physiotherapy, Amsterdam, v. 97, n. 1, p. 17-25, mar. 2011.

NUNES, C. D. L. X.; GONÇALVES, L. A.; SILVA; P. T., & BINA, J. C.

Características clinicoepidemiológicas de um grupo de mulheres com HIV/AIDS em

Salvador-Bahia. Revista da Sociedade Brasileira Medicina Tropical, Uberaba, v. 37,

n. 36, p. 436-40, nov./dez. 2004.

OLIVEIRA, I. B. N. Acesso universal? Obstáculos ao acesso, continuidade do uso e

gênero em um serviço especializado em HIV/AIDS em Salvador, Bahia,

Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, supl. 2, p. 259-268, jan.

PARKER, R.; DE CAMARGO Jr, K. R. Pobreza e HIV/AIDS: aspectos antropológicos

e sociológicos. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro v. 16, sup 1, p. 89-102, jan. 2000.

PELTZER, J. N.; DOMIAN, E. W.; TEEL, C. S. Infected Lives Lived Experiences of

Young African American HIV-Positive Women. Western Journal of NursingResearch, Thousand Oaks, v. 38, n. 2, p. 216-230. set. 2014.

SANDELOWSKI, M.; LAMBE, C.; BARROSO, J. Stigma in HIV‐Positive

women. Journal of Nursing Scholarship, Maiden, v. 36, n. 2, p. 122-128, jun. 2004.

SPIASSI, A. L. FAUSTINO, D. M.; VISO, A. T. R.; CAVALHEIRO, L. O.;

VICHESSI, D. F.; SANT'ANNA, V.; AKERMAN, M. O Movimento Negro do ABC

Paulista: diálogos sobre a prevenção das DST/Aids. Saúde e Sociedade, São Paulo,

v.19, supl. 2, p. 121-133, dez. 2010. Disponível em: UNAIDS.ORG.BR. acesso em: 12/11/2016.

WERNECK, J.; MENDONÇA, M.; WHITE, E. C. O livro da saúde das mulheres

negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro, Pallas, 2002.

Publicado
2017-01-18
Como Citar
Dutra, A. de F. C., Cordova, W., & Avant, F. L. (2017). Estigma e discriminação: experiências de homens afrodescendentes vivendo com HIV/Aids em Salvador-Bahia. Serviço Social E Saúde, 15(2), 257-272. https://doi.org/10.20396/sss.v15i2.8648120
Seção
Artigos